… pois em férias você está e quando poderei conseguir as minhas? De Olga Purim para Reynaldo Purim – 1923

Rio Novo, 23 de janeiro de 1923.

Querido Reini: Saudações!

Ah é assim! Ontem foi o seu aniversário por isso em primeiro lugar desejo muitas felicidades. Aqui nós não temos telégrafo nem telefone. Se tivéssemos, teríamos telefonado para avisar que era o dia de seu aniversário.

Desta vez eu teria isto e aquilo para escrever. Mas vou começando a me desculpar como habitualmente você faz. Tu não lembras mais nada da vida aqui em Rio Novo, mocinho novo, como tu eras, estamos cheios de serviços grandes e pequenos. Serviços nas roças e serviços em casa. Que as ervas daninhas têm ser capinadas e que a chuva nesta época é demais e diante de tanta coisa para fazer não podemos entrar em minúcias, pois não dá tempo para escrever tudo.

A tua carta escrita no dia 11 de dezembro com todas fotografias recebemos alguns dias antes do Natal. Muito obrigada por tudo. Fiquei esperando mais alguma carta para matar dois coelhos com uma carta só, mas desta vez não veio.

Você realmente veio e chegou para o Natal [nas fotografias], mas estava tão orgulhoso que não abriu a boca. Parecia mesmo um padre católico. Uma face mais gorda que a outra e o seu alfaiate esqueceu de colocar os botões no fraque. Se soubéssemos o tamanho e a quantidade dos botões, poderíamos mandar daqui. Apesar do muito serviço estamos deixando você dormir, pois chove demais. Continue na gaveta.

Nós todos os jovens de Rio Novo estamos esperando “Segundo convite” para a inauguração do novo templo de sua Igreja e daí todos vamos viajar para lá. Apronte-se bem e nós espere. Se não formos agora nos vamos outra vez.

Tu queres saber os nomes dos grandes homens que dirigem a União de Jovens e os cargos de cada um. O Presidente era o João Seeberg, mas como ele tinha ir servir o exército então foi eleito para o lugar dele o Alexis Klavin. O secretário é o Karlis Sanerip e o tesoureiro é o Oscar Karp, o regente do Coro é o Osvaldo Auras e o bibliotecário é o Augusto Klavin e como moderador ficou o Augusts Feldbergs. Os auxiliares serão recrutados entre os membros pelos próprios titulares. As reuniões são agora realizadas todos os meses. Em cada segunda-feira que sucede ao segundo Domingo do mês a noite é realizado o ensaio, onde tudo tem que ser feito em brasileiro. Os hinos e tudo que é apresentado somente em português. E mais todos têm que participar mesmo que seja com alguma coisa senão vêm broncas e é terminantemente proibido falar em leto e ainda para terminar é cantado o Hino Nacional Brasileiro, tudo isto é muito bonito.

Na noite do terceiro Domingo é o culto de oração dirigido pela Mocidade. Na Segunda-feira que sucede o terceiro Domingo de cada mês é a sessão regular administrativa. [Sessão de negócios] Na noite do quarto Domingo é a Noite das Apresentações. Quando as noites voltarão a serem mais longas então às terças-feiras vão voltar os ensaios do coro dos jovens, [Todos colonos aproveitavam o máximo à luz natural.]
Pois agora chove demais e o mato [Ervas daninhas] cresce demais e o serviço para dar conta é muito, então por isso nesta época não dá tempo para aprender a cantar.

Quem chegou sem ser esperado vindo a cavalo de Mãe Luzia no dia 2 de dezembro, um Sábado foi o Karlis Leiman. Chegou aqui em casa já de noite, pregou na Igreja no Domingo de manhã e de noite. Na Segunda-feira foi até o Rodeio do Assucar onde os pais e eles tinham morado e daí visitou muitos amigos e conhecidos e na mesma semana foi embora. Explicou que estava com pressa de voltar porquê na vinda tinha perdido muito tempo, pois o navio tinha encalhado num baixio e demorou aparecer outro para o resgatar.

O Karlis contou alguma coisa sobre você e seu trabalho e que este ano não podes vir para casa, devido à construção do Templo. Também contou que você é um homem muito importante, eles lá sem você, não conseguem sobreviver.

Reclamou de você que nunca escreveu contando do sucesso do João “Gigante” Klava que está lá na sua Escola. Agora ele esteve em Mãe Luzia na casa dos Klava e soube que o pupilo deles, o Jahnis era o mais inteligente e esperto que ele. Inclusive tinham mandado dinheiro para as passagens para que ele possa voltar e dar um passeio em casa, mas como não apareceu até agora, não sei se ainda virá. O Kahrlis disse se alguém não encontrar o velho Klava para ouvir os mil elogios ao seu filho e só lembrar da época que o velho Karklim elogiava o seu filho Jorge, pois ambos diziam que no mundo não tinham os filhos mais inteligentes que o deles.

E a festa de Natal está longe atrás. O tempo durante as Festas esteve muito bom. No dia 25 tivemos o pinheirinho e o programa da Escola Dominical. Na noite do último dia do ano nós também tivemos Festa na Igreja e esperamos o Novo Ano juntos. No dia do Ano Novo durante o dia houve a Festa de Missões, também na Igreja.

Não sei se você sabe que o tio Jekabs Purens com toda família estão em São Paulo e junto com o Inkis entraram naquela floresta? Sobre estas coisas você não sabe ou não se interessa por nada? Também não sabes quanto bem, eles estão passando.

O Schanis Sprogis escreveu aqui para o Alexis que quando o navio esteve ancorado no Rio ele subiu a bordo para ver os novos letos. Você bem que poderia ter ido também, pois tu moras ai mesmo. Ou mesmo não tens encontrado o Jahnis Inkis que estuda na mesma Escola ou não está mais? –

Eles chegaram em São Paulo como informaram seriam mais de 700 pessoas e quando desembarcaram foram encaminhadas para a casa do Imigrante e então após alguns dias sob a liderança do Inkis, do Malvess e de outros que chegaram antes, seguiram de trem, mata adentro. A última estação da estrada de ferro [Sapezal – Alta Sorocabana – Depois de Paraguaçu Paulista e antes de Quatá S.P.] está longe dentro da mata e de lá até se chegar o lugar ainda um longo caminho a pé através da mata fechada. O Inkis teria profetizado que o mundo seria atingido por grandes catástrofes e poderia mesmo acabar e a mata fechada seria o melhor lugar para ficar. O Inkis já teria profetizado antes que a Letônia seria atingida por grandes desastres e que todos que pudessem deveriam fugir da Letônia antes do dia 15 de outubro passado e por isso quem pôde veio embora.

O tio Jehkabs mandou um Cartão Postal de São Paulo que felizmente tinha atravessado o grande oceano, então iriam enfrentar a nova colônia em plena mata e também estava escrito que quando se encontrassem pessoalmente poderiam por os assuntos em ordem. Também prometeu escrever logo uma carta, mas até agora não chegou nada.

O que ninguém sabe é se o Inkis não está esperando ou prometendo para os outros que todos os Letos do Brasil estejam dispostos a o acompanharem nesta aventura. Uma coisa é certa, a quem o Inkis convencer, dificilmente poderá voltar atrás, porquê ele não permite não.

O Kahrlis contou que em Nova Odessa diversas pessoas acharam que o Inkis não estava bem da cabeça. O que ele vai fazer levando esta multidão diretamente para dentro da selva e fazer todos viverem do mesmo modo em que viveram os primeiros Apóstolos de Jesus com todos os bens em comum. Outros contam que já em São Paulo todos tinham que entregar a um comitê o restante de dinheiro que cada qual ainda tinha como reserva. Alguns que tinham mais e não teriam aceitado esta pressão e não sei então se não serão expulsos da comunidade por acharem isso uma extorsão ou roubo.

Também o Arnolds Klavin tem escrito que lá tem havido reclamações sem fim, com pessoas doentes, e muitas morrendo. Imagine sair de uma terra diferente e fria e passar para um calor destes. Sem alimentação ou pelo menos a comida que é parca e estranha para todos. Leite também não é possível se conseguir. Todos tem que comer numa mesa comunitária e nenhum melhor ou diferente de outro. Pela manhã pão de milho com uma sopa grossa, agora imagine sem leite. Na hora do almoço, feijão e arroz, mas sem carne. Parece que os que servem não são bastante justos e passam melhor.

Outros já estão morando em Nova Odessa e outros mais deverão sair. Como este movimento vai terminar, ninguém sabe. Se o Inkis não tivesse vindo antes aqui e conhecido o Brasil, quem sabe não tivesse se envolvido com estas profecias, pois ele depois de tanta violência e miséria da Grande Guerra começou a escrever para cá e também por lá e as pessoas começaram a acreditar que tudo poderia se repetir. Então porque não fugir para cá. Só de pastores devem ter vindo uns 20. Muitas Igrejas Batistas se dissolveram totalmente. Muitos pastores e líderes deixaram os seus pequenos rebanhos para trás e vieram para cá e eles que agüentem os males que estariam por vir. Como escreveu o Freij há pouco tempo: Aqueles que puderam viajaram e foram embora e nós aqui graças a Deus, mal não estamos passando e Deus está conosco e não sabemos como estão aqueles que queriam achar o Paraíso aqui na terra.

Aqui no Rio Novo todos dizem que aquelas mal orientadas pessoas que debandaram sem um plano definido e sem conhecer nada, bem que poderiam ter ficado lá vivido tranqüilamente os seus dias em vez de ouvir as profecias do Inkis. Dos que vieram não eram somente Batistas e sim também Luteranos todos que apóiam este movimento de Renovação Pentecostal. Pode ser que você saiba mais do que nós e não vale a pena ficar escrevendo e se eu escrever mais o que eu vou escrever outra vez.

O Arthurs vai escrever na outra vez. Ele não iria querer todas estas guloseimas de graça como laranjas, uvas, pêssegos, quanto quiser. Então comece a construir o navio para que nas próximas férias e venha com ele rápido e bem cheio de presentes.

Vou esperar de você uma longa carta, pois em férias você está e quando eu poderei, conseguir as minhas? Com lembranças de todos Olga.

[NT- Nesta carta já surgem comentários negativos sobre a futura colônia Palma]

Anúncios

Não foi sucesso por causa de um imenso temporal. | De Olga Purim para Reinaldo Purim – 1922

Rio Novo 7 de novembro de 1922

Caro Reini: Saudações!

Recebi a tua carta escrita no dia 19 de outubro no Domingo passando. Obrigado! Mas parece que ficou muito prosa com os teus trabalhos tão importantes.

Que tanto você vai a igreja todas as noites. Isto pode ser até demais. Não tem outras pessoas para ajudar fazer o trabalho. Ter que falar todas as noites e ainda se preparar para falar isto sem nenhum descanso.

Onde está o heróico Jahnis Klava? Sabe-se aqui que ele é merecedor de todas honras possíveis e já teria terminado a Escola Militar e feito ainda outras proezas.

Obrigado pelo convite para a festa, mas quando as festas são realizadas em Salões eu não acho vantagem. Outras por que, as festas, são sempre as noites? À noite nós sempre estamos com sono. Resumindo, não vai dar desta vez de ir; quem sabe na próxima.

Também você não veio na Festa da Mocidade no mês passado. Eles tinham aprontado tudo para ser uma boa festa e você nem assim não veio. Foi uma festa muito boa. O tempo estava muito bom e quem dirigiu foi o Emilio [Anderman]. Mensageiros de outras igrejas não vieram, mas muitas cartas e telegramas. Não vou escrever sobre a festa, pois os outros escrevedores vão escrever como tudo transcorreu.

Somente vou contar que a União das Jovens e dos Jovens foram reunidas em uma só, ficando como União de Mocidade da Igreja. Isto ocorreu no dia 8 de outubro. Os argumentos são que em outras localidades assim já funcionam melhor. Também estão prometendo reuniões semanais com outros temas facilitando os jovens a se desenvolverem etc. Vamos ver como vai ficar.

O Deter esteve aqui, mas somente um culto de Domingo à noite. Não foi aquele sucesso por causa de um imenso temporal. Logo em seguida ele foi a Tubarão onde foram grandes os cultos realizados. Até o Coro daqui da Igreja foi até lá para cantar.

Hoje a minha carta não está rendendo por causa do sono. Se você souber algum remédio para o sono… então, pode mandar. Ai eu escrevo mais. Este ano tudo, mundo anda bastante sonolento. Também os outros estão escrevendo então você terá bastante o que ler. –

Logo as tuas aulas vão terminar e ai você poderá viajar para casa, descansar bastante, engordar, pois na foto que você mandou ano passado estás magro demais e é possível que este ano estejas mais magro ainda.

Como é que os outros americanos tiram férias e vão para América então você muito bem pode vir passar as férias em casa. Ainda temos muitas laranjas e os pêssegos estão começando a madurar. Você vai gostar.

Para os nossos parentes na Letônia você mesmo poderá escrever. O endereço deles é: Europa Latvia Estação de Latgale Correio de Korjowka Kokorewa Mahlu kalnu majas Andrejis Purens [Mahlu kalnu mahjas traduzido é: Casas ou moradias da colina do barro]. Este endereço tão longo quanto uma légua você pode escrever em leito.[ O endereço está na ordem inversa] Como você já é professor vai ser fácil para entender.

Com saudações. Olga. –

(NT – Esta sonolência dela é sintoma de alguma moléstia)

…chegamos em casa em Paranaguá eram 2 da madrugada, mortos de cansaço | De Carlos Leiman para Reynaldo Purim -1922

Paranaguá 28 de agosto de 1922

Querido Reinold

Saudações

Parece que eu nunca tenha escrito para você desta cidade. Você também terá o direito de dizer que não foi possível escrever por absoluta falta de tempo por não ter condições de estabelecer uma escala de prioridades, pois as tarefas e necessidades se sucedem de maneira impressionante.

Estou cheio de trabalho, já tive oportunidade de conhecer todo meu campo de ação que é muito grande. O maior problema é que muito poucas pessoas sabem ler, também a maior parte do meu deslocamento é por água.

Na semana passada saí de Assunguí de canoa em companhia de um negro que era o ajudante, às 10 horas da manhã, tinha chovido muito e o rio estava por fora das margens e para baixo íamos muito bem e ao entramos no mar na força da maré alta surgiu um forte vento contrário então tivemos que esperar a maré baixar e depois na base de remos enfrentando as ondas e o vento até que às 8 horas da noite quando ficamos encalhados numa parte rasa e dai quando chegamos em casa em Paranaguá eram 2 da madrugada mortos de cansaço.

Na Sexta Feira nós saímos às 3 horas da madrugada para chegar de volta em casa há meia noite. Estarei aprendendo lidar com o motor para sair com o barco grande.

O povo aceita o Evangelho, mas o difícil é organizar o trabalho para ele continuar sozinho, pois faltam pessoas capacitadas e com iniciativa. Daí sobra, tudo, pra gente.. Escreva-me como estás passando. Eu mandei para você as conclusões da Convenção.

O novo Inkis ainda continua na escola?

Tens alguma novidade do Rio Novo ou de Nova Odessa?

Saudações

Carlos Leiman

Agora somos duplamente irmãos | de Otto Roberto Purim para Reynaldo Purim 1922

Rio Novo 20 de abril de 1922

Querido irmão! Saudações.

Eu este ano não recebi nenhuma carta sua. Parece que você ficou preguiçoso em responder as minhas cartas, mas não tem importância, pois eu vou escrever outra vês, se bem que tenha bastante coisas para te contar.

Nem sei por onde começar, mas vou tentar escrever pela ordem de importância dos fatos: – Agora nós somos duplamente irmãos. Pois no primeiro domingo de abril fui aceito como membro da Igreja então a partir de agora além de sermos irmãos carnais também o somos em Cristo. Quando serão os batismos, eu não sei.

Os livros da Biblioteca da Mocidade estão em péssimas condições de tanto uso e eu já os li todos. Eu sou membro da União da Mocidade, desde o começo do ano. Eu também faço parte do Coral Jovem onde estou aprendendo a cantar tenor.

Você poderia mandar uma pessoa que me ensinasse a tocar violino, pois um pouco eu sei. Se tivesse uma pessoa que ajudasse, eu aprenderia bem e rápido a tocar.

Algumas semanas atrás eu e o Paps [Jahnis Purim, pai do Reynold e dos outros] fizemos de ripas de tronco de palmito jussára uma gaiola transportável para apanhar bichos, que vivem atacando as nossas galinhas.

Antes eu tinha armado laços, mas não pegamos nada. Até a Leda [Leda era o nome de uma cachorra muito leal e minha família teve mais de um cachorro com este nome que até foi adotado por pessoas que gostaram do som deste nome e temos amigas maravilhosas com este nome] cortou o barbante do laço. [Era aproveitada a elasticidade das árvores para capturar os bichos]

Esta gaiola é relativamente grande e é dividida em duas seções. Em uma dela a gente prende um galo, pois ao cantar ele atrai os bichos. A outra parte é feita uma portinhola para quando o bicho entrar ele passa por cima de uma tábua que desarma a portinhola que cai fechando o bicho ai dentro. Já pegamos dois cachorros do mato dos quais tiramos as peles. Nós levamos esta armadilha lá perto do mato pequeno. Lá eles além das galinhas, eles estragam muita cana. Se você precisar de peles para fazer casacos ou golas de casacos, ficariam muito bonitas estas peles de cor cinza..

De qualquer modo você deve conseguir comprar a minha ocarina.

Eu ganhei ovos de pata do Auggi e pus para chocar e saíram 9 patinhos dos quais a maioria morreu sobrando apenas 3 e todos são machos e não fazem som algum e, portanto deves comprar a minha ocarina [Ocarina e patinho em leto é a mesma coisa e daí o trocadilho]

Desta vez chega outra vez mais.

Com saudações. Arthurs. [Agora com 17 anos]

..subir em algum morro bem alto e ver se avista um navio cheio de letos..De Olga Purim para Reynaldo Purim 1922

Rio Novo 11 de abril de 1922

Querido Reynhold!

Primeiramente envio muitas lembranças. Pensando bem, eu não tinha nenhuma obrigação de escrever esta noite, pois tu estás devendo respostas de duas cartas, uma escrita no dia 13 e outra no dia 23 de março.

Aquele grande pacote com jornais e outros impressos recebi no dia 26 e muito obrigado por tudo. Agora nós temos dois prospectos do seu Colégio. Vocês deverão ser mais de mil alunos com tantos letos que foram para lá. Você conhece aquele alemãozinho de Paranaguá, o João Henke. Este é um dos que vieram para as Conferências da Convenção no Rio Novo.

Bem desta vez eu terei alguma coisa de novo: – – O tempo esta semana está mais ou menos bom, pois chovido tem pouco.

Uma coisa muito importante é que a universidade de Rio Novo depois de 8 meses de aula, já encerrou o ano escolar e os Rockfellers já estão prontos para enfrentar a vida. [Parece que naquela época a neurolingüística não era muito difundida. Alguns professores tentavam fazer com que os alunos adotassem os grandes homens como modelo e assim como que, atrelando o seu carro a uma estrela, mas não eram bem compreendidos por todos]

O próprio Treiman, como fosse acossado por fogo, foi abrir uma escola na casa do João Leepkaln lá no Rodeio das Antas para os filhos dos brasileiros. Isto faz parte da filosofia dele de não maltratar os alunos por muito tempo com tanta matéria.

O Karlos Sanerip já voltou do Quartel onde esteve servindo o Exército. O Augusto Klavin que estava em Kuritiba servindo o exército, agora está fazendo “manobras” no Rio Grande do Sul junto com a fronteira da Argentina que são muito necessárias para gastar o dinheiro do governo. Este ano foram convocados o Wilkan Karkles e o Kirz Stekert, isto é dos letos. O Wilks está muito satisfeito, pois só assim poderá conhecer o mundo ai fora e ainda sem pagar a passagem.

A Igreja convidou o Deter [Deter era um missionário batista norte americano trabalhando no campo Paraná Sta. Catarina] para visitar o Rio Novo, pois o Lupers tinha prometido vir, mas, acabou viajando para outro lugar. Quando o Deter vier, vai haver uma festa de Batismos dos 10 novos membros que foram aceitos pela Igreja. São eles o Willis Klavin, o Willis Slengmann, o Edward Karklin, o Victor Maisin, a Hulda Maisin, o Karlis Leepkaln, o Alfredo Burmeister, o Harris Feldberg e os nossos Lucija e o Arthurs.

Outra novidade é que na semana passada recebemos qual não estávamos esperando. Veio do nosso parente (tio) Jekabs Purens da Letônia. Ela conta que eles estão determinados e convictos da necessidade de vir embora para o Brasil. Eles estão todos vivos e sãos.

O irmão dele, o André é que está numa situação mais difícil, pois mora na Rússia, junto a fronteira da Letônia onde grassa muita fome e doença e nenhum socorro pode ser enviado para lá. Ele vai tentar passar para o lado de cá da fronteira e viajar junto para cá.

Pelo que ele fala ele pensa que o Brasil é do tamanho da Latvia, pois, pede que quando eles chegarem no navio cheio de letos, alguém vá ao seu encontro. Ele pensa que é como lá que o navio ou chega em Riga ou então em Leepaja, pois outros portos não existem e quando você pode pegar um trem e em poucas horas estar lá. Também não falam nada se eles estão vindo por conta própria isto é com dinheiro deles e nem quando e nem onde eles deverão chegar.

Mas aqui há outras pessoas que contam que o Inkis e o Malvess [ Malvess era do Rio Novo e agora agente de Imigração do Governo em São Paulo] conseguiram passagem livre, sem custo algum e por isso deverão vir muitos letos. O Malvess é novamente um agente de imigração do Governo e tem colocado anúncios para venda de terras no interior do estado de São Paulo em jornais alemães. Se eles realmente estão viajando livres por conta do governo é justo e certo que eles irão direto para São Paulo. Você sabe alguma coisa acerca deste assunto?

Pelo que o Jekabs escreve parece ou ele pensa que vem direto para o nosso lado. Mas diz, também que não sabe se nós estamos ainda vivos ou não e se nós estaríamos satisfeitos que eles viessem para cá. Também fala que lá as coisas não estão nada boas e sem muita esperança de alguma melhora. Diz ainda que teria muito que contar e perguntar, mas iria deixar para quando depois da chegada teria mais oportunidades para conversar. Pelo que parece ele pensa que São Paulo fica junto de Sta. Catarina, assim como a Vidzeme fica junto com a Kurzeme.

O Paps quer que eles venham para cá, pois se eles forem para São Paulo onde deverão ir muitos Letos é interior, terra totalmente desabitada, onde eles, com certeza vão sofrer penúria por não ter onde trabalhar para ganhar dinheiro, onde vender e onde comprar. Com certeza no Rio Novo será melhor. Nós ainda não respondemos, pois eles não pedem que façamos, pois é possível que eles já estejam em viagem para cá. Pois a carta tinha sido escrita em 22 de fevereiro de 1922. Então você poderia subir em algum morro bem alto e ver se não avista um navio cheio de letos e entre eles os nossos parentes, vindo para o Brasil.

Eu acho que não sabem que você ainda está estudando. Pode ser que eles não tenham a chance de conhecer o Rio de Janeiro. A não ser que ainda que levem a alguma Ilha das Flores onde dizem que as casas e alojamentos de quarentena estão sendo reformados

(Escrito na lateral)
Bem por hoje chega. Vou aguardar de você muitas novidades. O desejo de todos é que tenhas uma Feliz Páscoa. Olga.
__________________________________________________________________

Chove todos os dias e semanas inteiras. | De Arthur Leiman para Reynaldo Purim – 1922

Rio Novo 02 de Fevereiro de 1922

Querido Reini!

Primeiramente muitas e sinceras lembranças.

Estou escrevendo, não sei se recebestes a minha carta anterior ou não. Há pouco recebi as esquecidas lembranças, ou melhor, os esquecidos receberam as lembranças. Obrigado por elas também e como para aqui não será possível escrever, pois logo no fim do mês deverei estar embarcando para o Rio Grande do Sul “ ne us do Nerte. “Compreender alemão? “

Aqui estou suficientemente bem. Fiquei muito feliz por ter tido a oportunidade de ajudar esta Mocidade ficar mais próxima a sua Igreja. Com os Brasileiros, não tive oportunidade de trabalhar e a grande maioria ainda tem dificuldade com a língua.

Mas como chove aqui. Chove todos os dias e semanas inteiras. As estradas são lamacentas e as noites escuras. Ontem à noite voltando a cavalo da Igreja……. (Parte ilegível).

O Butler também esteve aqui um par de semanas.

Estou esperando o Karlos [ Leiman]. Não sei onde ele está caído ou entalado e como ele não escreve. Daí terei que ir procurá-lo. Que posso fazer, assim são os Ilustríssimos Senhores.

Teria muito que reclamar para você, mas certamente não faltarão outros melhores e mais inteligentes, nestas questões.
Escreva-me para Ramón Falcon 4.100 Bs. Airé R. Argentina.

Saúda-te o teu companheiro Arthurs Leiman
________________________________________________

..quem sabe, onde e quando possamos nos encontrar alguma vez ?| De Artur Leiman para Reynaldo Purim – 1922

Rio Novo St. Catharina
18 de janeiro de 1922

Querido Reinohld! :

Que o Senhor esteja contigo.

Após vários anos estou cá de volta.

Até agora não me aconteceu nada, estou são e salvo. Estou realmente bem.

Vim pensando não fazer nada. Mas as solicitações foram tão insistentes e então comecei a atender os pedidos então agüente enquanto possa. Todos cultos tenho que dirigir. Meu irmão Willis [Leiman] também ficou 2 semanas. Agora atendo mais a Mocidade e entre eles o teu irmão e tuas irmãs que pedem misericórdia.

Uma vez você me escreveu que o povo daqui estava me esperando muito. Achava que ia encontrar um ambiente hostil ou mais ou menos isso. Então com certa preocupação e a moral um tanto baixa vim subindo a estrada entre os morros em direção ao Rio Novo. As margens da estrada com mato muito crescido parece que me fechavam, mas sempre na esperança que realmente não fosse tão difícil assim.

Realmente esperam agora com outra visão o Butler, [Wilis Butler] Inkis,[J. Inkis] Karlis, [Karlis Leiman]</em

Agora antes que esqueça algumas palavras de explicação porque tinha deixado de escrever. Eu escrevia, escrevia e nunca recebia resposta, então parei de escrever. Será que foi por culpa dos Correios?

Estarei aqui até o mês que vem, então possivelmente irei a Ijuy e então daí por terra para a Argentina.

Ouvi dizer que és pastor. Felicidades!

Para mim ainda falta este ano, quem sabe, onde e quando possamos nos encontrar alguma vez? – O mundo é grande!

Uma sincera saudação do teu Artur Leiman.
_______________________________________________________