O PASTOR KARLIS ANDERMANIS – IGREJA BATISTA DE RIO NOVO -1905 –

O PASTOR KARLOS ANDERMAN

1ª PARTE

DEPOIMENTO APRESENTADO POR JULIO ANDERMAN UM DOS SEUS FILHOS
Autor: Julio Andermann
Datilografado por Laurisa Maria Corrêa
Revisado por Viganth Arvido Purim
Material cedido pelo Autor: Sr. Julio Anderman

O meu pai Carlos Andermann e minha mãe Emilia Kanzberg Andermann, junto com um casal de filhos, em 1905, emigraram da Letônia para o Brasil, com destino a uma Colônia que se estabeleceu em Rio Novo, nos arredores de Orleans e Lauro Muller em Santa Catarina. Sua missão era pastorear a Igreja Batista e de professor da escola primária.

Antes disto, o meu pai ainda solteiro, fora mandado pela Sociedade Missionária Batista Leta para Palestina a fim de cercar, naqueles lugares santos, os peregrinos russos em território neutro e pregar o Evangelho para eles que lá iam buscar graças e pagar penitencias, por que no Império Russo, ao qual pertenciam os paises Bálticos, não se permitia proselitismo religioso fora do recinto das igrejas.
Então o meu pai criou um estilo pessoal de abordar aqueles turistas individualmente ou em pequenos grupos, cativar o seu interesse e transmitir a mensagem da salvação. Esta maneira missionária de evangelizar depois ele empregou durante toda a vida.

Era um homem culto. Podia se comunicar em inglês, alemão, russo e por fim no idioma português. Sabia grego e lia fluentemente em hebraico, que havia aprendido o seminário para interpretar melhor as escrituras.
Naquele tempo os Batistas estavam começando a evangelização na Letônia, como também no Brasil, apoiados pelos recursos das Sociedades Missionárias americanas.

Letônia era eminentemente Luterana e aquela denominação tradicionalista nos seus cultos usava mais ou menos os mesmos ritos da igreja Católica. Cantavam os velhos corais de Bach; a maioria dos seus membros visitava a Igreja quando eram batizados, quando casavam, batizavam os filhos e por fim, no próprio funeral.
A preferência pela religião Luterana foi à conseqüência da colonização da Letônia pelos Junkers alemães que a ocuparam depois da Reforma e independentemente de qualquer opção pessoal do povo que passaram a dominar, mandaram batizar todos e depois os pastores doutrinavam insistindo naquelas idéias que facilitavam a servidão – a vinculação do homem a terra e obediência aos seus senhores. Não foram convertidos e por isto continuavam na vida mundana com todos aqueles excessos de vícios e maus costumes, que transmitiam as novas gerações.

Então vieram os Batistas com aquela teoria da Salvação, entoavam aqueles hinos brilhantes do Ira D. Sankey magistralmente traduzidos para o idioma Leto e aquela gente que cantando nasce, cantando cresce e cantando leva à vida – foi sensibilizada e não há outro meio mais eficaz de chegar-se à alma humana do que através dos cânticos harmoniosos, rítmicos e bem entoados.

Mas o entusiasmo dos evangelizadores Batistas tinha ainda outro motivo de insistir nesta conversão, por que a religião Ortodoxa, a oficial da Rússia naquele tempo tinha uma conotação de obscurantismo, do qual a maior expressão foi o monge Rasputin, infiltrado na família imperial. Então os crentes acompanhavam o seguinte raciocínio:
“Se nos grandes países tais como Inglaterra e América do Norte, onde”.
predominavam os Evangélicos com a sua moral havia prosperidade
e abundância, então também o mujique, através da luz do evangelho,
poderia fazer surgir na Rússia aquele progresso espiritual e “material”.

Durante a sua estadia na Palestina o meu pai tinha estudado Teologia num Seminário Teológico Luterano alemão situado numa Missão na Palestina, por que ainda não havia este curso na Letônia.

Era músico, poeta, escritor. Escreveu um livro sobre a Palestina intitulado “Terra de onde emana Leite e Mel” do qual não sobrou nenhum exemplar.

Escolhido pelas características da sua personalidade para aquele trabalho permaneceu na Palestina por 4 anos, de onde mandou também reportagens para a imprensa e teve de deixar aquele posto por que contraiu uma febre maligna, razão pela qual retornou para a terra natal.

Minha mãe Emilia Kanzberg Andermann era filha de madeireiro, homem grande, forte, querido das mulheres, dado a bebida e a dança do sabre e outras extravagâncias.
Ela possuía uma bela voz que me fez lembrar a da Janete MC Donald. Apaixonou-se por aqueles lindos cânticos, converteu-se ao evangelho, foi batizada, mas, por que contrariou a opinião doutrinária Luterana de seu pai, foi expulsa de casa e deserdada. Mudou-se para Riga, foi acolhida pela Comunidade Batista, trabalhou e fez um curso noturno de Administração do Lar – com noções de medicina, primeiros socorros e parto. Sabia identificar pelos sintomas, as doenças endêmicas tais como: crupe, sarampo, coqueluche. Gerou 6 filhos, sendo 3 homens e 3 mulheres, que todos cresceram e alcançaram a velhice, com exceção do Teófilo, que faleceu nos Estados Unidos.

Os meus pais casaram na Letônia onde tiveram dois filhos, os outros quatro nasceram no Brasil. Enquanto ainda na Letônia o meu pai cooperava com a Junta Batista como missionário itinerante a minha mãe o acompanhava implantando escolas dominicais.
Quando ele contraiu pneumonia provocada pelos rigores do clima nórdico, para facilitar a sua convalescença num clima tropical, a Junta Missionária Batista o mandou, junto com a família para o local que já foi mencionado.

Vale dizer que na mesma época, somente um pouco antes também veio para o Brasil como Missionário o Pastor Klavin designado para Ijuí no Rio Grande do Sul, o pai do eminente professor e médico Dr. Alexandre Klavin, diácono recentemente falecido, da Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro, que era nosso parente afastado.

Muito bem! Então a família do meu pai cruzou o Oceano numa viagem de vapor até Laguna, de lá pegou o trem da Estrada de Ferro D. Teresa Cristina até Orleans e depois num carro de bois foram levados para o novo lar em Rio Novo.
Vizinha, distando cerca de 12 horas a cavalo, havia uma outra colônia Leta de Mãe Luzia onde também havia uma dezena de famílias, que às vezes se visitavam. As terras destas colônias eram pouco férteis e ficavam longe da civilização.
A aventura desta imigração consistia em duas motivações:
1ª a espiritual: ٠formar um grupo de Batistas coeso onde uns eram vizinhos dos outros sem a interferência de doutrinas estranhas para abalar a fé;
٠evangelizar os habitantes da terra para convertê-los a doutrina Batista com mesma finalidade que tiveram na Rússia, evangelizar as mentes no intuito do progresso material.
2ª a material: ٠posse e ocupação de uma gleba de terra em seu nome que pudesse ser transmitida por herança aos filhos, aspiração impossível na Rússia.
O meu pai veio com a dupla missão: – ser o professor da escola primária para alfabetizar os filhos dos imigrantes; ser o Pastor da comunidade Batista. A minha mãe cooperaria na organização da escola dominical e ajudaria na prestação de primeiros socorros em virtude dos seus conhecimentos de medicina; fazendo partos, na ausência de uma outra alternativa melhor.
A Igreja Batista Leta do Rio Novo estava edificada na encosta de uma elevação [Ao pé da encosta e não na encosta] onde em cima havia o cemitério da comunidade.
Descendo do Templo uns 20 metros adiante para uma ravina havia uma fonte de água cristalina que jorra até hoje [Eram bem menos de 20 metros, talvez uns dez metros. Era chamado de “Avotin” isto é a pequena fonte. No meu tempo tinha sido feito um muro de pedras onde tinha sido introduzido um tubo de ferro de aproximadamente 1. ½” por onde a água escorria de uma altura de 50 centimetros. Também eram de pedras o leito e as calçadas de ambos os lados onde a água caia. A parte superior era fechada com uma grande pedra chata. Aos domingos era trazido um copo para uso comunitário e que se destinava a mitigar a sede dos seus membros] e também para lavarem os pés, calçarem as meias e os sapatos que traziam pendurados no pescoço enquanto vinham descalços pela estrada enlameada que destruía o calçado [Era sim pela economia, mas também pela dificuldade de andar no pântano, a pronúncia era sem o acento. Pois se alguém arriscasse a enfrentar lamaçais de palmo ou mais o calçado ficaria preso no fundo. Naquela época não existiam as botas “Sete Léguas”.]. Faziam isto para assistir ao culto dominical descentemente trajados e com os pés calçados. Terminado o culto e depois o ensaio do coro que duravam até as 14 horas, descalçavam os sapatos, davam nó de laçada nos seus cadarços, penduravam-nos novamente no pescoço e voltavam para as suas casas.
Era uma medida de economia que acabava saindo caro por que a anquilostomose, verme que penetrava pela planta dos pés e depois se localizava no intestino, trazia uma doença que se chamava “amarelão” deixando as vítimas exangues e até matava; isto antes do Monteiro Lobato ter escrito o “Jeca Tatu” e Rockfeller destinar uma verba para a erradicação desta moléstia no Brasil.

O meu pai como Professor deve ter sido muito eficaz. Lembro-me que um ex-aluno me contou que havia aprendido com ele a calcular na cabeça a grande tabuada que se destinava à multiplicação de fatores de dois dígitos.

Não tenho nenhuma notícia sobre o pastoreio do meu pai exercida naquela Igreja por mais de cinco anos. Creio que com o passar do tempo ele foi esmagado pela frivolidade daquela congregação e não era para menos, pois todas as horas do dia eram poucas para cultivar aquelas terras magras que se esgotaram com as primeiras colheitas. Com a chuva o solo ficava lamacento por que por baixo havia uma camada de carvão de pedra, conforme foi descoberto mais tarde e então era necessário duplicar o esforço para arrancar dela os meios de subsistência para uma existência digna, posto que aquele solo era impróprio para ser arado e assim tudo era plantando a custa de ferramentas manuseadas pelo braço humano.
Desta época na minha memória ficou guardado um sonho que o meu pai contou várias vezes. Neste sonho ele viu um homem pálido pregando no púlpito daquela Congregação Da Igreja Batista de Rio Novo, mas todos aqueles membros cujos nomes ele mencionou, mas que o tempo apagou da minha memória, estavam distraídos conversando entre si não lhe dando a mínima atenção.
Então o homem pálido que pregava naquele sonho lhe dissera: “Este mundo se acaba e a eternidade se aproxima e esta gente não quer ouvir falar de Jesus Cristo e tu Carlos, vai e diga isto para eles”.

Foi naquela época que começou a expandir-se pelo mundo a doutrina de Pentecostes, vindo até o meu pai da Alemanha e dos Estados Unidos e ele se deixou se empolgar por aquela doutrina que vinha divulgada em revistas artisticamente ilustradas em cores e impressas em papel da melhor qualidade. Em tese eles insistiam que na Trindade Divina o maior peso devia ser dado ao Batismo pelo Espírito Santo; Pentecostalismo do qual o meu pai passou a ser maior divulgador pela tradução daqueles textos.
Destacou-se principalmente a doutrinação de uma tal de Emmy Mc Pherson, uma senhora muito bonita nos retratos, que muito especialmente empolgou o meu pai. Ela era uma grande líder da seita nos Estados Unidos onde possuía um gigantesco templo. Anos depois li nos jornais a noticia de que ela havia sumido. Surgiu a hipótese de seqüestro para extorsão de um resgate por que a seita tinha muito dinheiro, mas em noticiário posterior ficou esclarecido que na realidade ela fora encontrada num Balneário em companhia de um playboy, viciada no uso da morfina.

Certamente o meu pai contou aquele sonho na Congregação e foi mal interpretado, insistiu, não foi atendido desligou-se da Congregação Batista e mudou-se com a família para a Colônia Leta do Rio Mãe Luzia, não mais como Pastor Batista e Professor, mas como inflamado divulgador do Pentecostalismo [É uma pena que os historiadores que escreveram a história da igreja Assembléia de Deus não mencionem este fato].
Continua…

..subir em algum morro bem alto e ver se avista um navio cheio de letos..De Olga Purim para Reynaldo Purim 1922

Rio Novo 11 de abril de 1922

Querido Reynhold!

Primeiramente envio muitas lembranças. Pensando bem, eu não tinha nenhuma obrigação de escrever esta noite, pois tu estás devendo respostas de duas cartas, uma escrita no dia 13 e outra no dia 23 de março.

Aquele grande pacote com jornais e outros impressos recebi no dia 26 e muito obrigado por tudo. Agora nós temos dois prospectos do seu Colégio. Vocês deverão ser mais de mil alunos com tantos letos que foram para lá. Você conhece aquele alemãozinho de Paranaguá, o João Henke. Este é um dos que vieram para as Conferências da Convenção no Rio Novo.

Bem desta vez eu terei alguma coisa de novo: – – O tempo esta semana está mais ou menos bom, pois chovido tem pouco.

Uma coisa muito importante é que a universidade de Rio Novo depois de 8 meses de aula, já encerrou o ano escolar e os Rockfellers já estão prontos para enfrentar a vida. [Parece que naquela época a neurolingüística não era muito difundida. Alguns professores tentavam fazer com que os alunos adotassem os grandes homens como modelo e assim como que, atrelando o seu carro a uma estrela, mas não eram bem compreendidos por todos]

O próprio Treiman, como fosse acossado por fogo, foi abrir uma escola na casa do João Leepkaln lá no Rodeio das Antas para os filhos dos brasileiros. Isto faz parte da filosofia dele de não maltratar os alunos por muito tempo com tanta matéria.

O Karlos Sanerip já voltou do Quartel onde esteve servindo o Exército. O Augusto Klavin que estava em Kuritiba servindo o exército, agora está fazendo “manobras” no Rio Grande do Sul junto com a fronteira da Argentina que são muito necessárias para gastar o dinheiro do governo. Este ano foram convocados o Wilkan Karkles e o Kirz Stekert, isto é dos letos. O Wilks está muito satisfeito, pois só assim poderá conhecer o mundo ai fora e ainda sem pagar a passagem.

A Igreja convidou o Deter [Deter era um missionário batista norte americano trabalhando no campo Paraná Sta. Catarina] para visitar o Rio Novo, pois o Lupers tinha prometido vir, mas, acabou viajando para outro lugar. Quando o Deter vier, vai haver uma festa de Batismos dos 10 novos membros que foram aceitos pela Igreja. São eles o Willis Klavin, o Willis Slengmann, o Edward Karklin, o Victor Maisin, a Hulda Maisin, o Karlis Leepkaln, o Alfredo Burmeister, o Harris Feldberg e os nossos Lucija e o Arthurs.

Outra novidade é que na semana passada recebemos qual não estávamos esperando. Veio do nosso parente (tio) Jekabs Purens da Letônia. Ela conta que eles estão determinados e convictos da necessidade de vir embora para o Brasil. Eles estão todos vivos e sãos.

O irmão dele, o André é que está numa situação mais difícil, pois mora na Rússia, junto a fronteira da Letônia onde grassa muita fome e doença e nenhum socorro pode ser enviado para lá. Ele vai tentar passar para o lado de cá da fronteira e viajar junto para cá.

Pelo que ele fala ele pensa que o Brasil é do tamanho da Latvia, pois, pede que quando eles chegarem no navio cheio de letos, alguém vá ao seu encontro. Ele pensa que é como lá que o navio ou chega em Riga ou então em Leepaja, pois outros portos não existem e quando você pode pegar um trem e em poucas horas estar lá. Também não falam nada se eles estão vindo por conta própria isto é com dinheiro deles e nem quando e nem onde eles deverão chegar.

Mas aqui há outras pessoas que contam que o Inkis e o Malvess [ Malvess era do Rio Novo e agora agente de Imigração do Governo em São Paulo] conseguiram passagem livre, sem custo algum e por isso deverão vir muitos letos. O Malvess é novamente um agente de imigração do Governo e tem colocado anúncios para venda de terras no interior do estado de São Paulo em jornais alemães. Se eles realmente estão viajando livres por conta do governo é justo e certo que eles irão direto para São Paulo. Você sabe alguma coisa acerca deste assunto?

Pelo que o Jekabs escreve parece ou ele pensa que vem direto para o nosso lado. Mas diz, também que não sabe se nós estamos ainda vivos ou não e se nós estaríamos satisfeitos que eles viessem para cá. Também fala que lá as coisas não estão nada boas e sem muita esperança de alguma melhora. Diz ainda que teria muito que contar e perguntar, mas iria deixar para quando depois da chegada teria mais oportunidades para conversar. Pelo que parece ele pensa que São Paulo fica junto de Sta. Catarina, assim como a Vidzeme fica junto com a Kurzeme.

O Paps quer que eles venham para cá, pois se eles forem para São Paulo onde deverão ir muitos Letos é interior, terra totalmente desabitada, onde eles, com certeza vão sofrer penúria por não ter onde trabalhar para ganhar dinheiro, onde vender e onde comprar. Com certeza no Rio Novo será melhor. Nós ainda não respondemos, pois eles não pedem que façamos, pois é possível que eles já estejam em viagem para cá. Pois a carta tinha sido escrita em 22 de fevereiro de 1922. Então você poderia subir em algum morro bem alto e ver se não avista um navio cheio de letos e entre eles os nossos parentes, vindo para o Brasil.

Eu acho que não sabem que você ainda está estudando. Pode ser que eles não tenham a chance de conhecer o Rio de Janeiro. A não ser que ainda que levem a alguma Ilha das Flores onde dizem que as casas e alojamentos de quarentena estão sendo reformados

(Escrito na lateral)
Bem por hoje chega. Vou aguardar de você muitas novidades. O desejo de todos é que tenhas uma Feliz Páscoa. Olga.
__________________________________________________________________