…Durante o dia tenho que correr junto com os demais para as roças e….De Lucija Purim para Reynaldo Purim 1926

Rodeio do Assucar 18-11-26

Querido maninho! Saudações.

Enfim vou-te que escrever, pois o Arturs terminou de escrever a dele, se bem que eu não tenha nenhuma vontade de escrever ou mesmo pensar, pois durante o dia tenho que correr junto com os demais para as roças e na hora do almoço tenho que cozinhar a comida. Tenho que tirar o leite das vacas e ainda alimentar os porcos que estão no chiqueiro para engorda diante de toda esta luta quando chega à noite vem um sono tão forte que escrever cartas nem pensar. E ainda você foi para tão longe [Nesta época o Reinaldo já estava estudando em Louisville Estado de Kentucky nos Estados Unidos] e muito pouco interesse deve ter por nós aqui em casa e mesmo nem tempo para pensar em nós aqui não tem.

Nós aqui estamos passando suficientemente bem. A perna do Paps está ficando melhor. Durante 3 semanas ele não pode trabalhar, mas agora o furúnculo [Furúnculos ou abscessos eram bastante frequentes para as pessoas que moravam naquela região. Geralmente na maioria das vezes ocorriam nos pés, mas também podiam aparecer em qualquer parte do corpo. Por naquela época não haver nenhum tratamento específico eram tratados com emplastros mais variados. Quando terminava o ciclo rompia-se a pele saindo grande quantidade de pus amarelado culminando com a saída do “carnegão” que devia se o núcleo da infecção. Era vulgarmente chamado de “mijacão” e dizia-se que a infecção era transmitida através da urina de bovinos] rompeu-se e está ficando cada dia melhor e pelo menos agora nas noites ele consegue dormir.

A Festa do aniversário da União da Mocidade ocorreu com tempo muito bom apesar de um tanto frio [Esta Festa era no dia 16 de outubro]. Gente tinha bastante, vieram muitos visitantes de Mãe Luzia e Orleans. A direção do programa foi do Alex [Alexandre Klavin]

. Entre outros houve diversas saudações de outras Uniões e pessoalmente saudou esta o Artur [Arthur Leiman] em nome da congênere qual ele dirigia na Argentina. Ele tinha chegado na véspera em Orleans. A Festa continuou na noite de domingo, pois o programa era realmente muito extenso. Agora estão aprontando as partes para o Programa de Natal. Os pequenos estão decorando as poesias e assim que uma Festa se vai é hora de começar os preparativos para a próxima.

O Arthurs [Arthur Leiman] não vai mais voltar a morar na Argentina e sim vai continuar a morar no Brasil. Ele diz que lá ele não se saiu bem. Aqui ele não sabe onde vai estabelecer-se, mas para lá ele não vai voltar porquê a Associação de lá já autorizou ele voltar e também o salário era somente 150 pesos por mês e com isso era impossível sobreviver, se insistisse em continuar lá teria que morrer de fome. Num lugar onde tudo tem que ser comprado, pão, lenha, água em dinheiro a vista. O pão mais ordinário custa 50 centavos o kilo então eles compravam só deste e comiam e algumas vezes ficaram até deste sem comer por falta de dinheiro e por isso emagreceram tanto e também adoeceu. Agora logo que arranjar algum dinheiro vai terminar de aprender a profissão de dentista, pois ele já tinha praticado junto com o Fritz [Frederico Leiman] e agora só falta um documento emitido por um profissional atestando a capacidade técnica e os conhecimentos para exercer esta atividade.

O Arthurs quanto à oratória está muito mais fluente do que antigamente. Domingo ele falou na Igreja sobre Efésios 4 20 a 25. Deteve-se no versículo 20 e irritou algumas pessoas que já não gostavam dele. A maioria gostou bastante. Agora os Rio-novenses na maioria são como é descrito no versículo 25 que só é correto falar de uma pessoa na sua presença isso é na sua frente e não ficar malhando pelas costas com fazem alguns Slegmans e Matchs. Estes até os parentes como os Karp e os Stroberg eles conseguiram implantar inimizades porque queriam o Stroberg para a Mildinha [Amilda Karp], agora ele os causadores da polêmica também ficaram de mal com o Stroberg. Quando não foi possível, conseguir fazer o Karlites [Karlos Stroberg] namorar quem eles queriam porque manter então qualquer amizade se esta era a meta principal.

Desta vez chega, agora vou aguardar uma longa carta sua. Escreva sobre a sua escola, o que você come e quanto tempo vai ficar lá. A minha escrita está como a sua: pois nunca aprendi bem e o pouco que sabia já esqueci então nós somos iguais.

Muitas e amáveis lembranças da Lucija.
____________________________________

…Luiz Verani Cascais encomendou um automóvel novo por 6.000$…| De Lucia Purim para Reynaldo Purim – 1925 –

Rio Novo 5-10-25

Querido irmãozinho!

Estou certa que vou receber uma bronca por não ter escrito antes, mas o que fazer se vem à preguiça para escrever cartas. A tua carta escrita antes da minha já recebi inclusive as duas registradas quais não lembro a data. Planejei responder, mas ai a Olga disse que iria escrever, mas nós duas ficamos com tanta preguiça que terminamos não escrevendo. Mas quem consegue escrever cartas nestes tempos que a gente vive cheios de pompas e circunstâncias.

Nós estamos passando suficientemente bem, graças ao bom Deus que a nós todos supre para que nada nos falte. A Olga também vai melhor e está mais forte que antigamente, pode se alimentar melhor e sente o sabor da comida e ela consegue comer mais do que eu, porquê eu nunca estou com vontade de comer. Ela uma vez esteve em Orleans e o farmacêutico recomendou um remédio para tomar. São pequenas bolinhas que ela tinha que engolir e com essas ela ficou melhor. Ela parece que ainda não conseguiu por em prática os teus conselhos e as tuas recomendações porquê o tempo agora está muito instável, pois quando o tempo está limpo sopra um vento muito frio e também nos dias chuvosos não dá. Vamos esperar os dias esquentarem para estão experimentar as suas recomendações.

O tempo agora está claro e bom. Semana passada inteira soprou o vento seco e tão forte que parece que iria derrubar o mundo inteiro de pernas para o ar. Antes disso tinha sido bastante chuvoso e se nalgum dia o sol brilhava e então no dia seguinte já chovia e houve dias que pela manhã amanhecia claro e fresco e já na hora do almoço já estava chovendo. Na semana passada esta um tempo bom, mas na sexta feira começou uivar um vento tão forte e continuou a fazer estripulias até domingo à noite. Hoje está calmo e um nublado já começou a peneirar uma chuvinha, mas parou e então o povo aproveitou para queimar as coivaras e outras queimadas.

O velho Nettemberg morreu no dia 19 de setembro. Ele fazia tempo que estava doente e ficava somente deitado. Mas ele, a vida inteira, vivia doente. Ele foi colocado no caixão que o senhor Leiman tinha feito para si e a cova foi feita na área reservada para o Wilis Slengmann, justamente as pessoas que durante a vida toda eram seus adversários e que ele o falecido não gostava. Sempre ele achava que eles eram muito amantes de riquezas e de bens.

O Augusto Klavin no dia 12 de setembro viajou para São Paulo e o Wilis viajou no dia 2 de setembro. Eles foram para o casamento do Juris. O Willis viajou antes porque aqui ninguém sabia a data certa das bodas e quando ele chegou lá, ele mandou um telegrama confirmando a data certa. Semana que vem dia 12 o Augusto deverá estar de regresso ao lar. O casamento foi no dia 27 num domingo. Naquele domingo estive na casa dos Klavin convidada pela Marta que organizou uma festa especial convidando todas as suas amigas.

Na semana passada no dia 1o. de outubro deu-se o casamento do João Zeeberg com a Hilda Auras [Esta família deveria ter uma página especial]. Naquele dia o tempo estava bom e fresco porque nos dias anteriores tinha estado nublado. A cerimônia foi na Igreja e começou as 11:30 horas da manhã e tinha bastante gente. O sermão foi proferido pelo Pastor Stroberg e logo após esta parte todos se dirigiram para a casa dos Auras onde já estavam aguardando os representantes da Justiça que vieram de Orleans trazidos pelas famílias para que tudo fique mais caro para se pagar. Depois da parte civil começou o banquete que realmente estava muito bom. Eles tinham preparado tanta comida que os convidados nunca teriam conseguido comer tudo. Nós também fomos, somente o Paps ficou em casa, e como não ir depois de tantos convites inclusive um impresso em uma tipografia de Tubarão com letras douradas e com o texto em leto e em português. Ao Zeeberg ficou tudo muito caro, mas como ele diz “o que é preciso é preciso”, desde que fique melhor do que dos outros.

Esta semana vai ser o casamento do Carlinhos Leepkaln com a Anna Sanerip [ Este casal, entre outros filhos devem ser lembrados a Rosália Alida casada com Zefredo Karkle em Curitiba e o Paulinho Leepkaln casado com a Da. Carmelita em Urubici].
Somente não terão a grandiosidade do outro, pois o casamento tanto a cerimônia como a recepção será na Igreja. Pela manhã eles irão a Orleans para o Casamento Civil e há 1 hora da tarde de volta na Igreja. O casamento deles será no dia 9. Agora todas as semanas tem havido casamentos para aproveitar a estada do Pastor por aqui.

O Stroberg chegou aqui no 24 de Setembro e se tudo der certo vai viajar no dia 12. Não faz mal viajar, pois tudo será pago pelos Zeeberg e pelos Auras. Também a língua brasileira ele aprendeu suficiente para ler fluentemente e também traduzir. Na terça feira será feito um mutirão para limpeza da casa dele aqui. Ele está convidando os jovens para capinar e roçar, pois ele pretende pagar. A Elvira [Stroberg irmã do Pastor] chegou de Nova Odessa e com ela veio também o Otto Slengmann. Ele não gostou de lá porque é muito seco e aqui é muito mais bonito. O senhor Slengmann tinha deixado para ele uma gleba no Rio Larangeiras para o caso que ele voltasse e ele voltou mesmo. O Benis [Benis Slengmann] quando terminar o tempo de Serviço Militar nem vai para Nova Odessa e vem direto de volta morar aqui. Agora para os Rio Novenses, aquela febre de viajar, de mudar daqui parece que acabou. Em Nova Odessa os produtos da lavoura que os colonos tem para vender estão baratos demais. O algodão estava a 10$ a 12$ a @ e ninguém comprava. Aqui também tudo ficou muito barato, o toucinho de 36$ caiu para 13$ e agora voltou a 26$ e assim também os negociantes tiveram um enorme prejuízo com o feijão que estava valendo 80$ e em poucos dias caiu para 20$ quando deixaram de comprar por falta de dinheiro.

Hoje recebemos uma longa carta registrada do Fritz [Fritz Leimann da Argentina], pois dele nós não tínhamos recebido nenhuma notícia direta dele. Ele escreve que tinha mandado 4 cartas quais todas devem ter sido extraviadas. Ele está passado bem, somente a Kristine esteve muito doente, mesmo assistida por 3 médicos nenhum dava mais um mês de vida, então o Senhor fez o milagre pois ela ficou viva. Agora já está fazendo pequenos serviços de casa. Agora eles estão morando em Urdinarrain [Argentina] onde agora tem uma pequena nova Igreja. Construíram um pequeno templo de tijolos. Diz que é muito mais fácil trabalhar numa nova Igreja onde não existem velhos membros teimosos. Ele diz que vai escrever direto para você quando terminares o Curso. Ele espera que o Arthur [Arthur Leimann] e você para trabalhar com ele então se apronte.

Hoje também chegou a Orleans o Missionário Deter. À noite na Igreja de lá vai haver culto e reunião e amanhã vai viajar para Mãe Luzia, mas no domingo já estará de volta aqui no Rio Novo. Vamos ver se o plano vai dar certo.

Bem tenho que terminar, já é tarde da noite e mesmo carta mais longa você não conseguiria terminar de ler e você sempre não tem tempo e está tomado de trabalho. Você pode vir para casa descansar um pouco e capinar um pouco para não esquecer de todo como é que é. No dia 13 de dezembro eu vou descer a cavalo para Orleans para esperar-te. Eu sei que você está acostumado andar de carro e não tem nenhuma chance de andar a cavalo. Aqui você não terá chance de encontrar nenhum auto. O nosso amigo Luiz Verani Cascais encomendou um automóvel novo por 6.000$ e quando chegar, ele vem passear aqui no Rio Novo. Se você estiver aqui na ocasião, poderá também aproveitar.
Muitas lembranças de todos de casa, se tudo der certo na semana que vem vou escrever outra. Hoje chega.

Com lembranças – Lucia.
_______________________________________

Pois tu sabes que eu não tenho nenhuma máquina de escrever,… | De Olga Purim para Reynaldo Purim 1924

Rodeio de Assucar 26-11-24

Querido Reini: Saudações!
A tua carta recebi junto com os medicamentos já há algum tempo atrás. Por tudo isso muito obrigado. Você naturalmente vai me perdoar porquê já em seguida minutos depois não escrevi a resposta. Pois tu sabes que eu não tenho nenhuma máquina de escrever, que funciona rapidamente. Eu também economizei para esta carta chegar num momento que você esteja de férias para dar tempo de ler.

Você se esforça demais, porquê tem muito que fazer, mas depois poderá ficar como eu que não consigo nem fazer metade do que eu fazia antes. [Ela já estava muito doente] Será que não existem outras pessoas que possam fazer o seu trabalho ou você que sabe não precise mais ir para a escola, pois nunca poderás absorver toda sabedoria e ciência do mundo.
Nós graças a Deus estamos passando mais ou menos bem. O tempo sim está muito seco e muito ventoso. Não sei qual vai ser o resultado das roças, uma coisa é certa, não vai ser tão bom quanto ao ano passado. Para qualquer lado que se olhe tudo está pelado e ressequido por falta de chuvas e se continuar assim não vamos ter nem melancias nem pepinos, apesar de termos plantado muito.
O milho já terminamos de plantar e de um modo geral os trabalhos nas roças estão rendendo bem porquê a chuva não atrapalha e as coivaras que são queimadas, elas ficam realmente limpas e mais fáceis de trabalhar e ainda as ervas daninhas que quando capinadas ela logo estão realmente secas. As ervas daninhas também não crescem tanto se bem que mais que o milho.
Agora esta seca está em toda parte. O Artus Leiman tem escrito para os Osch [Os sogros dele] que onde eles agora estão na nova morada 2 e 1/2 dias de viagem de trem, adiante do Fritz e lá também faz 6 meses que não chove [Na Argentina] e por isso quase não se consegue água boa para beber e pode-se fazer o café quanto forte quiser, o mesmo não fica com sabor aceitável. Nós dos Leimans faz bastante tempo que não temos recebido nada. O Fritz escreveu para o Zeeberg que a senhora mãe dele está começando ter problemas de visão e tem muita dificuldade de enxergar e bons óculos por lá não se conseguem.

O dinheiro que você mandou faz muito tempo que já recebemos. Dos nossos parentes de São Paulo faz muito tempo que não temos recebido nada, apesar de eu ter escrito para eles. Acho que eles estão ficando orgulhosos na sua nova fazenda, pois depois da revolução não recebemos mais nada deles. O Pappa pediu para que nós escrevêssemos para você no caso de não vir para casa nas férias, então fosse até São Paulo para visitar estes nossos parentes e ver quantos eles realmente são.
Recentemente recebemos de S. Petersburgo, uma carta com a fotografia do Tio Reine. [Irmão do Jahnis, Do Jehkabs e do Andreijs. ??????] Você se lembra dele? Ele é um gordo solteirão. [Resns Vetzpuisis em leto]
Bem por hoje chega. Tenho ouvido dizer que no Rio teve uma grande Revolução, nem sei se as cartas estão chegando normalmente e se não chegarem todo este trabalho ao vento. O que fazes agora? Onde moras agora? Lá mesmo na Escola?
Agora a Kate está toda alegre porque a Selminha virá para casa nas férias. Vamos ver se será possível, pois nesta época de revoltas de repente não dá…
Mais uma vez muito obrigado pelos remédios vamos ver se o resultado será satisfatório. Com muitas lembranças Olga.

Agora nos temos 6 cavalos para montar…. | De Olga Purim para Reynaldo Purim – 1922

Rio Novo 12 de setembro de 1922

Querido Irmãozinho.

Saudações

Recebi a tua carta de 3-8-22 já há bastante tempo. Muito obrigada! Esta carta já estava aguardando há bastante tempo e chegamos a pensar que aquela nossa teria sido extraviada. Parece que ela foi muito devagar porque estava muito pesada porque parte de nós foi junto com ela. Você escreve que nós aqui ficamos mais distantes e desconhecidos. Não sei se é ou não e se você acha que é assim então você deve vir até aqui para ver senão realmente ficaremos inteiramente desconhecidos. Você escreve que tem muito trabalho e que está muito cansado.

Então é mais um motivo de você vir para casa passar uns tempos aqui. Será mesmo depois de ter se formado Mestre não pode planejar uns 6 meses de férias ou mais. Chegando aqui todo este cansaço tenho certeza que desapareceria, não teria pensar tanto etc.. Eu te convidei para a época da fabricação do açúcar, mas não sei se o convite não chegou atrasado e esta alegria você perdeu, mas agora você poderá vir para a festa da farinha de mandioca que vai começar breve pois agora nós temos 2 fábricas uma de açúcar e outra de farinha de mandioca e nesta tudo é diferente do que você conhece ou tenhas visto.

Agora nós temos muito açúcar, muito polvilho e então poderemos fazer muito” thissel” [Geleia doce feita com sucos naturais de frutas mais açúcar e a consistência apropriada era conseguida com adição de polvilho de mandioca ou de araruta] também muitas roscas de polvilho [Ainda encontradas em Sta. Catarina. Também chamadas de “corujas] e também “ Bijús ” [Bolos feitos de massa de mandioca com açúcar]

Laranjas há ainda em grande quantidade. Estas delícias você não encontra por lá. Quando ficares entediado em uma casa, você poderá ir a cavalo para a outra. Agora nós temos 6 cavalos para montar e se tiveres esquecido como andar a cavalo o Artur pode leva-lo no automóvel puxado por dois bois brancos, se bem que não tão rápido como os da cidade, mas assim mesmo eles chegam no destino. Será que ainda assim você continuaria cansado?

Você escreve que nós colhemos muito milho este ano. Na realidade este ano o milho não cresceu como devia e os Leiman não tinham muito milho. Nos compramos 60 sacos de espigas. Você parece pensar que a casa dos Leiman esteja vazia, mas não está não. Como poderá estar vazia se nós estamos morando nela. Agora estamos morando em duas casas. Nós dos Leiman compramos: 3 cavalos, 2 vacas leiteiras, 1 touro, 1 junta de bois junto o carro e pertences, 2 novilhos, 2 bezerros pequenos, 17 porcos.

As galinhas em grande quantidade a senhora Leiman deixou para nossa Lucija que morava lá cuidando dela. Deu ainda para ela 4 leitões e dois perus. Ainda você acha que a casa esteja vazia e abandonada? Ainda os arados, 3 selas, os pertences da sala e todos trens da cozinha.

Nas roças 20 mil pés de mandioca de 2 anos passando da hora de colher, com raízes grandes e bem crescidas pois elas foram plantadas em terreno preparado com arado e assim com a terra mais solta fica mais fácil também o trabalho de arrancar. Também ainda bastante aipim e batata doce. Então tudo bem.

O Fritz não queria e nem podia levar tudo então nada melhor que deixar para os parentes. Agora o Fritz é um grande parente ou pelo menos muito importante.

Tudo estaria certo se depois de longa espera, na semana passada recebemos 5 cartas todas de uma vez, 2 escritas pelo velho e 3 pelo Fritz e todas ainda do Brasil. A viagem por mar até o porto da cidade de Rio Grande foi maravilhosa e todos bem de saúde. E daí eles foram de trem para passear na casa do Willis [em Ijuí RGS] e o Fritz aproveitar para visitar as Igrejas alemãs onde ele tinha trabalhado. Daqui do Rio Novo eles saíram no dia 12 de julho e então somente no dia 20 de agosto eles saíram de viagem de Ijuí para irem para casa. Lá em Ijuí o velho Leiman foi acometido por uma tosse muito forte e a Senhora Leiman começou a apresentar os sintomas da antiga doença voltando….

De Ijuí eles saíram no dia 20 e chegaram em Uruguayana na fronteira dia 22 a noite. Então o velho escreve no dia 23 que a senhora Leiman está tão doente que nem conseguia andar. E ainda muito pior que o Fritz não consegue autorização para eles entrarem na Argentina, pois lá eles não deixam pessoas de idade entrarem no país para morar. Chegou a oferecer 20 pesos para eles acharam muito pouco. Então o Fritz seguiu na frente e foi direto tratar com as autoridades argentinas e trouxe a autorização.

Mas assim mesmo foi uma grande dificuldade ter que deixar os pais doentes e sós. Então dia 24 o Fritz escreve que a tarde eles vão embarcar para atravessar para a Argentina e daí mais dois dias de viagem para chegar em casa. O Fritz não escreve quase nada sobre o estado da mãe, mas o velho este sim explica tudo direito. Agora estamos aguardando novas notícias e possivelmente não sejam as melhores, pois nem sabemos se ela chegou lá viva.

Imaginem a decepção da Cristina e do pequeno com a chegada da vovó se ela não puder pelo menos falar.- – – Você bem que poderia escrever uma carta para o Sr. Leiman e eu tenho certeza que ele vai responder porquê ele agora tem uma quantidade imensa de novas experiências da viagem ele sabe descrever muito bem.

Também recebi uma carta do Carlos Leiman e esta demorou quase dois meses para chegar. Acho que escrevi o suficiente se não demais. Com muitas lembranças de todos. Olga.

Escrito na lateral: O endereço dos Leiman é: Ramirez Entre Rios Argentina.

Ainda é noticia que no dia 1 de setembro o Jahnis Ochs casou.

No dia 16 de outubro vai ser festejado o Jubileu de Prata da União de Jovens da Igreja pois estará completando 25 anos. Você vindo pode trazer um sermão ou uma palestra que será muito bem vindo.

Escreva bastante. Junto com os jornais podes mandar papéis azuis [Deve ser papel carbono muito usado para tirar moldes de roupas de jornais e revistas, ] que estão muito velhos e estão acabando.

Chove todos os dias e semanas inteiras. | De Arthur Leiman para Reynaldo Purim – 1922

Rio Novo 02 de Fevereiro de 1922

Querido Reini!

Primeiramente muitas e sinceras lembranças.

Estou escrevendo, não sei se recebestes a minha carta anterior ou não. Há pouco recebi as esquecidas lembranças, ou melhor, os esquecidos receberam as lembranças. Obrigado por elas também e como para aqui não será possível escrever, pois logo no fim do mês deverei estar embarcando para o Rio Grande do Sul “ ne us do Nerte. “Compreender alemão? “

Aqui estou suficientemente bem. Fiquei muito feliz por ter tido a oportunidade de ajudar esta Mocidade ficar mais próxima a sua Igreja. Com os Brasileiros, não tive oportunidade de trabalhar e a grande maioria ainda tem dificuldade com a língua.

Mas como chove aqui. Chove todos os dias e semanas inteiras. As estradas são lamacentas e as noites escuras. Ontem à noite voltando a cavalo da Igreja……. (Parte ilegível).

O Butler também esteve aqui um par de semanas.

Estou esperando o Karlos [ Leiman]. Não sei onde ele está caído ou entalado e como ele não escreve. Daí terei que ir procurá-lo. Que posso fazer, assim são os Ilustríssimos Senhores.

Teria muito que reclamar para você, mas certamente não faltarão outros melhores e mais inteligentes, nestas questões.
Escreva-me para Ramón Falcon 4.100 Bs. Airé R. Argentina.

Saúda-te o teu companheiro Arthurs Leiman
________________________________________________

Em hespanhol | Arthur Leimann a Reynaldo Purim

[carta escrita num misto de português e espanhol, apresentada na grafia original]

Ramierez, Entre Rios, Argentina

Dia 24 de abril de 1918

Prezado amigo Reynaldo!

Como lê vá? Há mucha tiempo que no tengo noticias do señor. Talvez seja por mi culpa. Peço desculparme. Como sabes que há muito tempo queria vir para ca e até que agora estou em Ramirez.

Bem, em minha viagem desde o Rio Novo gastei 21 dias, isto é, tive muito que esperar em sertos logares, em dinheiro pelo menos uns 250 ou mais, já não estou mais bem alembrado.

Três dias e duas noites com vapor, isto, é de Imbituba a Florianopolis e de aqui á Rio Grande. De Rio Grande Dous dias de trem até Uruguaÿana e outros dois dias das Fronteiras, isto é, de Los passo de Los Libres até aqui. O resto foi tudo demoras!

Aqui não há mattos virgens morros como lá, tudo é vargem, tudo campos com pequenas subidas ou descidas. O clima [é] mais pesado, do que sufri uns quantos dias. Agora actualmente está operando o tal — Tifus — também eu não estou bem correcto — talvez não seja.

Hoje a Soc. Dos Moços tem estudo da Vida de Jesus; não pude assistir. Esta egreja é regular, só que bem espalhado tem Escola Dominical com seus 100 alunos, Soc de Senhoras e Soc. de Missão. Ect. Veja como vai os casos, lá eu era professor, aqui sou um aprendiz. Uste penso eu já deves ser meio Bacharel, senão inteiro. Peço o favor de escrever alguma cousa, sim?!

Jo estoy un poço malo puis tengo dolor de cabesa; quamto ao mas su Y muiy bueno. El tiempo és fresca puis és invierno ahora, tiempo chuvoso tiene mucha barra; en la freguesia para poder caminar necesita botas ate las orehas!!! Jo tengo escribido a mis amigos pero não tengo respusta — ah, sim, já estou fazendo cousas em hespanhol, desculpa.

Desejo lhe bons êxitos quanto aos seus cursos, espero resposta sua. Até Mañana.

Saudades, saudaçoes mais lembranças do seu antigo collega

Arthur Leimann