Depoimento de J. A. Zanerip | Lua de mel

Segunda parte

Agora, após a tempestade, cada um procurou o seu ninho. Os alemães instalaram as suas vendas no outro lado do rio Mãe Luzia, por sentirem-se mais protegidos dos ataques dos bugres, como eram chamados os índios.

Os Zanerip, sendo pescadores e construtores de suas próprias embarcações na Letônia, no mar Báltico, e muito acostumados a lidar com madeira, construíram uma ótima lancha para atravessar o rio e ser usada pelas pessoas que iam fazer compras nas vendas dos alemães do outro lado do rio. Mais tarde construíram uma balsa para permitir a passagem de carroças de quatro rodas puxadas por cavalos, carregadas de mantimentos, muito usadas pelos alemães, e tudo de uma só vez.

Assim a vida corria monótona; menos mal, pois recebiam e faziam muitas visitas aos letos que ficaram morando em Mãe Luzia. Como esses eram todos batistas, meus pais quiseram ingressar também na igreja batista. Mas havia um problema: eles só eram casados na igreja luterana, o que naquelas épocas era válido na Europa, mas não diante das leis nacionais do Brasil.

A igreja batista achou que as leis brasileiras deviam ser respeitadas e que era necessário regularizar a situação. Desse modo foi realizado um casamento um tanto curioso, os Zanerip fazendo sua “lua de mel” já com sete pimpolhos, faltando somente a caçulinha.

Depois de tudo posto em ordem, faleceu o nosso pai, desnorteando a nossa vida.

Agora os filhos mais velhos, cansados do isolamento dos outros, do nosso povo, resolveram vender tudo e procurar um terreno mais próximo ao Rio Novo. Acharam um terreno bastante montanhoso, mas com uma várzea muito fértil, junto às barrancas do Rio Laranjeiras.

Depois foi a vez da vinda da mudança, que veio de carro de boi. Levou dois dias e uma noite para fazer o percurso de Araranguá até o Rio Laranjeiras. As terras compradas pela minha mãe, Eva Grimberg Zanerip, foram adquiridas em prestações [anuais] de R$200.00 [duzentos mil reis], e já eram de segunda mão.

Aqui terminam as histórias contadas pelos meus familiares e não vividas por mim. Agora a nova vida em Rio Laranjeiras.

* * *

[continua…]

Anúncios

Essa carta subiu o Rio Novo de mão em mão | Olga Purim a Reynaldo Purim

Rio Novo, 24 de maio de 1920

Querido Reinold!

Recebi tua carta escrita em 5 de maio no dia 22 de maio. Muito obrigada!

Eu teria muito o que escrever, mas esta noite não vale à pena começar, pois esta noite não poderei pela ordem e minuciosamente escrever tudo por falta de tempo, pois amanhã cedo vamos cavalgar até Orleans para o enterro do velho Felipe, que morreu esta manhã — e também porque amanhã são as terceiras Oitavas da Festa do Verão [Treschu Wasaras Svehtki]. Então não leve por mal, que só vou descrever como foi a Festa do Verão e como os mensageiros da Convenção foram embora.

A verdade é que a temporada desta grande batalha não terminou totalmente, pois dois ainda continuam aqui: os dois mensageiros de Rio Branco, o Fritzis e o Loks. Eles tudo querem conhecer. Todos os letos por nome eles têm que visitar. Esta noite o Fritz foi para a casa dos Leimann, onde já esteve várias vezes. E amanhã de manhã cedo, montados no Prinzi e no Lapu, irão para Mãe Luzia.

Eles querem se demorar em todos lugares. Todos morros altos querem escalar e até a Serra eles falaram em conhecer. O plano deles seria sair bem cedo pela manhã, chegar ao meio-dia lá em cima só para ver aquelas maravilhosas montanhas, então sem muita preocupação estar à noite em casa. Isto naturalmente seria possível para pessoas acostumadas a subir montanhas como o Roberto Klavin, cujo passo quase ninguém consegue acompanhar, mas esses heróis que não estão acostumados acho que não conseguiriam.

Os demais convencionais desceram para Orleans na sexta-feira, então na igreja do velho Karlos fizeram um grande culto, mas lá eu não estive. O Watson dormiu na casa do Diretor [Staviarski, da Companhia de Colonização], e os demais espalhados pelas casas dos letos. No sábado de manhã embarcaram no trem para Imbituba e não sei se conseguiram o navio como era esperado ou não.

Neste mesmo dia o Jahnis Klava viajou para Nova Odessa, onde pretende acumular dinheiro para depois viajar para a América do Norte para estudar; ao Rio [de Janeiro] ele não pôde ir pois o próprio Satanás lhe pôs obstáculos. Já quanto eu sei [o motivo] é que ninguém e nenhuma igreja daria uma carta de recomendação, pois todo mundo conhece que pássaro ele é. Segundo escreveram de Mãe Luzia ele estaria envolvido com aqueles “homens de espírito” [pentecostais], pois uma carta veio aberta ou teria sido aberta para o Wileams Slegmann, e nela descreviam certas barbaridades praticadas por eles; um outro Slengmann tirou do correio e essa carta subiu o Rio Novo de mão em mão até chegar ao Butler, que apesar de não achar correto abrir ou ler correspondências dos outros também leu e ficou sabendo de tudo. Como esperar carta de recomendação?

Ontem à noite a União da Mocidade da igreja teve uma das noites de treinamento com apresentações. Foram boas apresentações e parecem que de agora em diante serão mais frequentes. A bronca do Kirils [Carlos Karkle] deu resultado.

[NOTA: Apresentações. Em leto “preeschnessumu” — literalmente algo que foi levado à frente, apresentado: opinião, fato, peça, poesia ou música. Era basicamente e intencionalmente usado para que a mocidade aprendesse a enfrentar o público e perdesse a inibição, e com bons resultados.]

O João de Riga Frischembruder apresentou trechos do Jaunibas Drauga/O amigo da juventude que realmente foram muito proveitosos. Outros apresentaram contéudos às vezes maiores ou outras apresentações menores, mas desta vez todas foram consistentes, cada uma com mensagens muito claras e definidas.

Os dirigentes desta vez foram o Fritz Jankowski e o Looks de Rio Branco. Aqui na semana passada correu a notícia de que o Fritz recebeu do seminário o “passe do lobo” e não mais pôde voltar este ano para lá. Também há aqui alguns que se admiram que ao Reine foi permitido voltar para a escola. Eles parece que esqueceram ou não ouviram o Watson dizer que de ouvir falar do Rio Novo ele já conhecia bem e agora teve a satisfação de conhecer pessoalmente. Ele transmitiu à igreja as tuas saudações e lembranças e contou que tinha insistido para que você viesse junto, mas que você tinha declinado do convite alegando a necessidade de dar continuidade aos estudos. Se tivesse sido possível teria sido uma grande satisfação, mas havia sido numa data conflitante. Ele também disse que você é um dos melhores alunos e que dirige uma Escola Dominical em Pilares, onde ele espera muito no futuro. E ainda disse que o Rio Novo tinha roubado um professor dele ou da escola e ele agora o recapturou. Ele em cada conversa ele sai com alguma brincadeira. Ele provavelmente já terá contado tudo isso para você quando esta carta chegar. Ele levou o S.S.S. [dinheiro?] e uma carta minha.

Não receba dinheiro por aquele livro do Leiman. Mande para ele logo que for possível o cantor [hinário] de qualquer modelo que conseguir. Ou então escreva perguntando em que acabamento ele quer e se não tiver que espere.

O que de bom ele te escreve? Ele menciona o Rio Novo nessas cartas? O velho Leiman tem perguntado por que esperam o Artur em casa, pois já estariam desanimados de esperar o que não seria verdade.

Hoje chega. Nunca consigo escrever suficiente para satisfazer a sua curiosidade de todas as notícias daqui. Faça o favor de fazer uma lista de perguntas por prioridade e eu tentarei te responder. Sobre a Convenção ainda vou descrever do começo ao fim.

Viva feliz e saudável. Com sinceras e amáveis lembranças,

Olga

A cama do capitão | Olga Purim a Reynaldo Purim

Rio Novo, 15 de abril de 1920

Querido Reinold!

Primeiramente envio muitas amáveis lembranças e um grande obrigado pelas cartas que chegaram esta semana. Uma escrita em 19-3-20 recebemos na segunda-feira dia 12 de abril, e a outra escrita na Grande Sexta-feira [Sexta-feira Santa] recebemos ontem à noite, pois o Edis [Eduardo] Karp as trouxe de Orleans. Aquela primeira demorou bastante para chegar e é provável que tenha ficado muito tempo em Orleans, pois fazia bastante tempo que ninguém ia para a cidade e a Aninha é muito caprichosa: não entrega a correspondência para qualquer um. A outra já veio bem depressa.

Cartas até agora não faltaram nenhuma, mas os cantores [hinários] ainda não chegaram, pode ser que logo venham. Os livros e a carta do Butler já chegaram e ele vai escrever uma carta para você esta semana. A carta do Rubim [Robert Klavin] também já chegou. O Wileans conta que conhece a sua letra pelo subscrito mas não vai abrir porque o Roberto não voltou de Mãe Luzia. Das nossas, falta a resposta de uma que mandei no dia 26 de março e no envelope da qual também coloquei uma carta que veio do Artur Leimann onde ele autoriza S.S.S. a fazer o que desejar e quer que mande um cantor [hinário] que é muito bom, pois parece que ele quer cantar em brasileiro. Se precisar do S.S.S. você pode mandar; se não, ninguém vai conseguir pegar.

Você sempre pede que escreva bastante e desta vez tentarei escrever mais e pode ser que vai dar.

Então a tua viagem de volta [do Rio Novo para o Rio de Janeiro] foi maravilhosa. Bem, se tu soubesses que “maravilhas” aquela “dama” tem escrito para o pessoal daqui! [NOTA: Trata-se de Selma Klavin, que estava fazendo sua primeira viagem ao Rio de Janeiro] Todo o pessoal do Rio Novo está zombando dela, e o Blukis e o Emils se alegrando.

Nós tínhamos recebido o cartão postal teu de Itajay; na quarta-feira à noite, em cima da mesa de correspondências [na igreja], estava o cartão da Selma para o Paulinho, mandado de Florianópolis. Conta ela que fez boa viagem e também que visitou em Florianópolis os parentes do Diretor [Staviarski]. Conta que vocês passaram a noite também lá em Florianópolis e que, estando o navio super lotado, ela iria dormir na cabine do comandante.

Nessa quarta-feira o Paulinho não tinha ido à igreja, então esse cartão passou nas mãos do Emils e do Peter, e de mais pessoas que iam procurar correspondências. O Peters contou que tinha lido cartas para a Inze, em que a ousada e maluca da Selma teria escrito que, devido ao navio estar lotado, o comandante teria cedido o camarote dele por falta de espaço, e que ela iria dormir na cama do capitão. Ela ainda se gabava que depois o Victor [Staviarski?] iria, veja, levá-la para passear. Seria bom que ela deixasse todo esse papo no navio! A Inze ainda contou que ela não ficou enjoada e que foi pelo capitão autorizada a ficar no deck superior; que quando foi visitar vocês, vocês nem das cabines não tinham saído de tão enjoados que estavam. Conta que ela vai muito bem nos estudos e que já está no sexto ano e tem aulas com duas professoras!

Agora a Inze e o Blukis estão brigando na justiça, e tem gente que conta que eles não podem vender o gado e outras coisas porque parece que estão empenhados; como vai terminar eu não sei.

Sobre a festa da Páscoa, nada importante tenho que escrever. Antes da Páscoa passaram-se duas semanas de tempo bom e seco. Na Grande Sexta-feira [Sexta-feria Santa] estava quente demais, com um sol abrasador, mas na manhã do Domingo de Páscoa começou a chover — assim toda a festa foi molhada e lamacenta. O Butler e a Marta, mais o Gustavo Grikis e outros foram passar as festas em Mãe Luzia.

No dia 6 de abril o Paps [papai] foi fazer o caixão da senhora Wilmanis que tinha morrido naquela manhã. Ela há muito tempo estava bem doente e ficou de cama mais de 4 meses; nas últimas 3 semanas dormia como que estivesse morta e era um sacrifício fazê-la tomar uma colherada d’água. No dia seguinte foi o enterro.

Na escola não é maior número de alunos. Depois da conferência que você fez, quando disse que quem não conseguir instrução suficiente terá que usar de outras pessoas como bengalas e seria facilmente passado para trás em cálculos e negócios, então todo mundo está arranjando uma bengala. Inclusive o Seeberg estava incomodado, porque achava que ninguém poderia proibi-lo de fazer o que quisesse com o dinheiro dele, e que ninguém tinha nada com isso; inclusive se ele quisesse vender o seu Jankus [Jahnis] por 50$000, sua mercadoria seria barata como foi a L…[ Laura], que ele negociou e ainda agregou mais dinheiro. Assim sai o pessoal da escola e o Butler alerta que nada pode fazer pois os alunos tem que passar.

Na última sessão de negócios da igreja o Seeberg e seus aliados excluíram o Grünfeldt e assim mesmo ele tentou mostrar a sua justiça, mas foi inútil. Agora ele vai se queixar ao Deter da administração do [pastor] Butler. Por que o Deter pagou a tua escola? Se alguém aqui soubesse desta intenção dele, teria tentado inventar alguma coisa contra você.

Mês que vem haverá aqui a Convenção, e aí deverão vir para cá muitas personalidades importantes. Agora o Butler está ensinando cantar em brasileiro toda quarta-feira à noite.

Bem desta vez chega. Breve deverão chegar mais cartas suas, então escrevo outra vez. Aqui em casa esses estudantes são preguiçosos demais para escrever cartas. O Puisse [Otto/Artur Purim] irá amanhã para a tafona e a Lusija até a cidade, então temos que ir dormir porque temos que levantar cedo. Então, pelos manuscritos deles desta vez não espere.

Tudo está como de velho, esta semana estamos cortando e batendo arroz. Se não tivesse havido algumas semanas de seca o arroz estaria mais bem granado. Tempestades não mais houve, mas o milho da coivara nova está muito derrubado. Na coivara junto da mata não houve muito prejuízo, também porque é uma parte em que plantamos mais raízes [mandioca, batata-doce, etc]. Na Bukovina não houve vento nenhum.

Lembranças de todos de casa. Fico aguardando longa carta sua.

Olga

[Escrito nas laterais a lápis:]
Os cantores [hinários] chegaram hoje e em ordem.

Um belo futuro | Olga Purim a Reynaldo Purim

Rio Novo, 27 de maio de 1919

Querido Reinold,

Primeiramente receba muitas lembranças. Na segunda feira passada, dia 19 de maio, recebemos a tua carta escrita no dia 7-5-19 e também os jornais enviados a 4-5-19. Muito obrigada. As cartas anteriores, bem como os jornais, já foram recebidos. Ainda não pude escrever as repostas, mas mandei um Cartão Postal no dia 29 de abril, outro no dia 17 de maio e uma carta em 4-5-19.

Nós estamos passando bem. Agora estamos com saúde, mas no domingo passado o Paps estava doente.

Bem, desta vez tenho muitos assuntos para escrever. É possível que você já saiba que o Deter esteve no Rio Novo, pois escrevi algumas linhas no cartão postal, então agora vou tentar descrever mais ou menos pela ordem dos acontecimentos. Já deveria ter escrito, mas o tempo passou tão depressa; os dias são tão curtos, à noite há outras coisas para fazer e ainda com o querosene faltando, a gente tem que apagar as lâmpadas logo e ir dormir. Os domingos também passaram rápido e por isso não deu para escrever.

O missionário Deter chegou em Orleans no dia 6 de maio com o trem da noite. Pude vê-lo naquela mesma noite, pois ele pernoitou na mesma casa onde estou hospedada, da família Stekert. Mas ele não está como daquela vez, que precisava andar de muletas. Nem bengala ele usa mais. Está mais gordo e um pouco grisalho. Naquela noite o pessoal foi dormir depois da meia noite, pois aproveitou para ouvir contar os mais variados acontecimentos das viagens e da vida dele. Ele também, na base da brincadeira, falou que logo na primeira noite teve a grande chance de conhecer o mundialmente famoso “Sr. Grünfeld”. Na outra vez em que o Deter esteve aqui o Grünfeldt estava em Desterro e assim o Deter não teve a grande oportunidade de conhecê-lo.

A primeira coisa que ele [Grünfeldt] fez foi se queixar e falar mal do pastor Butler, com o qual ele agora não se dá bem, como acontece com todos os outros pastores. Ele chegou à conclusão de que no Brasil não haveria um pastor de seu agrado; disse que quem sabe no mundo inteiro não houvesse um pastor que o agradasse. O Grünfeldt disse ainda que o Rio Novo é semelhante ao reino de Judá: quando o rei era fiel a Deus o povo prosperava, e assim também acontece com os pastores de hoje…

O Deter só escutava, e quando o Grünfeldt foi embora ele disse que sendo pastor e conhecendo grande parte do mundo não chegou a conhecer todos pastores do mundo, mas o Grünfeldt, que mora e sempre morou no Rio Novo, conhece. Disse ainda que não precisou de cinco minutos para perceber e reconhecer que ele [Grünfeldt] é um dos tantos que existem pelas igrejas procurando culpados e defeitos nos outros; para ele nada presta, e assim não vai chegar a lugar nenhum e somente atrapalhar os outros.

E ainda não contei da parte política: quando o Grünfeldt começou a falar mal do Brasil e disse que se o Deter fosse brasileiro teria vergonha, o Deter disse com firmeza e tranqüilidade que seria melhor, se ele realmente gosta tanto da sua “Faterland”, que ele se mudasse para lá. Mas ele continuou dizendo que não tinha governo nenhum e que o idioma alemão deveria ser obrigatório em todas as escolas do Brasil e que os alemães são de longe mais cultos. O Grünfeldt é como o Janzis Arais, que diz que se conseguisse as rédeas do governo levaria o mundo direto para a lua. Mas para sua infelicidade eles não conseguem tomar o leme do mundo…

No outro dia o Butlers e o Roberts trouxeram um cavalo e levaram o Deter para o Rio Novo. Na outra vez ele precisou usar o selim próprio para mulheres, mas desta vez usou uma sela normal e seguia na frente deixando os outros para trás. Naquela mesma terça-feira teve culto na igreja do Rio Novo. Também na quarta e na quinta. Eu não fui nenhum destes dias, pois estávamos em Orleans e costurávamos até a meia-noite. O tempo estava quente e seco todas estas três semanas. No sábado eu cheguei em casa tarde, e com exceção do Puisse [Artur Purim] os demais tinham ido a um culto lá no Rodeio do Assucar na casa dos Leiman. Foi um grande culto, pois tinham vindo muitos brasileiros e muitos do Rio Novo. Desta vez o missionário Deter ficou na casa dos Frischembruder e daí eles também foram juntos ate lá. Neste culto os cânticos em brasileiro se desenvolveram muito melhor do que no Rio Novo, graças ao trabalho de ensino de música no tempo do Arthur Leiman.

No domingo pela manhã fomos todos à igreja do Rio Novo, pois não houve culto lá nos Leimann. Depois do culto houve uma assembleia dos comitês de ambas as igrejas, quando os nossos líderes fizeram uma explanação das condições em que ocorreu a cisão. O Deter então fez uma explanação das razões e vantagens que uma reunificação traria, principalmente nas áreas de evangelismo. Como a igreja de Rio Novo é a maior das províncias do Paraná e Sta. Catarina, ela deve ser a líder na área da Associação, e conseguir maior número de obreiros nas áreas de missões — obreiros que poderiam ser estrategicamente colocados em Laguna ou em Tubarão e assim dar assistência a toda região. Agora sai um trem de Tubarão para Campinas [hoje Araranguá].

Então eles ficaram deliberando, e não era permitido discutir assuntos do passado nem desrespeitar as regras parlamentares, mas no caminho para casa alguns não agüentaram e começaram a descarregar a tensão lá acumulada. Então, com a orientação do Dr. Deter, foi decidida a realização de uma sessão extraordinária da igreja de Rio Novo, cuja pauta seria unicamente a determinação do envio de um convite para que os irmãos que fazem parte da outra igreja [em Rodeio do Assucar] aceitem a proposta de reunificação, uma vez que não há nenhuma objeção doutrinária ou de qualquer outra natureza, a não ser falta de boa vontade de ambas partes; que voltem como irmãos e irmãs, que não se procurem causas e motivos do passado, os quais não trariam nada de positivo.

Na outra semana um mensageiro da igreja de Rio Novo compareceu na nossa igreja com a carta convidando a mesma para a reunificação. Ultimamente a nossa igreja estava um tanto fraca. Os jovens todos saíram e não havia ninguém que pudesse a ensinar a cantar. A Escola Dominical era dirigida pela Emma pois a Milda não mostrou boa vontade. O Roberts vai para Larangeiras atender o trabalho lá. O Arnaldo está nas Serras. Então, naturalmente, virá a unificação!

No dia 12 de maio o Deter e o Butler com a sua Marta foram a cavalo para Mãe Luzia. Lá houve cultos solenes muito concorridos e festas de batismos. Também estiveram em Campinas [hoje Araranguá] onde realizaram culto no Forum, e na volta fizeram mais um culto em Nova Veneza. A igreja de Mãe Luzia fez uma coleta para ajudar nas despesas de viagem do Pastor Deter, que rendeu 97$000. Lá ele ficou uma semana.

No sábado à noite, dia 17 de maio, quando eu voltava de Orleans em direção do Rio Novo, encontrei o W. Slengmann, que começou contando que o velho Stekert havia sido encontrado morto em sua casa. Em Orleans ninguém sabia de nada disso. Na terça-feira ele havia estado em Orleans e tinha falado que como no próximo domingo não estariam os pastores no Rio Novo ele viria a cavalo passar o fim de semana em Orleans. Os demais da família estavam todos em Orleans [NOTA: A família Stekert tinha dois domicílios: um na cidade, próximo à Estação da Estrada de Ferro, outro no Rio Carlota. Foi nessa segunda casa que o senhor Stekert foi encontrado morto].

Então, logo que souberam, naquela mesma noite, subiram todos perplexos e assustados para o Rio Novo. Dali em diante o pranto parecia não ter fim — e logo quem, pois a senhora Stekert se altera por qualquer coisa, imagine em um caso como esse.

Não se pode saber claramente o que ocorreu. Mas aconteceu nesse mesmo dia que eu vim de Orleans. Alguns pensam que algum brasileiro pôde tê-lo matado. Domingo, 18 de maio, foi o enterro. Não havia nenhum pastor na localidade. Na sessão da igreja do domingo anterior o Stekert tinha se desentendido com o Grünfeldt, e nesse domingo era levado para o túmulo. Eu tive que ficar duas semanas em casa, pois diante desses acontecimentos os familiares e outros alunos se dispersaram e não houve aulas de costura. Mas semana vão recomeçar as aulas.

O Deter voltou de Mãe Luzia no dia 20 de maio e nestes dias houve cultos todas as noites. No dia 23 de maio houve um casamento, e naquela tarde chegou a cavalo o Onofre Regis, e ali mesmo combinaram ir, ele e o Deter, até os Klavin. No sábado 24 de maio o Roberto Klavin, o Ernesto Slegman e o Deter foram fazer um trabalho evangelístico em Rio Larangeiras, pois lá o pessoal tinha sido avisado que o culto seria no sábado, já que no domingo ninguém iria para lá. Realmente houve um bom trabalho e tinha bastante gente, apesar de que o pastor sabatista realizava um culto acima da casa do Caciano, enquanto o pastor católico lá mais em baixo realizava missas. Assim mesmo as pessoas vieram para o trabalho batista que foi realizado no meio.

Naquela mesma noite teve culto lá nos Leiman e em seguida uma sessão deliberativa. Também estava o Butler e o Onofre Regis e todos homens importantes da igrejas. Entre outros assuntos houve muita deliberação sobre o destino dos bens da igreja e a reunificação da tesouraria com seus “baús cheios de dinheiro”.

O Butler serviu na sessão como intérprete, pois a pessoa que sempre faz isso é o Roberto, mas desta vez ele estava dirigindo a assembleia e ficaria muito demorado falar ambas as línguas sozinho. Ainda o Butler anotava em sua caderneta de bolso tudo, inclusive as importâncias existentes no caixa da Igreja e nas diversas organizações como Escola Dominical, União de Mocidade, etc.

O pessoal de Rio Novo andava com listas para angariar contribuições para a viagem do Missionário Deter, pois a coleta não tinha rendido o suficiente e no caixa deles dinheiro não tem. Por isso tanta insistência nessas listas. Mas na nossa Igreja tínhamos dinheiro suficiente: só no caixa da igreja tinha mais de 200$000; na nossa Escola Dominical 133$000, e desta soma foram designados 100$000 para as despesas de viagem do Deter. Ele não queria aceitar tanto, pois disse que as despesas não eram tão grandes.

Então o Butler também se manifestou, dizendo que a arrecadação da igreja de Rio Novo vai chegar a uma quantia perto de 100$000 réis. Na minha opinião é muito pouco para uma igreja com tanta gente. Nós somos bem menos pessoas e nem coletas tivemos que fazer. O pessoal da igreja de Mãe Luzia era ainda menos numeroso e deu mais do que todos. Na Sociedade Missionária tínhamos 48$00 e mandamos esta importância para a Associação de Missões Estaduais de Santa Catharina e Paraná. O destino dos saldos em caixa ainda não foi determinado, mas é bem provável que não vá para o Rio Novo.

A casa dos Leiman continua como congregação da Igreja de Rio Novo e da mesma forma a Escola Dominical em Rio Larangeiras (que era até agora dirigida só pelo Roberto, mas daqui para frente será designado um companheiro para ajudá-lo). O Deter pediu que de modo nenhum o trabalho deve ser abandonado.

No domingo passado a Maria da Silva e a Margrida estiveram na igreja e depois vieram almoçar em nossa casa. Elas solicitaram que quando nós escrevêssemos mandassem lembrança delas para você. Elas dizem que pedem ao Roberto para que quando escreva mande lembranças [em português no original], mas não sabem se o Roberto realmente escreve. Também disse que se você estivesse aqui os rapazes saberiam cantar muito melhor, porque o Roberto é bom mas não sabe ensinar música como você. Elas não têm esperança de que você volte, e acham que se um dia vier para casa talvez nem vá ao Rio Larangeiras, porque uma pessoa importante que mora em cidade grande não iria se lembrar da gente humilde de lá; certamente depois disso tudo terás te tornado muito orgulhoso.

Agora a igreja decidiu mandar dois mensageiros à Convenção em Paranaguá, que vai acontecer no dia 9 de julho. O Pastor Deter queria que fossem no mínimo dois, então foram designados o Roberto [Klavin] e o Butler. As despesas do Roberto a nossa igreja ainda vai cuidar, então o Roberto vai ter a honra de nós representar naquele evento. O Deter explicou que só deveriam ir pessoas que sabem falar o brasileiro, e o Roberto se enquadra neste quesito. Para o Roberto o Deter queria pagar todas as despesas. De Mãe Luzia irá o Klava.

O Deter foi embora no dia 26 dizendo que gostou muito daqui e prometeu em breve voltar. Agora ele foi para Blumenau, e só depois vai para a casa dele em Curitiba. Ele prometeu que quando for ao Rio vai te procurar (para levar alguma coisa para ti não; não mandamos nada pois ele vai demorar para viajar para lá). Na volta para Paranaguá deverão viajar o missionário Langston e outros.

Bem, por hoje chega, senão não caberá no envelope. Se você quiser saber mais alguma coisa pergunte, então eu escreverei noutra vez…

Com muitas lembranças,

Olga

[Escrito nas laterais:]
Junto a esta carta estou enviando um pacote contendo 3 camisas, 3 gravatas, uma ceroula, 1 par de meias e as cartas Luzija e Arthur. – Um feliz dia de Pentecostes. E ainda algo sobre o Deter: como a igreja de Rio Novo vai mandar mensageiros para a Convenção em Paranaguá, e vai se filiar então como sendo a maior igreja da Convenção, a Assembléia do ano que vem, se Deus quiser, é bem provável que seja aqui no Rio Novo. Esperamos por um belo futuro.

Não sabíamos que você era herdeiro do Ludis | Olga Purim a Reynaldo Purim

[Parte final de uma carta escrita no final de abril de 1919]

Ele [NOTA: Provavelmente fala-se de Arturs Leiman] estava muito treinado para dirigir a Escola Dominical e dirigir os cultos de quarta feiras, e também ensinava a cantar. A última lição da Escola Dominical que ele apresentou foi sobre a parábola do semeador. Os hinos que ele ensinou na última quarta-feira foram o 31 e 34 do “Cantor”, que ele deixou como lembrança. Agora a Escola Dominical é dirigida pelo Arnolds Klavin, e os cultos das quartas-feiras pelo Arnolds e pelo Roberts. Os trabalhos dos domingos são dirigidos pelo Leimans e pelo Klavins. A igreja vai mandar 20$000 para os necessitados da Síria e no domingo vai ser feita uma coleta para o seminário.

O pessoal de Rio Novo está passando uma fase grandiosa! Na quinta feira passada, dia 21 de fevereiro, aconteceram as bodas do Oscar Karp. Tão lindas e maravilhosas disseram que nunca houve por aqui. O tempo estava chuvoso, mas não uma simples chuva que chove e para — aquela persistente, que transforma tudo num verdadeiro lamaçal. O casamento foi à uma da tarde, na casa do Karp. Nas estradas lamacentas os convidados iam chapinhando. Os noivos habitualmente vão a cavalo, mas esses Oskar e Lida, como “gente bem”, foram embarcados na velha Dischpischa Ribitka puxada por dois cavalos, tendo o Matiss como cocheiro. O velho Frischembruder ia de pé atrás na carruagem e os noivos cobertos com uma capa preta de montaria. À primeira vista parecia um funeral em direção ao cemitério, mas fixando bem o olhar via-se por baixo do abrigo o par de noivos. Até agora a ninguém tinham sido prestadas tantas honras como para o Oskar. Também nunca alguém por aqui casou com tanta chuvarada e lamaceira. Qualquer outra coisa boa do Rio Novo eu não saberia dizer.

Algumas semanas atrás faleceu a Lídia Grünfeldt. Ela fazia mais de seis meses que estava de cama.

Bem, por hoje chega. Estou proibida de escrever muito, se não a Censura vai pensar “quantos segredos estão nesta grande quantidade de papéis”.

Você diz que fez a assinatura do jornal para nós, mas até agora não chegou nenhum. Os últimos foram os que você mandou. Também não sabíamos que você era herdeiro do Ludis [Ludvig Rose]. Agora que nasceu o herdeiro ele não precisa mais de você. Você sabe o que ele anda fazendo? Está editando aquele jornal em alemão?

Vou aguardar uma longa carta, sua. Desejo a você tudo de bom. Com muitas e amáveis lembranças de todos nós,

Olga

O velho Zommer morreu no dia 20 | Olga Purim a Reynaldo Purim

[Cartão postal datado com o carimbo de Orleans: 12-02-1919]

Bem, agora tenho algumas novidades. O assunto é que o A. B. Deter logo virá para o Rio Novo. Essa novidade não era esperada, mas ele tem escrito para o Onofre que em breve gostaria de visitar a as igrejas batistas de Santa Catharina, sendo província vizinha, e ele morando em Curitiba. Essas igrejas precisariam ajudar a pagar parte das despesas de passagens e demais custos da viagem — a que nossa igreja [de Rodeio do Assucar] imediatamente e com alegria se prontificou. Ele também teria escrito para o Butler, da igreja do Rio Novo, mas não sabemos qual é a opinião dele sobre a vinda dele para cá. Também não consigo imaginar a opinião do Dr. Deter sobre a “maravilhosa mocidade” da igreja do Rio Novo, ou do restante do “grande” trabalho do Dr. Butler, nem do quanto é “importante” o lugar em que ele é pastor. No Rio Novo não é possível encontrar nenhum moço que não tenha uma guria debaixo do braço…

O Eduardo Karp [NOTA: Eduardo Karp se casaria mais tarde com Lucia Purim, irmã de Olga] voltou para casa antes das festas do Natal muito doente com um problema sério no estômago; segundo dizem está irreconhecível e continua de cama.

O velho Zommer morreu no dia 20 de dezembro na casa dos Grikis e o enterro foi no dia seguinte. Nos últimos tempos estava tão mal que não reconhecia ninguém e não conseguia se mexer.

O Jurgis Karklin, como já escrevi, está em casa, mas agora não se ouve a grande “prosa” contando aquelas grandezas, nem fala de ir embora. Parece que ele ultimamente não morava em Porto Alegre, mas sim em colônias próximas, simplesmente capinando batatas.

Bem, por hoje chega. Vou aguardar longa carta sua. Você deve ter agora bastante tempo livre, então aproveite: quero saber bastante de você e da tua vida. Com muitas lembranças,

Olga

Não serão acesas as velinhas da árvore de Natal | Arnold Klavin a Reynaldo Purim

Invernada, 10-11-1918

Querido amigo!

Não sei como estás passando. Eu estava planejando, quando viajar para São Paulo, dar um pulo para te visitar no Rio, mas a passagem até lá é muito mais cara do que daqui até Santos. A minha mala com toda herança já estava pronta para a viagem, mas como ouvi dizer dos problemas de viagens e a influenza que grassa por toda parte, achei melhor ficar mais um tempo por aí.

Aqui na Igreja do Rodeio do Assucar a Escola Dominical resolveu que não serão acesas as velinhas da árvore de Natal, por não haver uma paz nem uma harmonia compatíveis com a festa de Natal.

Agora, a Escola Dominical de Rio Laranjeiras está se aprontando a todo vapor para as festas. Eu, se tudo correr bem e não viajar para outro lugar, devo dar um pulo lá nas serras.

Este setembro se apresenta muito chuvoso; muita gente que tem coivaras para queimar não consegue, e elas estão ficando verdes outra vez. O Gludinhs também foi para Nova Odessa. O Juris (Jurka) contratou a limpeza e a colheita do algodoal do sr. W. Leeknim.

Você sabe, se dentre os seminaristas tem alguém doente com a influenza? Estão falando que ela já está em Tubarão, e quanto eu sei não chegou a Orleans. Onde você passou as férias? O Guedes morreu no dia 6 de outubro.

Com muitas lembranças,
Arnold [Klavin]