Residência do Sr. Rudolfo Klawa em Urubici



Anúncios

DR. REYNALDO PURIM – DADOS BIOGRÁFICOS – POR JOÃO REINALDO PURIN – FINAL

DR. REYNALDO PURIM – DADOS BIOGRÁFICOS | POR JOÃO REINALDO PURIN – 6ª PARTE
FINAL

REYNALDO PURIM
Memórias de seu sobrinho João Reinaldo Purin

6ª Parte – Final
Morando no Seminário do Sul
Já nos últimos anos, quando o irmão Arthur Lakschevitz não tinha mais condições de tê-lo onde há muitos anos esteve, o Seminário arranjou um apartamento para ele no prédio 18. Lembro-me dele andando à noitinha pela pracinha do Seminário. Logo alunos se acercavam dele com perguntas as mais variadas. Uma vez foi impressionante. À noite estava assentado no degrau redondo do centro da praça onde está o mastro. Os alunos ao redor num silêncio impressionante. Uns pediam para os outros: “fiquem quietos, o homem está falando… queremos ouvi-lo”.Ele falava baixinho. No dia seguinte ele me procurou dizendo que isto “foi chato…” Ao que reverti esta falsa impressão dele. Falei que era um quadro lindo.
Ele era um verdadeiro sábio. Conhecia a Bíblia como poucos. Para todas as passagens e circunstâncias bíblicas tinha a interpretação completa e verdadeira, pois conhecia muito bem o hebraico, o grego e as circunstâncias em que o texto ou o caso aconteceu. Ia para o hebraico e o grego, fazia sua exegese e aplicava as regras de hermenêutica. Seu método principal era o de analisar uma doutrina bíblica em seu desenvolvimento. Por exemplo: como os discípulos chegaram à conclusão de que Jesus não era apenas um homem importante, um profeta, mas realmente, o Filho do Deus vivo, conforme a experiência em Cesaréia de Filipe. Assim, também as doutrinas da Igreja de Jesus Cristo, do Espírito Santo e as demais. Daí, então, os escritos e doutrinas esposadas por ele são de uma perfeição incontestável.
Dominava o Inglês, Português, Francês, Leto, Latim, um razoável conhecimento do Alemão. Além das línguas bíblicas, como o Grego e o Hebraico que foi professor no Seminário.
Deixou marcas profundas em centenas de alunos dos quais muitos já também terminaram sua carreira, outros ainda estão cumprindo sua missão como pastores e mestres em muitas instituições de formação teológica.
Muito poderia também falar de sua atuação no Seminário Betel nos tempos de seu início com o Pastor José de Miranda Pinto. Lá ele também exerceu forte influência sobre muito aspirantes ao ministério que ainda hoje atuam na obra do Senhor. Sobre este período, entretanto, como não foi do meu tempo, apenas menciono o fato.
O ético.
Era impressionante como ele era respeitador. Jamais se intrometia em áreas que não lhe competiam. Nunca procurou interferir na administração do Seminário, por exemplo. Tinha a chave. Entrava para o seu gabinete. Se a porta estivesse sem chave, assim ficava. Caso contrário, ele passava a chave.
Como não gostaria que alguém se intrometesse na função dele, tinha também por norma não fazer isso com os outros. Exemplo disso também repercutiu na realização de casamentos, com efeito, civil. Dizia que, como não gostaria que um juiz viesse realizar o casamento religioso, assim também não iria fazer a vez de um juiz. Essa era a lógica dele. Assim era o seu raciocínio.
O construtor
A Igreja Batista em Bangu funcionava em uma casa adaptada em terreno amplo. O plano de construir um grande templo esteve sempre em seus ideais. Assim é que vivia observando modelos e confeccionava plantas para o futuro templo. Queria um templo que chegasse à perfeição, ou próximo dela. Teve inúmeros contactos com o engenheiro acústico Dr. Del Nero, em São Paulo. Pretendia um santuário que não precisasse o sistema de som. Tudo isto foi feito, entretanto, talvez pelo tamanho, mesmo assim, foi preciso colocar som.
Lembro-me de que no começo da obra, numa segunda-feira, em seu gabinete no Seminário ele me mostrou, com muita alegria, um pacote de cédulas que iria levar para depositar na Junta Patrimonial Batista. Dizia, “não sei como aqueles pobres irmãos conseguem tanto dinheiro…?” Pensei comigo, isto não será nada…
Marcou o dia do lançamento da pedra fundamental. Dia 1º de maio de 1962.
Como naquele tempo já estava começando a Cidade Batista – Lar da Criança em Campo Grande, organização da para as crianças órfãs e abandonadas, consegui uma carona na Capela ambulante da Convenção Batista da Guanabara que ia para lá. O motorista/responsável era o seminarista Pedro Litwinchuk, conhecido como Pedro Capela. Depois de muitas voltas, pois pouco conhecia do Rio, chegou à Rua Francisco Real esquina com a Silva Cardoso. Disse: segue à frente que é logo ali. Realmente já havia muita gente reunida para o evento. O terreno estava limpo. A cerimônia foi à tarde. A mensagem foi entregue pelo Pr. Dr. José Lins de Albuquerque. Lembro-me de que após a mensagem, tomou as suas anotações e colocou-as dentro da “caixa/pedra” de que também constavam: uma Bíblia, Jornal Batista, Jornais do Dia. Com esse conteúdo, foi lacrada e enterrada.
A história da construção do templo foi também uma epopéia de fé e sacrifício. Lembro-me de tê-lo visto levando massa em carrinho de mão pelos andaimes até a galeria em construção.
Fui informado, também, de que em várias ocasiões em que a construção exigia grandes esforços financeiros, ele pedia ao tesoureiro que usasse os seus honorários na obra.
Passados alguns anos chegou o dia da inauguração. Lembro-me dele no púlpito, ao lado do pregador, chorando, não contendo as lágrimas de alegria e emoção.
Para quem não conhece, o templo é realmente muito grande. Embaixo há muitas salas e também um amplo salão que comporta bem umas 400 pessoas. Em cima o santuário para mais de 1.500 lugares. Tem muitas salas, gabinete pastoral e tudo que se espera para uma grande igreja.
Homem temente a Deus
Foi dito logo no começo, que ele era lógico e que usava muito o raciocínio em sua vida, entretanto, creio que a tônica maior foi o seu temor a Deus.
Lembro, quando eu ainda era pequeno, de minha avó e sua mãe Lisete me contar que adolescente, na roça, ele parava, por alguns instantes o seu trabalho, encostava a enxada, tirava o chapéu e passava uns bons momentos em oração a Deus.
Lembro-me também de que todas as noites, em meus contatos com ele, depois de ler algum livro, como vinha sempre fazendo, antes de se deitar, tomava a Bíblia e lia um texto e fazia sua oração de forma audível em sua língua materna. O leto eu podia acompanhar por também ter sido a minha língua da infância. Na noite em que estávamos em Belo Horizonte, véspera de irmos ao médico oftalmologista, pude ouvi-lo clamando a Deus que restabelecesse as suas vistas, “manas acis” (pronúncia atzis) = “minhas vistas”.
Tudo para ele era equilibrado. Bíblia e oração e vice-versa. Para ele a vida cristã tinha que ser mesclada, a espiritualidade com a doutrina bíblica.
Seus últimos anos
Certo dia, o vice-moderador da igreja em Bangu, irmão José Maximino me telefonou dizendo: “o seu titio não está bem de saúde. Ele não consegue mais ler. Eu é que tenho que ler para ele…”
Devido à falta de alguém que o vigiasse, especialmente quanto à saúde, alimentação etc., chegou o tempo em que a diabetes atingiu graus muito altos, degenerando os nervos óticos. Como ele e ninguém imaginava que isto poderia estar acontecendo, a igreja logo procurou tratamento com o melhor oftalmologista da época. Mais que depressa, o irmão Joel Cabral se dispôs a nos levar a Belo Horizonte, para uma consulta com o famoso Dr. Hilton Rocha que tinha na época tratado o jogador de futebol Tostão. Depois de consultado, o oftalmologista o encaminhou para um colega em Copacabana. E nada de melhoras. O estado geral cada vez pior a ponto de tê-lo que internar no Hospital Evangélico do Rio de Janeiro. Lá ficou em estado de coma. Foi constatado que a taxa de glicemia estava em 570. Pensou-se que dessa, ele não iria escapar. Os irmãos de Bangu já estavam dizendo que o corpo iria para o templo de Bangu…
Entretanto, passados alguns dias, o hospital informou que fizeram o mal principal baixar e que nada mais tinham a fazer com ele. A sua mente estava, também, totalmente confusa. Não aceitava injeções. Certo momento pisou um comprimido que deveria tomar. Fazer o que com ele assim? Deixá-lo na Igreja em Bangu, não tinha como. Então, com muito custo foi colocado no meu velho fusca e levado para o aeroporto de pijama e tudo e assim o levei para a casa de meus pais em Curitiba. No aeroporto, lá estavam meu pai e o meu irmão Carlos Ademar já nos aguardando. Um detalhe interessante: lá também estava o Pr. Herculano Ribeiro que o conhecia e foi logo dizendo, sou o pai do Pr. Ageo. E o Tio logo reclamou: “fala com ele que estou esperando o livro que emprestei para ele…”
Chegando em casa de meus pais, queria ir logo para o Seminário dar suas aulas. Eu disse que estávamos em Curitiba, muito distante geograficamente. Ele brigou comigo, dizendo que eu nada conhecia de geografia. Queria quebrar o portão e sair a pé para o Seminário. Foi uma luta.
Minha mãe tratou de colocar o homem nos eixos quanto à alimentação. Assim, passadas algumas semanas, fui informado por telefone que o titio estava melhorando. Semanas depois quando fui passar as férias em Curitiba, conversei bastante com ele. Foi a hora em que ele começou a se recompor mentalmente. Reconheceu: “Você é o João Reinaldo, foi meu aluno no Seminário” e tantas coisas mais.
Tive, então, um momento muito impactante. Passados alguns meses, veio passar uns dias em nossa casa no Rio, levei-o novamente à sua igreja em Bangu. Como aqueles irmãos e irmãs se alegraram com a presença daquele que deu 43 anos, o melhor de sua vida, por aqueles amados irmãos!
Biblioteca e mudança
Pensava-se que ele iria deixar os seus livros para a Biblioteca do Seminário no Rio, mas qual nada. Arranjamos inúmeros sacos e assim foram colocados todos nos mesmos e tudo foi transportado para Curitiba.
Depois disso ainda viveu vários anos junto dos familiares. Como não podia mais ler, sempre pedia para que alguém fosse ler algum livro para ele. Tive que fazê-lo por várias vezes, bem como meus irmãos. O Pastor Mauro Serafim leu a sua tese de doutorado, em inglês e tantos outros. Desta forma, a sua sede pelo saber era amenizada.
Assim passou seus últimos anos com seus irmãos, meu pai e com a irmã, a tia Lúcia.
Partiu para receber o seu galardão no dia 26 de dezembro de 1986 alguns dias antes de completar seus 90 anos. Em 9 de janeiro completaria essa idade.
Seus funerais aconteceram na Igreja Batista em Cajuru. Foi sepultado no Cemitério Iguaçu em Curitiba.
************
Dou muitas graças ao meu Deus pelos contatos que tive com ele. Muito “bebi” daquela fonte inesgotável de sabedoria.
Sempre reconhecia que eu era diferente dele em tudo. Nunca procurei imitá-lo, uma vez que cada um é cada um.
Também creio que Deus me colocou no Seminário e também como pastor da Igreja Batista em Senador Camará, a mais próxima estação de Bangu, para ser alguém da família para essas horas difíceis por que ele passou.
Deus foi maravilhoso a ponto de ele poder passar seus últimos anos com a família. Prova de que Deus não desampara aqueles que O servem com fidelidade, até o último instante de suas vidas.
A Deus toda a glória e louvor!

DR. REYNALDO PURIM – DADOS BIOGRÁFICOS | POR JOÃO REINALDO PURIN – 4ª PARTE

DR. REYNALDO PURIM
Memórias de seu sobrinho João Reinaldo Purin
4ª Parte

Sua rotina semanal:
Aos sábados: Bangu, onde, tomava as providências, fazer visitas, reuniões, programa especial à noite. Domingo o dia inteiro, Escola Bíblica Dominical, culto, almoço em casa de alguma família escalada, mais visitas, trabalho evangelístico ao ar-livre, culto a seguir. Tudo terminado tomava o trem e vinha para a cidade para as suas lides da semana. Quarta-feira à tarde, novamente Bangu e assim sucessivamente. Só quem conheceu os trens e os bondes daquela época pode calcular o sacrifício que era.

Um ano ele enviou para nós, pelo correio, um pacote com livros, em sua maioria de Monteiro Lobato: História das Invenções, Aritmética da Emília, Emília no País da Gramática, Serões de Dona Benta e outros. Foi uma alegria e também oportunidade, uma vez que gostávamos muito de ler, pois lá no sítio poucos recursos tínhamos para obter livros.

Certa vez, no dia seguinte à sua chegada em Rio Novo, após o café da manhã, ele foi logo dizendo: “calça velha, calça velha e um chapéu de palha”. Seria uma calça remendada de meu pai que era mais baixo que ele. Ficou uma “figura”. Queria logo ir com a gente para a roça capinar ajudando na lavoura. Como o sol era muito quente ele ficava com os braços queimados. Lembro-me de que ele próprio tirava a pele dos braços em longas tiras secas. Tudo isso era contra a nossa vontade, pois viera para descansar. Mas ele não era de ficar parado. Isto também era, para ele, uma boa higiene mental. Aos domingos ele pregava e também em algumas noites, à luz dos lampiões, no templo da Igreja Batista local em Rio Novo.

Lembro-me de que ele, com a mania de professor, sempre andava com lápis vermelho no bolso para corrigir as provas. Assim é que pediu logo os nossos cadernos da escola primária. Foi logo achando o que corrigir e reclamar da professora que não corrigia direito os seus alunos.

Houve um ano em que ao chegar em casa e abrir a mala nós, os meninos, vimos que ele trouxera um exemplar cinza-azulado de “Admissão ao Ginásio”. Supúnhamos que ele tinha intenções de levar algum dos sobrinhos para internar em um colégio no Rio ou em algum outro lugar. Passados alguns dias ele começou a nos dar aulas das matérias ali contidas: Português, Matemática, História, Geografia. Mas como ninguém cobrou nada dele, ficou por isso mesmo. Assim como veio, deixou o livro e voltou para as suas lides no Rio de Janeiro.

Nas suas férias gostava muito de apreciar a natureza. Ficava impressionado com o verde exuberante do sítio.
Mas reclamava de que meu pai e a família precisavam se organizar e viver dentro de um orçamento fixo. Não adiantava argumentar que as colheitas eram muito incertas e que os imprevistos eram constantes. Como solteirão e não tendo filhos, ele podia viver desta forma; mas para uma família na roça, dependendo da lavoura, isto era impossível. Mas quem para convencê-lo?

Também não queria que derrubássemos as matas virgens, pois, havia uma área muito boa, um chapadão com mata nativa e que poderíamos cultivar uma excelente área para boas plantações e colheitas. Entretanto, tínhamos que fazê-las em encostas e já muito gastas pelos anos anteriores e erosões. Às vezes as chuvas eram muito fortes e lá ia tudo água abaixo.

De longe, ele exercia forte influência sobre a nossa família que o respeitava e considerava. Entretanto, o tempo passou e tudo lá ficou.

No Rio de Janeiro

A minha primeira experiência com o tio Reynaldo no Rio de Janeiro foi já no ano 1958, quando já estava estudando em Curitiba. Eu era o coordenador da Organização Embaixadores do Rei no Paraná. Então fui convidado, com tudo pago, para participar de um Congresso Nacional no Sítio do Sossego em Rio Dourado, Estado do Rio. Como o trem da Leopoldina iria partir numa segunda-feira, viajei de avião pela primeira vez, chegando ao Rio no sábado, já bem de noite e fui logo procurar o Colégio Batista na Tijuca onde a meninada estaria se encontrando. Assim foi. No dia seguinte, procurei ir a Bangu. Tomei todas as informações e depois de muitas voltas cheguei à estação de Bangu. Procurei pela Rua Silva Cardoso e me informaram que era a próxima abaixo. Queria o número 279. Fui caminhando e encontrei uma casa velha e adaptada bem simples. As classes da Escola Dominical já estavam voltando para o culto. Era gente que não acabava mais. Assentei-me bem atrás e uma senhora logo veio falar comigo, perguntando se era crente. Respondi que era sobrinho do pastor, mas que era surpresa e não queria que ele soubesse. Assim foi. Logo pude ver o Tio lá na frente. Terno azul-marinho. Ao se por de pé, no púlpito, lançou seu olhar de quase 180º, e o silêncio total. Como que abraçando o púlpito que era próprio para a altura dele, colocou o seu dedo indicador da mão direita em riste, todos ficaram em pé. Anunciou o primeiro hino, e assim o culto transcorreu. Mensagem simples, de ótimo conteúdo bíblico. Era impressionante como ele prendia a atenção de todos até o fim da mesma. Todos prestavam atenção. Não queriam perder o pensamento até o fim. Quando o culto acabou, fui me encontrar com ele que foi dizendo “mas você por aqui?” Logo falou com a família que iria dar o almoço para ele e pediu que “colocasse mais água no feijão…” Pude notar o quanto era querido e considerado por todos.

Naqueles tempos ele já morava no bairro do Rio Comprido, à Rua Sampaio Viana, 46, propriedade do Maestro Arthur Lakschevitz. Ele morava em cima de uma garagem onde funcionava a gráfica desse irmão. Nela eram confeccionados os Coros Sacros, a Revista Teológica do Seminário do Sul e impressos para as igrejas. Lá em cima eram dois cômodos. O da frente, o maior, era a biblioteca, cadeira, escrivaninha e de tudo o mais. Na parte de trás era a cama e outras coisas do seu dia a dia. Como ele sabia que iria chegar, estava me esperando na calçada. Assim me fez entrar. Subimos pela escada que ficava nos fundos. Foi logo me mostrando a sua famosa tese de doutorado em filosofia. Estava embrulhada em vários papéis, inclusive um contra incêndio e outro contra umidade. Lembro-me que, talvez pela emoção, acabou quebrando o vidro ao fechar o armário.

Depois, em junho/julho do ano 1960, foi quando aconteceu o X Congresso da Aliança Batista Mundial. Fui o responsável pelo grupo que foi de ônibus de Curitiba. Ficamos alojados no Edifício Love no Colégio Batista. Logo nos encontramos e gostava muito de que estivéssemos juntos. Como ele sempre gostou de aproveitar bem de tudo, não participou como dirigente de nenhum grupo ou como intérprete que bem poderia ter sido. Gostava sempre de procurar um lugar próximo a uma caixa de som para não perder nada do que acontecia no Maracanãzinho. A gente ia almoçar no bandejão do SAPS da Praça da Bandeira que hoje já não existe mais.

O Congresso foi indescritível. Tive muitas oportunidades maravilhosas, especialmente no encerramento na tarde do dia 03 de julho, com o Maracanã cheio, o grande coral, Billy Graham pregando e milhares de pessoas manifestando-se ao lado de Cristo.

Continua…