…mas nós sentimos muito a sua falta e tudo parece triste e sombrio…| De Lucia Purim para Reynaldo Purim – 1926 –

27 de julho de 1926
Querido irmãozinho!
Saudações!

Recebemos as seguintes cartas: a minha que você escreveu em 14 de julho e a do Arthur que você escreveu no dia 23 também de julho. Estas vieram muito rápidas e é raro chegar assim imediatamente. Aquela que veio como resposta ao telegrama ficamos tristes por ter que mandar uma mensagem tão triste. A primeira idéia era de não mandar telegrama nenhum, mas depois acertamos que seria melhor informar já de uma vez, porque de qualquer modo mais cedo ou mais tarde irias receber a carta informando do triste fato, então porque adiar. O telegrama foi mandado dia 10 e demorou muito para chegar lá. Nós também ficamos muito tristes e perturbados, mas tudo aconteceu quando ninguém estava esperando, mas a Palavra de Deus que todos devemos estar preparados por que ninguém sabe o dia que a morte vem e bem aventurado aquele que está preparado.
Nós naquela manhã não imaginávamos que noite nos tínhamos que nos separar da Olga, pois ela não sentia dor nenhuma e somente tinha a respiração difícil. Ela ainda pela manhã falou: Tu ainda queres viajar para o Rio, mas eu vou é para casa… Isso por que nós alguma vez planejávamos ir visitar você isto é enquanto você ainda estivesse ai no Brasil. Isto seria se a gente pudesse e tivesse condições, mas na prática sabíamos que nós não tínhamos as condições, pois a nossa vida aqui não permitia, mas conversar e planejar isto nós podíamos. Nesta última semana ela falava muito sobre você, sobre os tempos passados o que fazíamos e como vivíamos. Dizia ela e agora ele vai para tão longe e certamente eu não vou ter oportunidade de encontrá-lo novamente apesar de eu sempre tentar reanimá-la dizendo que logo que voltares da América virás direto para casa então poderemos viver longo tempo juntos e não deixaremos ir embora tão cedo, como no tempo que você tinha que voltar para a escola. Mas Deus não quis assim e levou-a para o Lar Celestial e quando tornarmos a nós encontrar então, aí, nós não separaremos jamais. Por que aqui não é o nosso lar e somos como estranhos e peregrinos a caminho da Canaã Celestial. Ela está muito bem, mas nós sentimos muito a sua falta e tudo parece vazio, triste e sombrio. Nos últimos tempos ela nada podia fazer, mas pelo menos era uma boa companhia e agora não está mais.

O Arthur mandou a carta em 19 de abril, mas ela já estava escrita dias antes, mas naquela semana começou uma grande chuva e um vento gelado. Começou a chover na terça feira dia 14 e choveu até o sábado. O frio era tão violento que a gente parecia que não poderia agüentar. Nas Serras as montanhas ficaram brancas cobertas de neve por mais de uma semana. Os serranos falavam que a camada de neve era tão grossa que chegava até a barriga das mulas. Esperávamos grandes geadas aqui, mas não aconteceram e quando o tempo melhorou aí também esquentou. É por isso que o Arthur demorou em enviar a carta por que para Orleans ninguém podia ir. Eu também não escrevi por que eu fiquei tão perturbada que não podia escrever nem a noite pensar. Desde há duas semanas antes do falecimento da Olga eu estava tão cansada e perturbada devido à tensão e não sentia vontade de comer, a cabeça doía muito e também as costas e eu cheguei a pensar que não conseguiria superar tantas tristezas, mas o Senhor ajudou e agora estou perfeitamente saudável. Estou somente bastante nervosa e qualquer movimento mais brusco me deixa perturbada. Fora isto estamos todos bem de saúde e ninguém ficou de cama por estes dias. Serviço nós temos demais agora nós estamos colhendo o milho, este ano a colheita será menor por que não cresceram bem e também há muitos ratos. Se alguma espiga foi derrubada no chão por qualquer razão sem dúvida, ela estará roída, mas vai dar para passar o ano. Os porcos estão sendo engordados com mandioca, qual nós temos bastante. A farinha de mandioca já terminamos de fabricar. Rendeu mais de 50 sacas. Os preços da farinha é que não estão bons e às vezes os homens das vendas nem querem comprar. Polvilho também vamos ter bastante, pois os cochos e as barricas estão cheios. Não puderam ser secos por que o clima não tem ajudado. Pois o tempo continua chuvoso.
O Carlos Leiman chegou dia 3 e foi embora para Mãe Luzia no dia 12. Ficou aqui em casa e deu para conversar bastante. Prometeu escrever para você. Dirigiu vários cultos e realizou Batismos no dia 11 de manhã na fazenda dos Frischembruder, por que devido à venda da terra dos Osch onde eram normalmente realizados os batismos foi vendida para um italiano onde ninguém gostaria de ir e é provável que não autorizasse. Na noite de sábado dia 10 foi realizada uma Sessão na Igreja quando foram aceitos os seguintes novos membros: Klara Sahlit, Kornelija Balod, Harri Auras e Willis Leepkaln e os batismos foram realizados na manhã do domingo pelo Pastor Carlos. Os Sermões eu não vou transcrever desta vez, talvez em outra.

Há pouco tempo recebemos carta do Fritz e do Arthur [Frederico e Arthur Leiman da Argentina]. O Arthur escreve que virá para o Natal para vender a terra.. O Fritz diz que esqueceu o teu nome senão ele escreveria para convidando para você ir para Argentina trabalhar. Ele garante que tem muito trabalho e pão macio para comer. Diz que você pode ir sem medo, pois ele precisa muito de trabalhadores.
Quanto àquela compra do terreno dos Leiman, não chegamos a nenhuma conclusão definitiva. Se vender aqui e comprar lá ou senão só comprar lá. O que nós estamos de acordo é que você se não custar muito caro mandar a Procuração e depois a gente poderia decidir com mais vagar. Nós conversamos se pela Bukuvina a gente conseguisse o suficiente que desse para comprar a fazenda dos Leiman tudo bem. Mas completar com mais dinheiro ai não. Tem um agravante, pois não existe nenhum comprador para a Bukuvina quando a gente quer vender. O Arthur [Arthur Purim] ainda tem outras preocupações e acha que no final terá que desistir da terra dos Leiman porque não será possível morar em dois lugares no mesmo tempo e nenhuma das casas não poderão ser deixadas vazias. Aqui no Rio Novo a cozinha é nova e logo abaixo do paiol nós temos uma linda horta tudo nela cresce muito bem. Sabemos que a terra dos Leiman também é boa e bem grande. As raízes lá [Mandioca] crescem muito bem. Se não comprar lá não sabemos onde por o nosso gado, pois aqui o pasto é pouco. Vender o gado é difícil, pois quando a gente quer vender ninguém quer comprar. Por ai você pode ver que não temos nada decidido, mas que concordamos que a Procuração você deve mandar e nós não comprarmos também não venderemos e ai ela ficará sem utilização. Se mandares faça em nome do Arthur, pois ele pode falar e se comunicar melhor que o Paps. Também escrevemos para o Fritz e para o Arthur, pois este assunto tem que ser bem avaliados com muita responsabilidade. Na semana que vem vamos mandar outra carta com os novos croquis do seu terreno e esperamos que este chegue lá.

Vamos mandar também para você meias, luvas, camisa e um xale. É para você ir bonito e elegante para a América. Se você não gostar da camisa, então, você pode vendê-la. Mas eu pensei que pelo tamanho ele vai servir bem. Ela está na moda e todos senhores elegantes usam este modelo. Se as mangas forem muito compridas, você pode arregaçar. O colarinho pode ser virado para o lado de fora. Se tivesses vindo para casa terias ganho um lindo terno de tecido feito de lã [Vadmales] feito no nosso tear.

Bem por hoje chega se eu esqueci alguma coisa escrevo na outra vez.

Amáveis lembranças de todos. Nós estamos bem. E o mesmo desejo para você.
Lúcia

Aceite lembranças dos Irmãos daqui … De Onofre Regis para Reynaldo Purim – 1924 –

[Carta manuscrita em português]

Barra Braço do Norte , 8 de abril de 1924

Prezado irmão Reynaldo Purim

Saudações em Jesus

Muito desejo que esta o encontre com saúde e cheio de bênçãos do nosso bom Deus.

Eu e minha esposa e os demais Irmãos daqui, vamos regularmente de saúde e na paz de Christo.

Recebi sua prezada cartinha de 10 de março p/p. e sciente fiquei em seu conteúdo que muito lhe agradesso. Motivado pela sua boa intenção junto a redação do Jornal Baptista,, foi me restituída a m/ assignatura, que mandarei pagal-a logo que me seja possível
Nada tinham que alegarem prejuízo visto que eu com o auxilio Deus, nunca lhes dô prejuiso.

Em resposta a carta que o Irmão foi portador para o Irmão Carlos Leiman, já recebi carta deste, em que me diz vir neste ou no outro mez ao Estado de Sta. Catharina, em visita aos Irmãos, esperamos. Quanto ao trabalho aqui aguardamos sua oppurtunidade.

Aceite lembranças dos Irmãos daqui e abrace

Seu Irmão em Christo

Onofre Regis

…tinha engordado muito comendo o feijão do governo | De Olga Purim para Reynaldo Purim – 1922

Rio Novo 8 de junho de 1922

Querido Reinhold!!

Bem esta noite terei que escrever alguma coisa. Mas há um problema as notícias são tantas que não sei onde começar e onde terminar. E ainda um agravante é que está muito frio e temo que a minha carta também não seja uma carta gelada.

A tua carta escrita no dia 31 de abril recebi no dia 15 de maio e por ela muito obrigado e naquele momento não respondi porquê não tinha nenhuma novidade por aqui e também não tinha tempo devido ao muito trabalho e os dias muito curtos.

A Luzija faz já 6 semanas que está morando com os Leiman ajudando no engenho fazer farinha de mandioca e também fazendo a comida para os velhos e agora muito mais, pois chegou o Karlos.[ Leiman] Ele chegou no dia 13 de maio, uma sábado a noite justamente uma ocasião que ninguém o estava esperando porquê ninguém também não sabia, quando ele viria. Coincidiu que naquele mesmo trem também chegou o Auggi Klavim [Augusto Klavin voltando do serviço militar] e ambos vieram a pé o Rio Novo acima pedindo pousadas em brasileiro [pedir pousada é pedir abrigo para passar a noite] e até que enfim chegaram até o Rodeio do Assucar e ai os velhos Leiman já estavam dormindo. Quando eles chamaram, os cachorros começaram a latir raivosamente o velho Leiman apanhou a espingarda e foi enfrentar os ladrões. Mas este ladrão não pensava em fugir e vinha se aproximando e falando.

Também os Klavim já tinham ido 3 vezes ao encontro do Augge em Orleans e ele nunca vinha e nunca chegava. Outros já falavam que devido a Revolução todas as baixas do Exército tinham sido suspensas e o Auggis não teria como vir para casa. Mesmo Willis Klavin no dia anterior tinha recebido uma carta dizendo que tão cedo não poderia voltar para casa e naquela noite a senhora Klavin ouvindo os cachorros latirem forte, ela chamou perguntando se não era o Augusto e a resposta era que sim. Daí a alegria foi imensa. Tinham esperado tanto e agora sem esperar no meio da noite, eis ele que chega.

A pequena Lida [Lídia] pela manhã não reconheceu o irmão achando que era um outro “tio” porque tinha engordado muito comendo o feijão do governo.

Karlis [Leiman] também está bem mais gordo que antes e já no outro dia que era domingo veio nos visitar. Ele acha muito difícil imaginar que do tempo que ele saiu às coisas continuam quase do mesmo jeito. E ele tinha tanto para contar. Parecia para ele que nunca mais retornaria a este lugar. Ele também disse que o mundo é redondo e algum dia teria que voltar ao mesmo lugar apesar das rodas terem girado no sentido contrário. Eu já tinha contado que a Igreja de Rio Novo tinha convidado o Deter para vir visitar a Igreja e realizar os batismos e ele o Deter não pode vir então enviando o Karlis.

Eu pensei que os antigos “inimigos” mas agora o velho [está riscado e borrado, mas deve se referir à pessoa que liderou a onda pressionando ele sair do Rio Novo] que nunca gostou do Karlis, agora com toda humildade contou que no passado tinha tido problemas e abrindo seu coração, tudo voltou ao normal considerando o Karlis um grande amigo seu. Até parece um milagre que as coisas mudaram tanto no sentido contrário. Você poderá conversar com o Karlis e ele vai contar tudo, pois ele vai ao Rio de Janeiro para a Convenção Nacional, pois ele até foi eleito como mensageiro oficial da Igreja do Rio Novo.

Você poderia separar uma noite lá, para que o Karlis possa contar os seus feitos heróicos aqui no Rio Novo. No domingo passado foi levantada uma coleta para ajudar nas despesas da viagem que rendeu 44$000 e nas oitavas da Festa de Verão [Ascensão do Senhor] houve uma sessão regular da Igreja onde foi proposta e designada a quantia de 100$000 para auxílio no custo da viagem do mensageiro oficial da Igreja para as grandes conferências. Até parece que alguns queriam mostrar a sua grandeza e desprendimento quase querendo se vangloriar de sua grande bondade.

Na semana passada chegaram as cartas suas para o Arthur e a Luzija e naquele dia também te mandei uma. O Arthur já começou escrever a resposta e esperamos que logo ele termine…

Você poderá mandar papéis azuis [deve ser papel carbono para copiar modelos na costura] no meio dos Jornais.

[Não tem o final, mas pelo contexto percebe-se que é a Olga quem escreve].
_____________________________________________________

É a terceira vez que estou tentando ir para lá. | De Carlos Leiman para Reynaldo Purim — 1922

Joinville 10 de fevereiro de 1922

Querido Reinhold

Saudações!

Depois de muitas voltas e andanças ante ontem dia 7 cheguei e agora estamos em casa enquanto as obrigações não forçarem ir adiante.

Tenho me esforçado por todos os meios de ir até o Rio Novo, mas até agora não surgiu esta oportunidade. Também nada sei de meus pais se estão vivos ou estão mortos. É a terceira vez que estou tentando ir para lá. Agora penso que talvez em maio dê certo.

Nós tivemos a Convenção Anual. Grandes Programas. Grandes alvos, tudo estaria bem, mas o Lupers foi transferido para Portugal e o trabalho aqui fica sem ninguém no lugar para o comando.

Daqui da região irão 4 estudantes para o Colégio isto é dois pares e por eles espero mandar aquele Hinário “Skanha Rota”. [Um hinário leto chamado de “A Jóia do Som”]

Agora olho e penso o que começar em um lugar totalmente estranho e onde não tenho nenhuma pessoa conhecida para conversar ou trocar alguma experiência ou planejar algum trabalho.

A Igreja em Rio Branco está muito feliz com a minha vinda para cá. Somente não sei o que pensam os Rionovenses.

Por favor, escreva contando como foram as suas férias.

Escreva para Joinville Sta. Catarina

Com um sincero abraço.
Carlos Leiman
_______________________________________________

Chove todos os dias e semanas inteiras. | De Arthur Leiman para Reynaldo Purim – 1922

Rio Novo 02 de Fevereiro de 1922

Querido Reini!

Primeiramente muitas e sinceras lembranças.

Estou escrevendo, não sei se recebestes a minha carta anterior ou não. Há pouco recebi as esquecidas lembranças, ou melhor, os esquecidos receberam as lembranças. Obrigado por elas também e como para aqui não será possível escrever, pois logo no fim do mês deverei estar embarcando para o Rio Grande do Sul “ ne us do Nerte. “Compreender alemão? “

Aqui estou suficientemente bem. Fiquei muito feliz por ter tido a oportunidade de ajudar esta Mocidade ficar mais próxima a sua Igreja. Com os Brasileiros, não tive oportunidade de trabalhar e a grande maioria ainda tem dificuldade com a língua.

Mas como chove aqui. Chove todos os dias e semanas inteiras. As estradas são lamacentas e as noites escuras. Ontem à noite voltando a cavalo da Igreja……. (Parte ilegível).

O Butler também esteve aqui um par de semanas.

Estou esperando o Karlos [ Leiman]. Não sei onde ele está caído ou entalado e como ele não escreve. Daí terei que ir procurá-lo. Que posso fazer, assim são os Ilustríssimos Senhores.

Teria muito que reclamar para você, mas certamente não faltarão outros melhores e mais inteligentes, nestas questões.
Escreva-me para Ramón Falcon 4.100 Bs. Airé R. Argentina.

Saúda-te o teu companheiro Arthurs Leiman
________________________________________________

…muito admirado e pasmo pôr que lá não mais estou. | De Fritz Janowski para Reynaldo Purim

Rio Branco 20 de novembro de 1921
[(Rio Branco era uma das colônias Letas entre Bananal hoje Guaramirim e Massaranduba)].

Querido amigo!

Paz e alegria e a mais completa boa vontade no Senhor seja a Sua parte.

Pode ser que eu tenha sido esquecido ou estranho para você. Terá passado um ano que não tenho escrito para você. O entendimento e o tempo sempre estão tomados de modo que não tive condições de voltar a escrever. Como tu bem sabes que quando um caminho está tomado pelo mato fica mais difícil pôr ele caminhar. Seja como for eu nunca esqueci nos meus pensamentos, aqueles momentos que compartilhei lá no Seminário. E fico muito admirado e pasmo pôr que lá não mais estou.

Na minha vida aconteceram grandes mudanças. Neste ano no dia 24 de março eu selei a minha vida em matrimônio com a jovem irmã Ermínia Liepin, então eu já estou na classe dos maduros ou velhos. Estamos morando em Rio Branco com o pai.

Para o ano que vem estamos aguardando o irmão Carlos Leiman como Missionário para cidade de Joinville e cidades vizinhas. Em 11 a 15 de janeiro de 1922 reunirá aqui em Rio Branco a Assembléia da Convenção Batista Paraná / Sta. Catarina.
Esperamos a sua presença por aqui.

Com muitas lembranças e a certeza de um próximo reencontro.

Teu Fritz Janowski.

A Álgebra de F.I.C. | Carlos Leiman a Reynaldo Purim

Cachoeiro do Itapemirim, 15-03-17

Querido Reini1,

Alegro-me de coração por você já estar tão longe a frente e quanto ao mais Deus proverá. Ordena ao Senhor o teu caminho e espera N’Ele e Ele tudo fará.

Reini, sei que está novo e tudo aí é desconhecido, mas quero e preciso pedir um grande favor, que é comprar uma Álgebra de F.I.C. (pelo Dr. Eugenio de Barros Raja Gabaglia) de algum colega ou pedir a algum colega para dar um passeio e aproveitar procurar nas grandes livrarias onde deve haver.

Outra opção seria conseguir nos sebos, será melhor, e a importância em dinheiro mando através da Casa Publicadora Batista para não dar mais trabalho para você. Ainda para complicar eu tenho pressa; se pudesse fazer isso tudo até segunda-feira 19 ou 20 seria ótimo.

Carlos Leiman

Para outros assuntos não tenho tempo.

* * *

1. Reini, o mesmo que Reynaldo. Às vezes aparece como Reynold, Reinholdo e outras variações.