…Nos profetas de plantão que falavam… | de Lucija Purim para Reynaldo Purim – 1928

Rio Novo 21 de agosto de 1928

Querido irmão Reinaldo!!

Há pouco tempo atrás recebi a tua carta escrita em 19 de junho e por ela muito obrigado. E também já foi recebida aquela carta para o Arthur com as fotografias. Muito obrigado também.

O que eu não pensava que nesta boa América ficasse tão velho e tão magro realmente parece um “padre” e se tivesse óculos poderia ser um “doctor”, mas deixa pra lá.

Nós graças a Deus estamos todo bem de saúde e trabalhamos tanto quanto podemos. Teríamos mais o que fazer, mas o tempo está chuvoso demais. Este ano foi um ano de temporais fora da conta. Diversas vezes houve grandes enchentes e agora semanas atrás começou a chover no dia 10 de manha e parou somente no dia 15. Isso mesmo que foi chuva. Foi um temporal qual eu nunca havia visto na minha vida chover os 6 dias sem parar. O sol não conseguia aparecer e a chuva era bastante fria e este tempo foi muito prejudicial para os animais que não tinham onde de abrigar. Muitos cavalos de propriedade dos italianos morreram congelados e os nossos animais todos tinham abrigo eram alimentados ficaram um tanto enrijecidos imagine aqueles que não tinham nenhum telhado para se abrigar.

Quando o tempo começou a melhorar tudo ficou mais alegre, pois quase nós estávamos começando a acreditar nos profetas de plantão que falavam que este ano a América do Sul iria afundar no mar e também havia profetas que diziam que uma guerra iria começar no dia 28 de maio. E o mês de maio passou e guerra nenhuma começou e assim todas estas previsões são de pessoas que falam e é só Deus que faz.
Este inverno não foi forte, várias vez deu geadas maiores, mas estas não prejudicaram tanto quanto em outros anos. Agora que a primavera está chegando temos que começar a plantar. Agora nos estamos derrubando o capoeirão perto do “Kanels” [a encruzilhada no alto Rio Novo era assim chamada devido a um colossal tronco desta madeira] onde está bastante crescido, pois desde que você foi embora nós não plantamos mais nada ai e por isso ele está infestado de cipoal e espinheiros que torna a derrubada muito difícil, eu estou com as mãos doendo. Fazia tempo que eu não trabalhava em derrubadas e agora tive que voltar. Nós também estamos contratando camaradas para trabalhar, mas está muito difícil conseguir boas pessoas, pois todo mundo está ocupado. A melhor opção seria contratar uma mocinha para ajudar em casa para todo mês, pois uma garota tanto em casa com na roça faz tanto quanto um empregado homem. Alguns anos atrás tínhamos a Maria do Maneco, mas no ano passado ele voltou a morar com a sua família e agora eu falei para ela voltar e ela disse que iria pensar. Ela era muito operosa e sabia fazer todos os serviços. Não bebia nem fumava como outras manecas (manekenes) costumam fazer.

O milho já faz tempo que terminamos de colher. Deu 37 carradas inda porque tínhamos plantado menos que noutros anos, mas este ano as espigas foram realmente maiores e bem regulares. Está até difícil achar as espigas pequenas (restolhos) destinados à alimentação dos animais que até agora no inverno era necessário. [não é possível dar espigas grandes para as vacas por que elas têm o hábito de engolir sem mastigar e ai ficam engasgadas ou afogadas]
Agora nós não estamos plantando tanto com antigamente, pois agora plantamos somente 5 quartas [4 Quartas dá um alqueire e 2 Alqueires dão 1 saco de 60 quilos] e nós antigamente plantávamos 15 quartas e hoje plantamos menos e colhemos a mesma quantidade e é claro que a capinação e os cuidados são sempre maiores, mas agora realmente as colheitas são bem melhores.

Agora está morando conosco a Lídia Klavim Que está indo à aula aqui na Igreja de Rio Novo, porque eles moram muito longe quase na Invernada e para ela vir para a aula fica difícil e por isso eles estão pagando pensão pra ela aqui. Ela gosta muito de conversar e fica falando o dia inteiro. Ela pediu para escrever que o irmão dela não escreve pra você porque é muito preguiçoso. Ele só pensa em sair e construir atafonas e engenhos. Ai ele ganha 10 mil réis por dia e mais a comida e lugar para dormir. Mas quando não tem serviço ele fica em casa. Aquela fotografia do Coro que eu mandei ele não aparece porque ele estava fora. A Senhora Klavim esteve muito doente e saia sangue pela boca e muita gente achou que ela iria morrer, agora sarou de tudo e está bem mais gorda [Ser gordo naquela época era sinal de saúde]. Agora ela vai à Igreja e faz visitas pelas vizinhanças. Ela manda muitas lembranças para você.

No próximo primeiro domingo de mês que vem haverá batismos Aqui na Igreja incluindo os filhos da Maria Thomaz do Rio Larangeiras e as noras dela. Também haverá batismos em Laguna onde 8 candidatos estão à espera. O trabalho lá é pequeno, mas está indo pra frente graças também ao trabalho do Pastor Stroberg que periodicamente viaja pra lá e também para Mãe Luzia. Aqui na Igreja apareceram algumas desavenças e existem pessoas que não podem passar sem elas. Não entendem que a proclamação do Evangelho e a salvação de almas deve ser a missão principal da Igreja. Acham que o Pastor viaja muito.

O Rio Novo está ficando cada dia mais vazio. O povo não quer mais morar aqui. Agora são os Match que estão indo embora para a Argentina, A Milda casou com um senhor argentino muito rico e que tem uma casa muito grande e outras casas e terrenos sem fim. Aqui os velhos sozinhos e cada vez mais velhos seria muito difícil sobreviver. Vão pra Argentina cuidar do Elias o filhinho da Milda e exercer a função de Vovô e de Vovó. Quem garante que quando crescer também não vire um profeta…

Os Matchis venderam a sua propriedade com casa [Na sala desta casa em 1940 eu tive o primeiro encontro com letras e números, pois ali foi a minha primeira sala de aula com a professora a Dª Matilde Tezza, mas isto já é outra história], moveis tudo de porteira fechada para o Eduardo Karp por 10 contos de réis. Agora ele tem onde ir morar. E é provável que ainda este ano eu também possa ir morar lá. O lugar é muito bonito . Um dos lugares mais lindos por ai. É provável que Deus tenha providenciado este lugar para mim.

Bem por hoje chega, já escrevi esta longa carta. E agora está batendo meia noite. Hoje à noite eu fui ao trabalho da Igreja e ai comecei a escrever. Quem começa tem que terminar. Os demais estão há muito dormindo. Eu também estou com sono. Como faz tempo que não recebemos noticias suas espero receber amanha quando for à cidade. Lembranças do Onofre Regis e família.

Muitas lembranças de Mamãe, Papae e minhas.
Lucija

Agora nos estamos passando suficientemente bem. | De Lucija Purim para Reinaldo Purim – 1927 –

Rodeio do Assucar 27 de julho

(Não esta grafado o ano, mas pelo contexto infere-se ser de 1927).

Querido irmãozinho!

A tua carta escrita em 19 de maio recebi. Muito obrigado. Agora o envio e recebimento de cartas não são como antigamente como quando você morava no Rio de Janeiro, pois naquele tempo as cartas iam e voltavam rápido, mas agora demoram até 3 meses ou mais e quando elas se desencontram ai a gente cansa de esperar por elas e às vezes passa o mês sem que a gente receba carta alguma.

Nós agora estamos passando suficientemente bem. Todos mais ou menos sãos, agora eu peguei uma tosse muito forte, mas não fui para a cama. Na semana passada sim o Paps foi para a cama, mas agora já está bom. No final do mês passado o Arturs ficou doente com a febre [Deve ser malária, pois esta doença era comum ainda quando eu era pequeno e morava lá.]. Ficou de cama algumas semanas e tanto que eu tive que ir a Orleans em busca de remédios para ele, então depois ele sarou, mas a febre está atacando a muitos por ai.

Agora o tempo está bom e está frio, já faz quase um mês que o tempo se mantém bom e muito frio e toda manhã amanhecia tudo branco. Agora tudo está morto queimado pelas geadas. O gado não tem nada verde para comer. Agora na semana passada ficou um pouco mais quente e no sábado a tarde veio uma chuva, mas no outro dia que o tempo amanheceu limpo e está geando outra vez. Estou um tanto cansada de tanto frio e gostaria que fosse um pouco mais quente, mas nem tudo que uma pessoa quer nem sempre acontece. Um inverno frio como este fazia muito tempo que não acontecia como está sendo este ano. Deverá haver a partir de agora um bom verão. Não deverá haver tantas lagartas e besouros que comem as plantações e assim podem se desenvolver melhor. Aqui os italianos dizem que se não há um inverno rigoroso, então no verão nada se desenvolve bem. Agora eu não concordo inteiramente porque no ano passado não tivemos um inverno frio e as plantações para nós foram ótimas.
O milho já está todo colhido e guardado nos paióis, portanto poderemos tranquilamente comemorar a Festa da Colheita. Este ano o milho desenvolveu-se muito bem e muito melhor que no ano passado, pois colhemos 35 carradas [Em um carro de boi cabiam x jacás ou balaios de milho tanto se fosse usada a seve que era uma cobertura lateral e também frontal fixa aos fueiros feita de taquara e cipó de um metro de altura fazendo com que o aproveitamento da mesa do carro de boi fosse totalmente otimizada para o transporte do mesmo ou se fosse usada a armação gradeada de madeira que tinha a mesma finalidade, mas em vez de ser uma peça flexível era composta de duas laterais com encaixes apropriados para duas tampas uma dianteira e outra traseira, mas também fixada nos mesmos fueiros.] e em todas as roças as espigas eram grandes quase não sobrando restolhos [Restolho era uma segunda espiga do colmo ou uma não bem desenvolvida usada naquele tempo para alimentação das vacas e isso era feito enquanto eram ordenhadas. Não eram dadas espigas grandes porque elas podiam engasgar e se afogar. Naquele tempo lá não existiam os desintegradores e quando não havia espigas pequenas as normais eram cortadas com facão ou machadinha. Como o milho era armazenado do modo que chegava da roça era feita catação na hora da necessidade e muitas vezes quando a noite no escuro devido a falta de luz a avaliação era feita baseada no tato] para alimentar as vacas.

No mês passado no dia 26 morreu o velho Auras, ele ficou doente vários meses. A doença dele começou com um resfriado e apesar dos familiares acharem que ele iria sobreviver e ficar bom, pois ele não era tão velho, pois tinha somente 56 anos de idade, mas agradou ao Senhor leva-lo para a sua nova habitação e a sua glória. Resta o desconsolo dos familiares e amigos.

O pastor Stroberg na semana passada esteve em Mãe Luzia acompanhado de músicos e cantores que foram dar apoio ao seu trabalho. Depois foram também à Laguna também fazer trabalho de evangelização. Voltaram para casa muito felizes porque o trabalho foi um sucesso. Em Laguna eles foram agraciados com a cessão do Teatro inteiramente grátis então houve um grande auditório de gente atenciosa e ainda solicitando para que fossem outras vezes. Também tiveram um grande apoio de uma distinta família presbiteriana que ajudou a providenciar o auditório e divulgar as atividades. Para o pastor Stroberg as portas estão abertas em toda parte e só ir trabalhar, mas como pode uma pessoa sozinha fazer tudo e ainda mais complicado devido as grandes distâncias e assim dificulta o acesso.

Na semana que vem é esperado o Missionário Deter aqui. Vamos ver se vem mesmo, pois algumas vezes têm prometido e não tem conseguido vir.
No dia 22 de junho viajou para o Rio de Janeiro o Alexandre Klavin acompanhado o Wiktor Staviarsky. O Alexandre vai para o Colégio aprender ser Professor.
——————————–
Então depois de passado um bom tempo que eu comecei escrever esta carta, já há mais de um mês então tenho que continuar. Na semana passada recebi a tua carta escrita no dia 24 de julho e por ela muito obrigado e fiquei feliz por que você respondeu rápido. Eu nunca tinha sido tão preguiçosa como agora, mas também não vou ficar me desculpando como faz a Lilija [Lilija Purens a prima de Nova Odessa] Tenho ouvido falar ai por outras pessoas que a Lilija ficou noiva de um Fulano de tal, mas para nós ninguém escreveu nada. Vou ter que escrever e perguntar se é assim mesmo.

A festa de aniversário da Igreja [O aniversário da Igreja era dia 20 de Março]foi muito boa, o programa bastante extenso. Chovia torrencialmente, mas o templo ficou repleto e quando tem café grátis com acompanhamentos então ainda mais fácil vir muita gente. Tinha 3 visitantes de Mãe Luzia e um de Kuritiba que é o pastor de lá o Djalma Cunha, Ele trabalhou muito no Norte do Brasil e estudou no Seminário Teológico de Recife e agora está em Kuritiba. Ele é bastante jovem e ativo tem 33 anos e a cor morena queimada pelo forte sol do Nordeste. Ele veio uma semana antes da Festa, sem ninguém estar esperando e foi embora uma semana depois. As lições que o Pastor Djalma Cunha ofereceu no Instituto Bíblico foram ótimas e valeu a pena mesmo, lamentável foi que coincidiu com a época das grandes enchentes, pois chovia sem parar e assim muitas pessoas não puderam vir. Também havia planos para fazer cultos de evangelização em Orleans e pelo mesmo motivo deu em nada. O Pastor Djalma prometeu voltar no mês de outubro por ocasião da Festa de Aniversário da União da Mocidade e também quer apresentar um Curso baseado no livro “Manual da Mocidade”.

Depois do Instituto no dia 22 de março houve o Casamento do Willis Slengmann com a Elvira Salmin Stroberg que era viúva. Então você pode imaginar todo povo marchando num imenso lamaçal para a casa dos Slengmann. Agora eles não moram lá dentro onde eles moravam antes e sim desceram para lá um pouco acima do passo do Rio Novo [Neste lugar onde os animais, carros de boi, arranhas e galeotas passavam por dentro d’água. Somente os pedestres e os cachorros passavam por uma pinguela. O meu pai que trazia mercadorias da Estação da Estrada de Ferro para a venda do Tio Eduardo Karp neste lugar muitas vezes teve que passar toda mercadoria nas costas devido o rio estar cheio demais].
Já no meu tempo quem morava ali era o Eugenio Elbert casado com a Alida Slengmann e continuavam com a atafona moendo milho, sal, etc. e também tinham uma trilhadeira onde nós levávamos trigo cortado para ser debulhado. [Ao redor da casa havia muitas árvores europeias como bétulas, plátanos etc.]. Ele mora agora onde o outro Slengmann tinha uma atafona junto ao Rio Novo onde que a gente sempre tem que atravessar.

Durante a Páscoa o tempo esteve bom e muito quente como fosse pleno verão, raramente houve calor assim, mas depois começou a chover outra vez. As Festas da Páscoa transcorreram calmas por que o Pastor tinha ido a Mãe Luzia e nós aqui ficamos sem o Pastor. Ele ainda foi a Laguna. Em Laguna o trabalho vai em frente apesar de com tanta rapidez não é possível fazer obras grandiosas. Se lá tivesse um obreiro fixo então teria muito mais oportunidades de que o trabalho fosse para frente rápido e não como hoje quando as viagens são quase esporádicas. O Pastor Stroberg tem muito trabalho então ele convide e convoca outras pessoas para o auxiliarem, mas as dificuldades são que muitos lugares são distantes e de difícil acesso. Na semana que vem o Pastor planeja ir, a Urubici, no outro lado das Serras. Ele quer visitar os Grikis e os velhos Bruvers. O mano Artur está planejando ir junto e vamos ver se vai mesmo.

Não me lembro se já escrevi sobre o casamento do Werner Grikis com a Elza Sanerip no dia 30 de setembro do ano passado.

A senhora Klavin da “mata [Mejza Klavene – Distingue a Senhora Klavin que morava no Rio Novo (Katy) da outra que morava lá no interior da Invernada –nas matas. Esta senhora era da família Malvess e antes fora casada com o Simpson que depois de viúva casou com o Klavin.] está muito doente e não sei se vai sobreviver, ela sempre foi um pouco doente, mas não tão gravemente com agora, pois agora sempre está de cama.

Junto com esta estou mandando uma fotografia de um piquenique no pasto do Augusto Felberg e a outra é do coro da Igreja do Rio Novo. Agora não está mais tão grande. Você ainda pode reconhecer alguém? Quem está sentada ao lado do Osvaldo Auras é a Lídia Stoberg irmã do pastor.
A terceira fotografia a pessoa [Deve ser do Eduardo Karp, naquela época, namorado dela.] que aparece se você não a conhece não tem importância ele também quer conhecer você melhor e manda muitas lembranças e votos de bem estar.

Se na América onde você está tem pêssegos e melancias deliciosas então mande as sementes para nós plantarmos aqui. Tudo o que for bom e barato pode mandar. Também cartões e outras publicações onde aparecem os lugares onde você está também pode mandar. Quando você vem para casa? Pelo que eu deduzi das suas últimas cartas você está pensando vir para este lado.
Bem desta vez chega de “imprimir”, pois já está uma longa carta e eu também não tenho mais papel. Aquela carta escrita para o Arthur foi recebida há muito tempo. Ainda lembranças de todos aqui. Agora fico aguardando longa carta sua. Lucia.

(Escrito na lateral)
O endereço do tio André é o seguinte:
Ratujza Iela N.17 – Jaunjelgava – Latvija.
_________________________________________

A Festa do Aniversário da Igreja foi um sucesso. | De Lucija Purim para Reynaldo Purim – 1927 –

Rodeio do Assucar 23-3-27

Querido maninho! Saudações!!

A tua carta escrita em 31 de janeiro eu recebi no dia 19 de março pela qual o meu muito obrigada. Esta carta realmente demorou muito para chegar. Ela foi postada em Louisville e não sei se não ficou parada muito tempo no correio de lá.

Agora nós estamos bem e todos com saúde. O tempo está assim quente e chuvoso. Semana passada sim choveu demais e todos os riachos estão urrando de tanta água. Esta semana apareceu algum sol pela manhã e chove também à tarde. Agora estamos cortando arroz que este ano não está estas coisas. Durante duas semanas justo na floração fez uma seca e calor que prejudicou muito. Os italianos estão dizendo que não vale a pena colher, mas o nosso não está tão ruim assim. Vamos ter suficiente para fazer belas sopas. Este ano as demais culturas estão vindo muito bem. O milho está com espigas bonitas e as ventanias pouco derrubaram. Somente no Rio Novo um pouco. Este ano houve diversas tormentas que destruíram muitas roças pelas vizinhanças, mas as nossas roças ficaram intactas.

Agora o Stroberg [Pastor Karlos Stroberg] está de volta, chegou dia 24 de fevereiro agora acompanhado de sua esposa. Na outra noite teve a festa de Recepção que apresentou um programa muito bonito. Teve hinos, poesias, sermões, etc. Quem dirigiu foi o Zeeberg. Após esta parte teve café pão e bolos. O Stroberg não vai voltar mais a Escola, pois já acabou o Curso e agora é tempo de trabalhar. Ele foi a Mãe Luzia e na volta parou em Tubarão onde foi organizado um culto em brasileiro, aliás, muito concorrido. Todos homens do Governo e da Justiça estiveram presentes e ouviram com muito respeito e ainda pediram que voltassem breve.

O Oscar de Oliveira deixou as suas transações com a Igreja Católica e trabalha firmemente contra ela e ainda quer participar de nossa Igreja aqui. E só o Stroberg querer ir trabalhar que oportunidades não vão faltar, pois existe um grande campo em toda redondeza onde deve ser pregado o Evangelho.

A Festa de Aniversário da Igreja no domingo passado também foi um sucesso. O tempo estava bom pela manhã e logo depois da Escola Dominical começou o programa. O templo da Igreja estava cheio, Brasileiros, italianos, grandes personalidades de Orleans. Vieram três automóveis de Orleans que antes nunca tínhamos visto. O programa foi longo e foi dirigido pelo Stroberg que falou em leto e em brasileiro. O café com pães e bolos também foi delicioso, pois foi feito pelo Zeeberg e pelo Jekabs Karkle.

Para mim pareceu que você ficou assustado com as notícias da minha última carta. Bem eu faço questão que você escreva e dê a sua opinião sobre este assunto, pois fico satisfeita e alegre que uma pessoa mais experiente que eu, pois eu não quero tomar nenhuma atitude sem consultas e consenso. Não concordo com a premissa que o Eduardo [ Eduardo Karp o pretendente] seja ruim, quanto eu conheço e que os outros dizem ele é uma pessoa muito inteligente. Você afirma que ele não pertence à Igreja e sobre isso eu também tenho pensado, mas quando você tivesse a oportunidade de conhecer os outros jovens que são da Igreja então você diria que eles nem sabem o que é uma Igreja. Falam mal, e ainda comportam-se pior que muitos de fora. É claro que não são todos como, por exemplo, alguns filhos do Karklim se eu tivesse que procurar alguém deles melhor nenhum.
Obrigada pela promessa de ajudar-me, agora estou com o pensamento de esquecer tudo isso e ir para a Escola, pois até agora nunca tivera oportunidade e não sabia que poderias me ajudar. Ainda não tenho nada definitivamente decidido, mas na próxima carta eu escrevo mais e assim poderemos definir as alternativas por isso não quero que fique preocupado, pois tudo vai dar certo, pois eu não sou uma sonhadora deslumbrada que não pensa no futuro.

Ainda muitas lembranças de todos nós aqui. Luzija.

[ Parece que o Reynaldo para tirar a irmã da jogada acenou com a possibilidade dela ir estudar]
_____________________________________

DR. REYNALDO PURIM – DADOS BIOGRÁFICOS | POR JOÃO REINALDO PURIN – 4ª PARTE

DR. REYNALDO PURIM
Memórias de seu sobrinho João Reinaldo Purin
4ª Parte

Sua rotina semanal:
Aos sábados: Bangu, onde, tomava as providências, fazer visitas, reuniões, programa especial à noite. Domingo o dia inteiro, Escola Bíblica Dominical, culto, almoço em casa de alguma família escalada, mais visitas, trabalho evangelístico ao ar-livre, culto a seguir. Tudo terminado tomava o trem e vinha para a cidade para as suas lides da semana. Quarta-feira à tarde, novamente Bangu e assim sucessivamente. Só quem conheceu os trens e os bondes daquela época pode calcular o sacrifício que era.

Um ano ele enviou para nós, pelo correio, um pacote com livros, em sua maioria de Monteiro Lobato: História das Invenções, Aritmética da Emília, Emília no País da Gramática, Serões de Dona Benta e outros. Foi uma alegria e também oportunidade, uma vez que gostávamos muito de ler, pois lá no sítio poucos recursos tínhamos para obter livros.

Certa vez, no dia seguinte à sua chegada em Rio Novo, após o café da manhã, ele foi logo dizendo: “calça velha, calça velha e um chapéu de palha”. Seria uma calça remendada de meu pai que era mais baixo que ele. Ficou uma “figura”. Queria logo ir com a gente para a roça capinar ajudando na lavoura. Como o sol era muito quente ele ficava com os braços queimados. Lembro-me de que ele próprio tirava a pele dos braços em longas tiras secas. Tudo isso era contra a nossa vontade, pois viera para descansar. Mas ele não era de ficar parado. Isto também era, para ele, uma boa higiene mental. Aos domingos ele pregava e também em algumas noites, à luz dos lampiões, no templo da Igreja Batista local em Rio Novo.

Lembro-me de que ele, com a mania de professor, sempre andava com lápis vermelho no bolso para corrigir as provas. Assim é que pediu logo os nossos cadernos da escola primária. Foi logo achando o que corrigir e reclamar da professora que não corrigia direito os seus alunos.

Houve um ano em que ao chegar em casa e abrir a mala nós, os meninos, vimos que ele trouxera um exemplar cinza-azulado de “Admissão ao Ginásio”. Supúnhamos que ele tinha intenções de levar algum dos sobrinhos para internar em um colégio no Rio ou em algum outro lugar. Passados alguns dias ele começou a nos dar aulas das matérias ali contidas: Português, Matemática, História, Geografia. Mas como ninguém cobrou nada dele, ficou por isso mesmo. Assim como veio, deixou o livro e voltou para as suas lides no Rio de Janeiro.

Nas suas férias gostava muito de apreciar a natureza. Ficava impressionado com o verde exuberante do sítio.
Mas reclamava de que meu pai e a família precisavam se organizar e viver dentro de um orçamento fixo. Não adiantava argumentar que as colheitas eram muito incertas e que os imprevistos eram constantes. Como solteirão e não tendo filhos, ele podia viver desta forma; mas para uma família na roça, dependendo da lavoura, isto era impossível. Mas quem para convencê-lo?

Também não queria que derrubássemos as matas virgens, pois, havia uma área muito boa, um chapadão com mata nativa e que poderíamos cultivar uma excelente área para boas plantações e colheitas. Entretanto, tínhamos que fazê-las em encostas e já muito gastas pelos anos anteriores e erosões. Às vezes as chuvas eram muito fortes e lá ia tudo água abaixo.

De longe, ele exercia forte influência sobre a nossa família que o respeitava e considerava. Entretanto, o tempo passou e tudo lá ficou.

No Rio de Janeiro

A minha primeira experiência com o tio Reynaldo no Rio de Janeiro foi já no ano 1958, quando já estava estudando em Curitiba. Eu era o coordenador da Organização Embaixadores do Rei no Paraná. Então fui convidado, com tudo pago, para participar de um Congresso Nacional no Sítio do Sossego em Rio Dourado, Estado do Rio. Como o trem da Leopoldina iria partir numa segunda-feira, viajei de avião pela primeira vez, chegando ao Rio no sábado, já bem de noite e fui logo procurar o Colégio Batista na Tijuca onde a meninada estaria se encontrando. Assim foi. No dia seguinte, procurei ir a Bangu. Tomei todas as informações e depois de muitas voltas cheguei à estação de Bangu. Procurei pela Rua Silva Cardoso e me informaram que era a próxima abaixo. Queria o número 279. Fui caminhando e encontrei uma casa velha e adaptada bem simples. As classes da Escola Dominical já estavam voltando para o culto. Era gente que não acabava mais. Assentei-me bem atrás e uma senhora logo veio falar comigo, perguntando se era crente. Respondi que era sobrinho do pastor, mas que era surpresa e não queria que ele soubesse. Assim foi. Logo pude ver o Tio lá na frente. Terno azul-marinho. Ao se por de pé, no púlpito, lançou seu olhar de quase 180º, e o silêncio total. Como que abraçando o púlpito que era próprio para a altura dele, colocou o seu dedo indicador da mão direita em riste, todos ficaram em pé. Anunciou o primeiro hino, e assim o culto transcorreu. Mensagem simples, de ótimo conteúdo bíblico. Era impressionante como ele prendia a atenção de todos até o fim da mesma. Todos prestavam atenção. Não queriam perder o pensamento até o fim. Quando o culto acabou, fui me encontrar com ele que foi dizendo “mas você por aqui?” Logo falou com a família que iria dar o almoço para ele e pediu que “colocasse mais água no feijão…” Pude notar o quanto era querido e considerado por todos.

Naqueles tempos ele já morava no bairro do Rio Comprido, à Rua Sampaio Viana, 46, propriedade do Maestro Arthur Lakschevitz. Ele morava em cima de uma garagem onde funcionava a gráfica desse irmão. Nela eram confeccionados os Coros Sacros, a Revista Teológica do Seminário do Sul e impressos para as igrejas. Lá em cima eram dois cômodos. O da frente, o maior, era a biblioteca, cadeira, escrivaninha e de tudo o mais. Na parte de trás era a cama e outras coisas do seu dia a dia. Como ele sabia que iria chegar, estava me esperando na calçada. Assim me fez entrar. Subimos pela escada que ficava nos fundos. Foi logo me mostrando a sua famosa tese de doutorado em filosofia. Estava embrulhada em vários papéis, inclusive um contra incêndio e outro contra umidade. Lembro-me que, talvez pela emoção, acabou quebrando o vidro ao fechar o armário.

Depois, em junho/julho do ano 1960, foi quando aconteceu o X Congresso da Aliança Batista Mundial. Fui o responsável pelo grupo que foi de ônibus de Curitiba. Ficamos alojados no Edifício Love no Colégio Batista. Logo nos encontramos e gostava muito de que estivéssemos juntos. Como ele sempre gostou de aproveitar bem de tudo, não participou como dirigente de nenhum grupo ou como intérprete que bem poderia ter sido. Gostava sempre de procurar um lugar próximo a uma caixa de som para não perder nada do que acontecia no Maracanãzinho. A gente ia almoçar no bandejão do SAPS da Praça da Bandeira que hoje já não existe mais.

O Congresso foi indescritível. Tive muitas oportunidades maravilhosas, especialmente no encerramento na tarde do dia 03 de julho, com o Maracanã cheio, o grande coral, Billy Graham pregando e milhares de pessoas manifestando-se ao lado de Cristo.

Continua…

A água da calha não corre mais | De Lucija Purim para Reynaldo Purim – 1921

Rio Novo 28-7-1921

Querido irmãozinho!

Primeiramente envio muitas lembranças. Recebi a tua carta escrita em 23-6-21. Muito obrigada.

Nós estamos passando bem. O tempo está bom e quente.

Na segunda e terça passada, choveu muito pouco, o suficiente para molhar as estradas. A água na calha [ Fonte que trazia água da nascente] não corre mais.

O milho terminamos de colher e transportar no dia 19 de julho. Tínhamos começado no dia 13 de junho no dia da festa do Santo Antônio que é dia santo para eles, no Barracão [Barracão é um vale paralelo com o Rio Novo no lado leste]. Teríamos terminado antes se não fora tão frio e chuvoso naqueles dias. Despejamos 206 cargas no paiol principal e como ele estava super cheio tivemos que por mais 35 cargas naquele paiol pequeno e por este tempo todas espigas pequenas que este ano não foram muitas foram dadas direto para o gado. Você bem pode avaliar o duro trabalho de apanhar o milho, de juntar e trazer nas costas até a trilha e dos cavalos trazerem para casa. A grande vantagem deste ano que naqueles dias que nós trazíamos, não havia lama nos caminhos, como fora nos outros anos.

O feijão agora está com bom preço. É provável porque vocês acham que agora começaram a gostar de comer o feijão daqui. Nós também levamos as nossas para vender. O pessoal da vizinhança vendeu por 10$000 a saca e nós quando chegou a 16$000 resolvemos vender duas sacas pensando que não fosse subir mais, mas nesta mesma semana foi para 20$000 então levamos mais 5 e ½ sacas. Agora você mesmo pode calcular quanto deu no total.
Quando começaram a pagar 20$ então o pessoal levava o feijão durante o dia e noite e mesmo durante as grandes geadas, mas agora o barulho cessou e é provável que tenham levado tudo.

Desta vez não vou escrever muito porque você não tem tempo para ler cartas longas.
Mas quero anunciar que logo vai começar a festa da colheita da cana para fazer açúcar. Então não se demore lendo cartas e deixe tudo por lá e caia na estrada.
Logo o nosso meeiro, o Augis [Augusto Feldsberg], vai começar a fazer açúcar em nossa fábrica. A nossa cana ainda não foi cortada. É possível que comecemos dentro de algumas semanas, pois não temos a pressa dos outros pois a nossa cana está num lugar alto e nada sofreu com a geada como as dos outros. Então você terá tempo de chegar até aqui para tomar garapa, lamber o melado e comer o açúcar.

Bem desta vez chega. Agradeço você ter mandado as cordas do violino e os jornais. Agora eu tenho cordas suficiente para o violino, mas quando faltar eu escrevo para você comprar.

O Arthurs hoje não vai escrever porque não atirou em nada e nada de importante não tem o que escrever.

Pois tenho que terminar mesmo, pois tenho que ir dormir, pois os outros todos estão dormindo.

Ainda muitas lembranças de todos. Luzija.