Alegro-me por você estar passando bem e espero que assim continue. | De Reynaldo Purim para Artur Purim – 1925 –

[Trecho de rascunho de parte de uma carta datilografada do Reynaldo Purim para o seu irmão Arthur em Rio Novo]

Rio de Janeiro, 2 de Julho de 1925.
Querido Arthur!

Saudações. Recebi a tua carta escrita no dia 8 de junho. Obrigado. Faz tempo que estava aguardando notícias suas e finalmente chegou. Aquele grande documento parece que tenha se extraviado ou pelo menos não chegou até agora. Certamente teria sido grande demais e os correios não conseguiram trazer. Pode ser que ainda chegue.

Alegro-me por você estar passando bem e espero que assim continue. Quanto ao que refere comigo estou suficientemente bem, apesar que muitas vezes sinto-me exausto porquê o trabalho é demais. Quanto ao resto, estou indo bem e nada a reclamar. O tempo aqui agora está bom e algumas vezes um pouco frio. Até eu acho um pouco frio quando sopra forte o vento sul, mas não significa que possa ficar congelado. Por causa disso não precisa se preocupar. Durante as noites me cubro com os dois cobertores e por isso não precisas te admirar, pois nós aqui dormimos no segundo andar sempre com as janelas abertas. Isso tudo faz parte do cuidado com o corpo. Dormir em quarto fechado não é saudável. Se você não sabia podes aprender agora. Tem gente por aqui que reclama muito do frio, mas, isso é, porque eles nunca sentiram frio em sua vida e nunca realmente ficaram congelados.

Você me escreve pedindo mudas de mandioca. Ainda não fui ao Ministério da Agricultura procurar mudas e sementes. Esta semana não poderei porque tenho ir aos cultos toda noite em Pilares e durante o dia estou por demais ocupado. Mas na semana eu tentarei ir buscar alguma coisa porque o tempo de plantar está próximo. O Ministério da Agricultura é longe daqui, pelo menos uma hora de bonde, perto do Pão de Assucar e lá pelo menos até agora para aqueles lados nunca fui ainda. Você me chama para ajudar a fazer a farinha de mandioca. Obrigado pelo convite. Você me convida quase no momento que já está fazendo e se eu fosse agora, estaria tudo pronto e não teria mais nada para fazer. Noutra vez você deve fazer o convite com mais antecedência e não deixar para o último momento.
Agora recentemente faleceu o maior pregador presbiteriano do Brasil, Dr. Álvaro Reis. Ele era um grande orador e também grande escritor. Morreu a noite deu aula em uma classe eu não sei aonde até as 10 horas da noite e depois foi para casa dormir. Acordou às 2 horas da manhã doente. Despediu-se da esposa (que é surda-muda) e outros familiares e as 4horas da manhã veio a falecer. Antes de morrer começou a cantar o seu hino mais querido (512 do Cantor Christão) e cantou até a penúltima estrofe e dai ele parou e morreu… Começou a cantar nesta vida e terminou na verdadeira morada. Esplêndido! Estive no culto de despedida qual foi realizado no grande templo onde o falecido serviu por longos anos como pastor. Gente tinha demais. Mais de mil pessoas de perto e de longe, muitos oradores muitas coroas lindas e elaboradas, enchendo todas galerias, calculo que sejam mais de cem com muitas mensagens variadas. Entre outras coisas a grande congregação cantou aquele hino que ele não conseguiu terminar estando ainda nesta vida. Tudo isso causou profunda impressão. O cortejo do funeral também foi grande e impressionante, centenas de carros seguiam o carro fúnebre. por onde passava toda atividade cessava. Não pude ir ao cemitério. Lá também houve um grande programa nestes últimos anos tem morrido muitos pregadores…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s