…quando estiver passando pelas antigas paragens por favor não passe de largo.| De F. Janowoski para Reynaldo Purim

Rio Branco 19 de novembro 1925
[Rio Branco ficava perto de Jacuassu, entre Massaranduba e Bananal]

Caro irmão Purin:
Que a Paz do Senhor seja contigo!
Já passou longo tempo que nada tenho escrito para você. Também nada mais de perto sei sobre a tua vida. Se continuas a estudar, se você ainda continuas ai no Rio para estabelecer ai a tua vida, ou vais escolher outras paragens para o seu campo de trabalho. “Se ainda nada tiver definido, então na qualidade de uma pessoa que o considera como inesquecível amigo gostaria de pedir: “Venha para Santa Catharina e ajude-nos” porque nós aqui em Santa Catarina não temos nenhum obreiro residente, mas” Os Campos estão Brancos para a ceifa”. Esta afirmação posso assegurar com experiências pessoais.
Agora eu sou membro da Igreja Batista Brasileira de Joinville. Ela é uma pequena e nova Igreja com os membros espalhados por todos os quatro ventos da terra. Mas ela é fogo e onde um membro é espalhado, lá surge um novo foco incendiando toda a sua área de influência. Nós já temos 6 Pontos de Pregação e onde na medida de nossas possibilidades nós nos esforçamos em visitar e apoiar. As pessoas estão abertas a freqüentar e ouvir com toda atenção e reverência a Boa Nova e em muitos corações tem sido abertos e a Palavra tem operado maravilhosamente. De todos os lados e cantos somos convidados com a maior insistência e esperados como os mensageiros de Boas Novas. Mas não há ninguém para ir. Não há ninguém para ser mandado. Esta situação oprime por demais o meu coração.
O Irmão Leimann na medida de suas possibilidades nos visita, mas ele esta por demais sobrecarregado de trabalho e com toda certeza podemos afirmar que ele é um lutador que trabalha por três. Diante destas circunstâncias nem sempre ele consegue nos visitar. Eu também de um modo ou de outro tento fazer alguma coisa, bem , mas você sabe , sou um machado não afiado. O que alguma coisa grande com isso poderá ser cortada?
Finalmente ao terminar quero pedir encarecidamente que quando o teu caminho estiver passando pelas antigas pegadas dirijam-se a estas paragens então, por favor, não passe de largo.
Por favor, mande o seu endereço atualizado.
Com fraternas saudações. Teu amigo
F Janowoski

Anúncios

…A febre está passando, mas estou tomando injeções de quinino.| De Carlos Leiman para Reynaldo Purim – 1925 –

Paranaguá 12 de fevereiro de 1925

Querido Reynold – Saudações

Nem sei que dia recebi a tua carta. Obrigado. Estes últimos dias, a pressão da quantidade de trabalho foi imensa.

Isso ainda mais, faz mais de um mês, que estou sofrendo de febre, (Febre intermitente). Também passei alguns dias, cuidando de problemas da lancha a motor, até que enfim ficou em perfeita ordem. Ainda tive outros acertos com a Capitania dos Portos, graças a Deus que tudo terminou, quase não conseguia dormir em paz, pensando em tantos problemas.

O Deter determinou por procuração que eu fizesse tudo, pagasse a matrícula e todo resto e agora está tudo em ordem. A febre também está passando, mas ainda estou tomando injeções de quinino.

Amanhã devo sair de lancha para visitar as Igrejas para levantar as estatísticas para apresentar na Convenção Estadoal qual será realizada em maio.

Queria deixar este trabalho aqui, mas até agora não houve possibilidades. O Deter não me larga daqui nem por nada. Honra tem me dado até demais. O que não é bom nem para mim nem para ele. Resumindo ele tem sido um amigo de inteira confiança.

O Cascão foi transferido para Rio Negro. O eu queria para mim, saiu para ele. Agora lá está tudo correndo para baixo. Com a Igreja de Rio Branco aconteceu igual como em Rio Novo. Separou-se. Os que levavam as coisas a sério, saíram, os quem não saíram e não concordam, estão sendo excluídos. Nos cultos, os que se retiraram, estão cooperando com a Igreja de Joinville, a qual recebeu de boa vontade como membros. Já começaram as lamentações, e estão querendo que eles voltem, mas isso será muito difícil.
Dizem que o Butler os tinham enganado, não contando toda a verdade. O Smidts está indo para Florianópolis. Agora aqui está muito quente e chove muito também.
O pastor da Igreja de Rio Novo virá para Curitiba para estudar.[ Karl Stroberg]

Bem por momento chega.

Saudações.

Carlos Leiman

Os nomes deles (dos navios) são: Itaipava, Itaituba e Itaperuna. | De Carlos Leiman para Reynaldo Purim – 1923

Paranaguá 13 de novembro de 1923
Caro Purim
Saudações!
Sei que você está muito ocupado com trabalho e estudos e ainda se aprontando para os exames finais e estou pensando que logo você vai se mandar de viagem para este lado.
Como ainda estarei em Paranaguá. Quando passares por aqui gostaria que me avisasse em que navio tu virás.
Os melhores que vão para Imbituba são os da “Companhia Nacional de Navegação Costeira” e estes navios levantam ferros no Rio nos dias 8, 18 e 28 todo mês. Os nomes deles são: Itaipava, Itaituba e Itaperuna.
Gostaria de encontrar com você e conversar sobre diversos assuntos que estou planejando, já no mês que vem, ir embora, mas não tenho certeza se vai dar certo. São tantos os obstáculos e tanto trabalho.
Na semana que vem espero viajar até Joinville e possivelmente organizar uma nova igreja.
Espero a informação para poder me encontrar com o navio que sai do Rio dia 28 ou dia 8.
Com muitas lembranças
Carlos Leiman

…todo mundo me prometeu amavelmente me apoiar…..| De Carlos Leiman para Reynaldo Purim – 1922

Morretes Pr. 7 de março de 1922

Querido Purim

Saudações.

Chegado de uma longa viagem, recebi a tua carta. Obrigado.

Quanto ao meu trabalho tu deves estar sabendo através de outros letos que te escrevem e que viajam lá para o Rio.

Será que a S.K. [Selma Klavin, mais tarde professora superior no Rio de Janeiro] recebeu?

Para mim mesmo todo mundo me prometeu amavelmente me apoiar agora na condição de evangelista itinerante da Convenção [Paraná-Sta Catharina]. Se vai ser bom ainda não, sei. Vamos ver adiante.

Agora apesar do tempo muito chuvoso estamos na Obra
.
Escreva para Joinville.

Obrigado pelas notícias de Rio Novo. São as primeiras e únicas que eu recebi deles lá.

Saudações do

Carlos Leiman
___________________________________________________________

É a terceira vez que estou tentando ir para lá. | De Carlos Leiman para Reynaldo Purim — 1922

Joinville 10 de fevereiro de 1922

Querido Reinhold

Saudações!

Depois de muitas voltas e andanças ante ontem dia 7 cheguei e agora estamos em casa enquanto as obrigações não forçarem ir adiante.

Tenho me esforçado por todos os meios de ir até o Rio Novo, mas até agora não surgiu esta oportunidade. Também nada sei de meus pais se estão vivos ou estão mortos. É a terceira vez que estou tentando ir para lá. Agora penso que talvez em maio dê certo.

Nós tivemos a Convenção Anual. Grandes Programas. Grandes alvos, tudo estaria bem, mas o Lupers foi transferido para Portugal e o trabalho aqui fica sem ninguém no lugar para o comando.

Daqui da região irão 4 estudantes para o Colégio isto é dois pares e por eles espero mandar aquele Hinário “Skanha Rota”. [Um hinário leto chamado de “A Jóia do Som”]

Agora olho e penso o que começar em um lugar totalmente estranho e onde não tenho nenhuma pessoa conhecida para conversar ou trocar alguma experiência ou planejar algum trabalho.

A Igreja em Rio Branco está muito feliz com a minha vinda para cá. Somente não sei o que pensam os Rionovenses.

Por favor, escreva contando como foram as suas férias.

Escreva para Joinville Sta. Catarina

Com um sincero abraço.
Carlos Leiman
_______________________________________________

…o nosso começou com 5 violinos… | De Roberto Klavin para Reynaldo Purim – 1921

__________________________
22-12-21
Invernada

Querido amigo!

A tua última carta já faz algum tempo que recebi. Mas não consegui responder rápido, pois diversos afazeres vieram atrapalhar. Tive que ir para as Serras ver um trabalho lá e quando já estava aqui em baixo, tive que trabalhar em outro lugar. Mas agora esta semana estou em casa e assim posso escrever.

Ontem era esperado o Artur Leiman em Orleans, mas se ele realmente chegou eu não sei. Pode ser que você já saiba que a senhora Leiman estava muito doente, a morte mesmo, mas agora está um pouco melhor. O Carlos Leiman também deverá nos visitar aqui e depois ele vai iniciar um trabalho missionário em Joinville.

Agora aqui na Igreja estamos com dois Grupos Instrumentais. O nosso começou com 5 violinos e já nos apresentamos, tocando em algumas vezes durante as festas da Igreja.

A minha vida vai mais ou menos nem tão mal nem tão bem. Quanto à saúde um tanto preocupado e pôr isso quanto o assunto de estudos está pôr enquanto posto de lado, porque pode acontecer comigo o que aconteceu com o Freymann, que nada pode fazer.

O Augusto [ Klavin] que está servindo o exército agora está em Curityba e parece que vai ao Rio Grande para treinar marchas.

Muitas e sinceras lembranças. Felizes e alegres festas e um Feliz ano Novo são votos meus e todos de casa.
Roberto Klavin

… ir embora e deixar o lugar para outros. | De Carlos Leiman para Reynaldo Purim – 1921

Castelo 8 de dezembro de 1921

Querido Purim

Saudações

Hoje recebi a sua carta. Obrigado
.
Tenho viajado acertando as coisas e me despedindo dos irmãos. Não está sendo nada fácil, penso embarcar aqui no dia 18 para pegar outro navio em Niterói para Santos.

E depois gostaria de visitar os meus pais para depois participar das Conferencias da Convenção em Rio Branco. Não sei se tudo dará certo.

Não vou mais trabalhar em Laguna para não assustar os Rionovenses, pois sei que já estão assustados, porque eu vou ficar em Joinville.

Aqui o trabalho aqui se desenvolveu bem. Em todo o meu tempo aqui no estado de Espírito Santo devo ter batizado mais de 500 novos crentes.

Mas eu preciso ir embora e deixar o lugar para outros.

Até outra vista no Rio. Carlos Leiman