O Pastor Stroberg trabalha diligentemente, mas não dá conta de ir a toda parte… De Lucia Purim para Reynaldo Purim – 1928 –

Rio Novo 26 de Janeiro de 1928

Querido irmãozinho – Saudações
Recebi a tua carta escrita no dia 30 de Novembro passado e bem como os cartões e por isso muito obrigado
Não sei o que teria acontecido com as minhas cartas ou não recebestes ou não queres responder. Nós também não recebemos cartas suas, pois a anterior a esta recebemos no mês de Outubro qual eu prontamente respondi. Depois escrevi mais uma carta e como nada acontecia parei de escrever. Fiquei esperando respostas suas e como até agora não tinha resposta às minhas cartas foi motivo suficiente para parar de escrever.
Também pode alguém ter ido ao Correio e apanhado as cartas e devido ao grande interesse e não ter entregado prá nós.
Agora graças a Deus estamos mais ou menos saudáveis, Somente a minha mão direita está inchada e dói, então fica difícil para escrever. Semana passada o Arthur teve febre que o atormentou até que comprei medicamentos e pudemos mandá-la embora.

Agora o tempo está muito quente e chuvoso, pois chove toda à tarde se bem que logo após o Ano Novo esta muito quente e seco e a gente temia que todas as lavouras secassem. Felizmente semana passada começou a chover roncando trovoadas e dando temporais com ventanias derrubando milho nas roças. Nas nossas felizmente o prejuízo foi muito pouco, mas ai pela vizinhança tem muito milho no chão. Este ano parece que o milho vai dar espigas muito grandes e bem formadas. Este ano tudo se desenvolveu muito bem e se você estivesse em casa poderia com bastante frutas. Os pêssegos estavam super carregados mesmo aquelas arvores nas capoeiras tomadas de frutos e este ano sem bichos nenhum. Agora as uvas estão maduras e assim visitas é que não faltam. Também temos muitos pepinos e muitas outras coisas para comer. É uma pena que a gente não dá conta de comer. Eu tenho comido até mais não poder e assim mesmo não consegui engordar. Na próxima carta eu mesmo vou levar até a América e ai você vai poder avaliar se eu engordei ou se estou na mesma.

Na Igreja vão mais ou menos bem, às vezes os velhos ranzinzas gostam de uma polêmica principalmente o Velho Karklin, mas quando não há oponentes a discussão se esvai.
O Pastor Stroberg trabalha diligentemente e com muita boa vontade, mas não dá conta de ir a toda parte aonde o chamam. Em Laguna o trabalho vai muito bem e ainda no mês passado pagamos os 40,00 mil réis do aluguel do Salão. O Deter tinha prometido que deste ano em diante ele mandaria pagar e agora chega à notícia que ele não tem o dinheiro, mas nós aqui decidimos que o trabalho da pregação do Evangelho é muito importante e que tem que continuar principalmente neste local que o povo é muito receptivo e sempre pede que a gente volte. No dia 6 de Janeiro dia da Estrela ou dia dos Magos foi daqui uma caravana de cantores e outras pessoas e somente o Pastor não pode ir, pois nestes dias nasceu o Valfredo o primeiro filho da Dª Griselde e pastor Stroberg. Quem dirigiu os trabalhos lá em Laguna foi o Aléxis e o Siguismundo Anderman de Mãe Luzia. Se o Pastor tivesse ido teriam sido realizados os batismos e daí o Francisco da Cruz e sua esposa teriam sido batizados como os primeiros deste trabalho. Estes já são ativos professores da Escola Dominical onde estão matriculadas mais de 20 crianças. Agora Deus providenciou para que não seja mais necessário pagar os 40 mil réis, pois conseguiram salão mais confortável por apenas 20 mil réis e o povo de lá tem muita boa vontade e tenta fazer o mais barato possível para a continuação do trabalho. Em Grão Pará também o trabalho é bem acolhido e no mês passado eu fui a cavalo junto com 8 cantores e naquele dia tinha uma assistência de mais de 100 pessoas. Em toda parte há bastante trabalho, mas o Pastor não dá conta de atender a todas as necessidades o que o deixa um tanto frustrado.

Acho que devo terminar de escrever, pois estou com muito sono e o braço dói muito. Se você escrevesse uma carta tão longa pra nós traria muita alegria e satisfação. Mas parece que você não gosta mais de escrever para nós aqui, a Mamma já disse que quando você precisava alguma coisa de casa então lembrava facilmente de escrever e como agora não precisa então rapidamente esquece-se da gente.

Ainda amáveis lembranças de todos nós aqui e que te vá muito bem.
Fico aguardando resposta tua
Lúcia
PS
[Ainda os que faleceram no ano passado foi o velho Paeglis e no último dia do ano foi a velha senhora Tesmann. Ainda recebemos a triste notícia da Argentina onde no dia 17 de Dezembro a Senhora Kristina Leimann separou-se desta vida indo para o lar celestial de encontro com os seus que foram antes.,]

…O milho vem bonito e todas as roças e estão estão muito viçosos.

Rodeio do Assucar 2-2-27
Querido irmão!
A tua carta escrita no dia 25 de Dezembro eu recebi no dia 28 de janeiro e por ela muito obrigado, pois esta foi longa e eu gosto quando descreves o modo como você vive, como você está passando, o que você come e se está trabalhando ou não. Agora queria saber mais se tens alguma outra atividade ou somente estudas e depois sai por ai passeando com o seu novo casaco? Aquela camisa que nós costuramos aqui conforme a nossa moda é provável que não estejas usando, talvez seja ordinária demais por que é um trabalho nosso aqui do mato e assim é possível que eles achem graça de uma camisa destas.

Hoje está fazendo tempo bom e está bastante fresco, quase um tanto frio e um ar como fosse um dia de outono. Dias atrás choveu, mas não demais e foi muito bom para a lavoura, noutros lugares sim no domingo passado deu um temporal com granizo e tudo, mas aqui para nós, não deu. As roças este ano crescem muito bem. Agora somente esperamos que apareça nenhuma seca. As plantas de modo geral então o milho que já vem bonito em todas as roças estão muito viçosoas. Logo que plantamos o milho não estava vindo muito bem e as ervas daninhas cresciam demais, mas logo capinamos e começou logo a chover, agora todas as roças estão capinadas, somente a coivara do Rio Novo aquela na beira da estrada falta capinar a segunda vez então assim todas as roças estarão limpas. Aquele velho pasto que nós aramos e plantamos milho, já está com espigas grandes, podes vir comer do modo americano e assim poderemos aprender a “tornear” as espigas.

Este ano não vamos ter melancias, não cresceram e as que sobreviveram estão cheias de larvas, todos falam que este ano não foi bom para melancias.

Uvas nós temos bastante, mas não aqui. Aqui enquanto estavam verdes os cachos eram lindos, mas ainda verdes elas começaram a cair. No Rio Novo ali sim estes ano as uvas estão lindas, doces e você pode comer até dizer chega.

Outra coisa que se você estivesse em casa poderia comer bastante mesmo são os figos, também leite, pois nós temos 3 vacas dando leite. Eu aqui tiro de 2 vacas um balde cheio e a Mamma lá tira da “Bunita” bastante então você poderia tomar leite puro e também o soro de manteiga. Foi bom que você foi para a América, pois aprendeu a tomar soro de manteiga o que aqui você não fazia. Isto foi muito bom que você aprendeu.

É muito bom que você está passando bem e também a comida é abundante. O Artur [Artur Leiman] conta que quando ele estava na Escola passava fome e eles davam tão pouca comida que não dava para sobreviver, assim para 12 estudantes 1 kilo de carne então cozida numa sopa não era suficiente para sobreviver, então quem tinha algum dinheiro comprava algo para complementar e aos domingos era muito pior porque se não conseguisse chegar na hora não tinha mais comida. Por isso uma vez nesta situação eles arrombaram o armário da cozinha e comeram tudo o que acharam e assim você pode imaginar que vida. Por isso o Artur agora está doente e cai por ai, ele não sabe como vai ser a vida dele, pois ele está doente, a esposa dele também e ainda com duas crianças pequenas. Agora ele está em Nova Odessa com toda família, mas logo vai mudar para Itajay para aprender a ser dentista com o Adam da Minna. Esta Minna é aquela Kushmane que algum tempo teria morado com nós. Como que o Artur vai se sair eu não sei. Quando ele veio de Nova Odessa ele deixou toda mudança lá e tinha emprestado 700 mil em dinheiro e viajado pensando que voltaria a estudar. Agora achou que a proposta da Minna era mais conveniente então não sei quantas idas e vindas serão necessárias para acertar tudo. A esposa ele não quer deixar sozinha. Esta vez que ele veio ele gastou os 700 mil até Imbituba então calcule o custo desta viagem. A esposa com cabelo cortado em estilo conforme a ”moda” . E os filhos de óculos. Aqui uns irmãos da Igreja sugeriram que ele se apresentasse a Associação Missionária para trabalhar em Santa Catharina, pois trabalho há bastante e nem falta lugares para tanto onde ele poderia evangelizar. Ele declinou dizendo que todos americanos não cumpriram com o prometido e talvez o Deter não seja melhor. Melhor aprender uma profissão para suprir as necessidades da família e parece que o trabalho de Missões está fora das prioridades dele.

Nós soubemos que a esposa do Willis Leiman faleceu no dia 20 de dezembro deixando 4 crianças pequenas. Ela faz tempo que estava doente com câncer e disso que ela morreu. Para os familiares muitas preocupações. O Willis agora morava em Guarany um dia de viagem de Ijuy. Ele trabalha para a Missão Sueca que trabalha com os alemães.
A Selminha [Selma Klavin] está planejando voltar para o Rio e vai levar mais duas alunas que são a Kornelija Balod e a Klara Salit. Vamos se realmente irão, mas que estão se aprontando estão. Assim o Rio Novo cada dia está ficando mais vazio.

Já agora no dia 10 a Milda Match vai viajar para a Argentina, viagem para a qual faz tempo que está se aprontando. Nenhuma moça daqui não fez uma viagem desta e também nenhum objetivo como o dela foi tentado por nenhuma jovem daqui. Ela está determinada para que aconteça o que acontecer ela tem que ir embora para lá. Que seja para a vida ou para a morte e se fracassar nunca mais chegará perto de seu homem e seu casamento. Faz muito tempo que o Fritz [Fritz Leiman] tinha escrito para o Match sobre o assunto e quando o Arturs chegou, contou com mais detalhes. Começou com uma carta do Zeeberg daqui para o Fritz onde junto foi uma fotografia do pessoal daqui do Rio Novo onde também aparece a Milda e em lá chegando um viúvo chamado Kristian Hainze achou a moça muito bonita e encarregou o seu pastor, o Fritz para que escreva inclusive enviando uma soma de dinheiro para que ela fosse para lá. Assim ela vai embora mesmo, pois sendo homem já vale a pena. Dizem que é um homem gordo de bigodes fartos e pretos e barba de bode. Tem 45 anos de idade. Aqui no pedaço tem gente fazendo gozação porquê o Fritz além de ser pastor lá é encarregado de conseguir esposas para os viúvos de plantão. Agora uma vez que a Milda está indo embora, aqui ela tinha tentado pegar todos, mas não deu certo. Ela queria o Stroberg e por isso ela entrou em choque com todo mundo. Aqui ela está com um conceito muito lá embaixo. Ela queria ensinar o coro e como não deu certo então as reclamações vieram aos montes. Em nenhum dos coros apareceu uma tão manhosa como a Milda.

Logo na semana que vem chega aqui o Pastor Stroberg com a esposa com a qual se casou. A escolhida foi a professora alemã Griselde Bichels de Kuritiba, então vamos ver como ela vai ser.

Na semana passada o Arturs viajou para Lauro Müller onde foi visitar o Ivo Reis, pois ele mora lá mesmo e recentemente faleceu a sua esposa e com eles está tudo bem e manda para você muitas lembranças.

Estou também mandando o endereço do Karlos Salit e assim você poderá escrever para ele.

Desta vez chega de escrever, pois o papel acabou. Ainda tinha algumas coisas para contar, mas fica para outra vez.
Ainda muitas lembranças de todos nós, que estamos passando bem. Lucija.

(Escrito na lateral)
Muito obrigado pelos Cartões de Boas Festas, se bem que não são tão bonitos quanto os do ano passado. Gostei muito do costume dos americanos de mandar presentes durante as Festas. Você pode trazer este hábito para o Brasil. Nas entrelinhas de tuas cartas observei que não é tão logo que você volta para o Brasil. Estou certa disso ou não?
(Escrito na lateral pelo Artur (irmão deles)

A Lucija no dia 14 de janeiro mandou uma carta contendo 2 fotografias como presente para o seu aniversário, recebeste ou não, se não escreva que então eu vou reclamar no Correio, pois elas foram registradas. AP.
__________________________________________-

…com mensagens tão bonitas e fiquei realmente Feliz. | De Olga Purim para Reynaldo Purim – 1926

Rio Novo 8-2-1926

Querido maninho! Saudações!!

Os Cartões de Boas Festas recebi no dia 18 e por isso fico muito obrigada. Nesta altura já não mais esperava votos de Boas Festas e Feliz Ano Novo, pois está longe o Ano novo com seus dias felizes e outros nem tanto, mas assim mesmo muito me alegrou que me irmão lembrasse mandar-me cartões com mensagens tão bonitas e fiquei realmente muito feliz.

Você recebeu as cartas que eu mandei nos dias 8 e 18? Nós aqui graças ao bom Deus estamos indo como sempre, ninguém doente de ir para a cama, ainda que não sinta vontade de comer e dói a cabeça, mas isso não considero como doença.

O tempo está realmente muito chuvoso, pois chove doidamente todo dia. Durante todo mês passado poucos dias foram que o tempo esteve limpo. Agora pelas manhãs o tempo e extremamente quente, úmido e opressivo e a tarde chove, melhor descamba um temporal mesmo que haja poucas nuvens os raios e trovões estão presentes e é chuva que não para mais. Os rios grandes e pequenos rugem de tanta água e lembrando que no ano passado estavam completamente secos. As ervas daninhas crescem tanto que a gente não dá conta de capinar. E mesmo aquelas que a gente capina voltam a crescer.

As uvas este ano não deram boas, caem verdes e as que ficam nos cachos ficam escuras e muito azedas. Este ano nenhuma das frutas da época não se desenvolveu direito que talvez seja pelo excesso de chuvas. As pastagens estas sim estão crescendo muito bem, tanto que o nosso gado não consegue comer tudo. Agora nós temos bastante gado, são 8 bois e 14 vacas isto contando os novilhos e os bezerros. Os cavalos são 8. A grande Zebra tem o Poney. E a outra Zebra tem o Sirius e nova Marsa tem a Benita. Os três gostam de brincar e correm pelos pastos como se fossem doidos. A velha Marsa morreu no ano passado. Então agora você pode vir para cá para andar a cavalo. Porcos não temos muitos por que todos os animais devem ser cuidados e muito bem tratados e isso é mais importante ainda quando se refere à criação de porcos. Certo eu não sei, mas devem ser mais de 20. Na semana passada nós levamos 3 porcos gordos para a cidade e no total rendeu 410$000, por que agora os preços subiram e o preço da @ de toucinho está valendo 28$000.

No dia 6 de Janeiro houve piquenique na casa do tio Zeeberg. O dia estava limpo e muito quente. Nos dias da véspera tinha chovido muito, mas felizmente o tempo melhorou e veio bastante gente porque qualquer pessoa que quisesse poderia ir, pois de graça foi fornecido somente o café. Os demais pães e bolos etc. deveriam ser trazidos por cada família para si
.
Noutro dia cedo o Stroberg viajou para Mãe Luzia para visitar a Igreja local. Acompanharam 9 pessoas, os dois Frischembruder, o Osvaldo Auras, a senhora Zeeberg, a Lídia Stroberg, o Justis Grikis e também a Milda Match. Esta está sempre aonde o pastor vai. Se ela não for nada, é mesma coisa, é sim como angu sem sal. Sobre este assunto a Senhora Becherene tem falado coisas para o Frischembruder e disto resultaram grandes discussões na Sessão de negócios da Igreja. Os velhos tiveram a oportunidade de trocar farpas sobre o assunto. Também foram o Augusto e o Roberto Klavim. O Roberto veio passar as Festas em casa, mas agora já está voltando para Mãe Luzia onde está construindo atafonas junto com o velho Indriks.

(Esta carta foi escrita pela Olga, mas falta o final)

Os pêssegos estão lindos e deliciosos…. | De Olga Purim para Reynaldo Purim – 1924

[Parte final de uma carta escrita pela tia Olga, pois a parte inicial não foi encontrada].

Nós estamos passando mais ou menos bem. No mês de Novembro o tempo permaneceu bom e seco.

Agora se podem queimar as roçadas em qualquer dia e quando quiser. Porque seco como está, a queima é formidável. A nossa coivara faz muito tempo que já queimamos há muito tempo atrás. Lá plantamos 4 quartas e 3 litros. Em tudo plantamos 9 quartas. Na Bukuvina ainda temos um trecho para roçar. Quando queimarmos esta parte e plantarmos toda esta área de mais 4 quartas, então deve chegar. Quando vieres, terás serviço bastante para capinar, porque as ervas daninhas e matos crescem muito rápidos.

Os pêssegos este ano estão lindos e deliciosos e sem bicho nenhum e também laranjas ainda existem muitas. Ainda na semana passada tiramos mel das abelhas e você se estivesse aqui poderia aproveitar de todas estas delícias, mas você não quer vir.

A Lúcia quer saber se você tem mandado os jornais, a Luzija espera e ela não vai escrever mais até que os mande.
Esta noite ela está com muito sono e por isso foi dormir. Eu tenho que terminar porque amanhã não é Domingo.

Agora fico aguardando uma longa carta e como ainda não te consideras sábio suficiente, e assim comer e dormir queres continuar, então a escrita de cartas também deve.
Porque estas duas coisas, a gente resolve rápido o que não acontece com a escrita. Você ainda tem os feriados e quando nós chegaremos lá?
As tuas cartas todas foram recebidas, mas uma enviada por mim está extraviada. Junto com esta foi perdida uma do Arthurs que foi mandada junto. Naquele naufrágio em Laguna nada foi perdido, porque isso ocorreu dentro da barra.

Bem desta vez chega, se não conseguires ler a minha escrita, use óculos porque eu escrevi muito rápido.
Então receba muitas lembranças de todos e também minhas
Olga.

Você sempre fala que com um tiro você mata dois coelhos. | De Arthur Purim para Reynaldo Purim – 1922

Rio Novo 7 de novembro

Querido irmão!

Eu de você faz tempo que não tenho recebido nada. Você há muito tempo me escreveu, mas eu não respondi porquê eu estava brabo, zangado mesmo, por que eu mandei dois pares de meias de Blumenau através do Karlis Leiman que ia te entregar quando chegasse no Rio. Das duas uma ou você já usou e jogou fora ou o Karlis não entregou a encomenda. Eu mandei para que você, para que não fosse as grandes festas com as meias furadas. Se recebestes devia escrever agradecendo, pois elas custaram 4 mil.

Este ano nas férias você terá que vir para casa e trazer muita coisa para nós. A primeira coisa que você deverá por na caixa é um coelho. Você sempre fala que com um tiro você mata dois coelhos. Para começar você nem espingarda tem. E eu tenho duas. Somando, eu tenho três canos com que eu posso atirar muito bem. Agora nós em cada casa temos uma espingarda. Outra vez eu contei que emprestei a velha espingarda dos Leimann e depois o velho Leiman me presenteou e disse que poderia fazer com ela o que bem entendesse então assim nós temos duas espingardas e você nenhuma.

Também você deverá trazer sementes de mamão. Uma vez eu ganhei do Enoz [Ernesto Grüntal] e eu semeei, mas não nasceu nenhuma, pois todas sementes apodreceram. Também deverá trazer jacas e mangas pelo menos para provar o sabor.

E também deverá trazer a tão esperada ocarina [pilite em leto] para tocar sons e músicas. Aqui nós temos patos e marrecos machos, mas eles não sabem fazer som nenhum que me agrade.

Também deverás trazer àquele grande e velho dicionário em brasileiro se por acaso não vendestes ou destes de presente para alguém. Faça uma caixa bem grande para caber tudo dentro.
Uma das cartas que você escreveu para a Olga você tinha mandado lembranças para o Roberto. Quando fui entregar ele, contou que tinha escrito uma carta para você, mas não tinha recebido a resposta. Pode ser que tenhas ficado orgulhoso. –

Bem por esta noite chega. Esta noite, o sono está muito forte. Com sinceras lembranças e votos de uma boa viagem para o Rio Novo. Arthurs Purim.

NT [ Nesta altura o Arthurs já está com 17 anos de idade]

…o Troykis anda pelo telhado e mia. | De Lúcia Purim para Reynaldo Purim – 1922

Rio Novo 5-9-1922

Querido Reini!!

Saudações. – Tua carta escrita em 3-8-22 recebi faz bastante tempo, mas porquê ninguém ia para a cidade e nenhuma coisa mais importante aconteceu, assim eu fui deixando.

Nós estamos mais ou menos bem. Hoje à noite eu estou sozinha em casa. Os demais foram para a outra fazenda para arar a terra para plantar mandioca. Agora é sempre assim, onde se faz mais necessário nós corremos para lá e para cá.

Você não quer vir para casa e ser o gerente de uma destas fazendas? Hoje à noite a casa está muito quieta se não fosse a Ledi que às vezes late e o Kramzis cochila enquanto o Troykis anda pelo telhado e mia.

O tempo hoje está bom. Hoje queimamos a palhada onde foi cortada a cana.

Semana passada terminamos a festa do açúcar, renderam 9 tachos e daí 5 formas cheias. Você ficou com preguiça de vir nos ajudar, pois faz bastante tempo que o convidamos para ajudar a cortar cana e assim poderias tomar garapa com a concha e comer açúcar a colheradas.

E se demorasse aqui mais um pouco poderias acompanhar a festa da mandioca que ainda no teu tempo você não conheceu. Poderias ajudar a raspar as raízes da mandioca e secar a farinha no tacho do forno assim poderias comer farinha com melado que é muito delicioso. Este ano não vamos fazer muita farinha, pois ela está com o preço muito baixo.

Vocês somente comem arroz. Deviam comer feijão preto com farinha e assim aumentaria o consumo e também o preço. Planeje para a próxima temporada vir ajudar arrancar a mandioca e fazer a farinha lá no engenho do Leiman que agora é nosso.

Você poderá me ensinar os grandes conhecimentos e eu te ensinarei como se arranca um pé de mandioca. Então você vai ficar com a força e eu com a inteligência.

Quando nós formos lá não queremos que você fique com outras pessoas e nos ignore e também não queremos comer arroz com feijão preto que qualquer “mujike” come e sim vamos querer assados e pratos especiais e ainda na sobremesa àquelas deliciosas frutas.

Desta vez chega terei que ir a cidade.

Como estas passando? Você vai ter que responder com uma carta igual ou mais comprida. Mui amáveis lembranças de todos. Luzija.

Ele é malandro demais. | De Lucia e Olga Purim para Reynaldo Purim – 1921

Duas cartas no mesmo papel

Rio Novo 17 de fevereiro
Querido irmão!!
Primeiramente envio muitas lembranças. Nós todos estamos com saúde, somente a mãe reclama que doem as pernas.
O tempo está chuvoso. Ontem houve um grande temporal e o vento vinha de cima [noroeste, lado das Serras] e quebrou muito milho na roça do lado de cá do mato e na roça do outro lado do mato o milho estava muito altos, quase 4 metros de altura e agora estava começando a pendoar. Não sabemos o que aconteceu na Bukovina,[no outro lado, através da mata, atrás do Kasbuck] pois hoje nós não fomos lá.
Hoje passamos o dia plantando feijão e se tudo correr bem esta semana, vamos terminar.
A nossa Zebra tem um cavalinho novo e ele já tem 4 meses. Ele é marrom escuro, com a testa e as pernas brancas. Ele é malandro demais. Só quer brincar. Quer arrancar todo que botão da roupa da gente. Ele se chama “Sírio” e é um nome que os árabes dão a uma raça de cavalos muito velozes. Quando você vier para casa, já, poderá montar.
Este ano vamos ter muitas melancias, mas ainda não estão maduras. Você consegue melancias para comer?
Já colhemos a batata inglesa, pois ele cresceu muito bem este ano. Já vendemos 3 sacos e amanhã vamos levar mais um. Os homens das Vendas estão pagando 7$ por saca.
Junto com esta carta estaremos mandando calças e tudo que vai junto costurado à mão é serviço meu. Em troca eu quero que você mande cordas para o meu violino. Já poderia ter aprendido a tocar, mas devido ao medo de ao afinar, ocasionar o rompimento de alguma corda que infelizmente terminou acontecendo. O meu arco também é muito velho, mas eu vou tentar fazer um novo. Se não conseguir terei que procurar algum especialista para que este o faça.
Você já aprendeu a tocar piano? Estás aprendendo com quem? Quem está pagando estas aulas?
Você mandou algum alfaiate fazer as tuas roupas de lã?
Tens comido muito mamão? Aqui nós não temos mamões. Laranjas, ainda têm em algumas laranjeiras. As uvas este ano foram muito boas, bem melhores que ano passado.
Bem, desta vez chega, quando vier a resposta, eu escrevo mais. Eu acho que vais conseguir ler.
Muitas lembranças de todos de casa. Lusija.

(Escrito no mesmo papel)
– Neste pacote você vai receber muita mercadoria. – E você como sendo seu próprio alfaiate poderá refazer o que não estiver certo. Pois, para nós, sem as medidas atuais fica difícil. As calças, você poderá soltar a barra se tiveres crescido muito. Se teus colegas começarem, a perturbar por causa da tua roupa, você diz que é a moda que está em voga em Sta. Catarina ou é “Moda do Rio Novo”. Nós aceitamos figurinos de lá, pois não sabemos se a moda lá é de calças largas em baixo e estreitas em cima. Nós de lá, não sabemos nada. O tecido para uma calça custa 6$800, para camisa 11$000, Meias 1$800 o par, colarinhos $500, gravata vermelha 700, agora como grande sabichão, você pode calcular quanto isto tudo custaria, sem calcular os forros e botões. Você poderia aproveitar os dias livres das férias e confeccionar tudo isso na moda de lá. Bem se alguém não gostar que não olhe.
Hoje não vou escrever mais nada, pois podes estar exausto de ler os “manuscriptos” e na semana passada eu já mandei uma carta.
As tuas todas foram recebidas. Viva com saúde. Com saudações. – Olga.