Aqueles remédios para a Olga já recebemos faz tempo…| De Lucia Purim para Reynaldo Purim – 1926 –

Rio Novo 8 de abril

Querido maninho! Saudações!!

Recebi a tua carta escrita em 15 de março no dia 1o. de Abril pela qual agradeço muito. Bem agora não quero me demorar em responder e nem me desculpar como você tem feito. Eu provavelmente tenha também tenha seguir ao seu exemplo e responder as cartas semanas depois. Você diz que não consegue tempo para escrever imaginemos nós aqui. Você não conhece ou já esqueceu de nossa vida atropelada aqui e tudo parece estranho. Também não tenho tempo de escrever, pois serviço tenho em toda parte e tanto que não consigo dar conta. Tenho ir de uma casa para outra e tão exausta que não tenho nenhuma vontade de ir para cá e para lá, tenho até tonteiras e a minha cabeça fica zonza, mas tenho que enfrentar sempre, pois não tem outra pessoa que os façam. E certo que não tenho estes trabalhos de ir fazer visitas e passeios outros.

O tempo agora está quente e chuvoso, chove todo dia, ronca trovoada e pela manhã um sol causticante. No mês passado teve uma seca tão forte que até começou secar os pastos, mas agora chove todo dia.

A festa do Aniversário da Igreja [Dia 20 de março] faz tempo que passou. O dia estava muito quente. A festa foi dirigida pelo Oskar[Oscar Karp ]. O programa foi bastante longo, foram apresentados belos hinos, poesias e mensagens. Também muitas cartas e telegramas de outras Igrejas e outros lugares. Quando terminou a Festa e o povo, ia embora caiu um grande temporal, mas no outro dia já estava tempo bom.
A Páscoa também já passou, desta vez a chuva começou já na quarta-feira e choveu durante todas as Festas. Vieram visitas de Mãe Luzia os da família Klava e a Selma Anderman. Eles saíram com uma carroça com cavalos de lá de Mãe Luzia. Vinha o Zigsmundo [Andermann] e sua esposa e também a mãe dele. Eles tiveram que voltar de Urussanga porquê a estrada estava molhada e tão lamacenta que os cavalos não agüentaram. Então estes Klavas e a Selma Anderman vieram a pé de Urussanga para cá.

A União da Mocidade vai bastante animada, o Alex [Alexandre Klavin] um dirigente muito operoso e muito bom líder. As noites organiza programas de apresentações, dividiu os membros ativos em 4 grupos e cada um deles tem na sua vez ir à frente e fazer os seus programas. Também existem os Estudos Bíblicos e quem dirige é o Alex. Agora estamos estudando a Terceira, parte do “Manual Normal”. Logo o Coro Jovem deverá começar os ensaios para as Oitavas de Pentecostes, pois este dia está reservado para os Jovens. Você também poderia vir e também trazer a sua contribuição em hinos.

Aqueles remédios para a Olga já recebemos faz bastante tempo, por eles muito obrigado. Agora não podemos pagar, mas quando vieres para, ai sim. É uma pena que não serviram. Também não fizemos nenhuma pesquisa maior se bem eu queria ir falar com o médico ou com o farmacêutico, mas a Mamma não quis e disse que era a mesma doença do velho Stroberg e ele ficou bom. Mas só agora quando fomos ao farmacêutico ele disse que não era o mesmo mal que teve o Stroberg. O dele tinha sido causado por uma mosca que têm muitas em Varpa. Ele receitou para a Olga outros remédios e compramos ali mesmo. Ela agora está morando lá em Orleans com os Grïkis e o farmacêutico fará avaliações diárias. Vamos ver se vai adiantar.

Bem agora vou terminar, seria muito bom que você escrevesse cartas tão longas. Agora vou aguardar uma longa e minuciosa carta sua. Escreva sobre sua vida, onde moras e quanto ganhas. Para nos você sabe que pode contar.

Lembranças de todos. Pode ser que a Olga ainda te escreva
Lúcia

…e se a seca continuar assim será muito triste. | De Olga Purim para Reynaldo Purim – 1924 –

Rodeio do Assucar 17 de setembro de 1924

Querido Reini: Saudações!

A tua carta recebi já há bastante tempo atrás. E hoje não estou com ela e eu não me lembro nem metade do que você pergunta nesta carta. Acho que não tenha nada muito importante e se tinha a Luzija já deve ter te escrito. Porquê ela diz que manda cartas quase todas as semanas e o que ela escreve ela não diz e não deixa ninguém ler as cartas que ela escreve.

Aqui nós graças a Deus estamos passando suficientemente bem e nada tem de novo tem acontecido. As chuvas sim que são muito poucas e se continuar assim será muito triste. A seca no ano passado começou em novembro e deste então não houve nenhuma chuva que fizesse o nível dos rios subirem ao normal. Aqui no Rodeio do Assucar o riozinho ainda corre, mas lá no Rio Novo faz tempo que a calha não corre nenhuma gota d’água. A água para o consumo da casa tem que ser trazida da grota funda. As atafonas passam mais tempo paradas [A grande maioria destas atafonas, engenhos e serrarias em tempo de seca, tinham represas ou açudes para acumular água, para serem usadas por um certo período] e nem grãos para serem moídos.[Está se referindo aos danos da seca na colheita anterior].O tempo sempre está bom frio e com muito vento. A semana passada foi um pouco diferente porquê esquentou um pouco, mas ficou tão enfumaçado que não dava para ver o sol. As vezes a gente podia ver o sol como um disco através da fumaça. Sábado ficou nublado e no Domingo choveu um pouquinho e na Segunda e na Terça feira amanhecer nublado e escuro então pensamos que agora iria chover bastante e então ontem a noite choveu até bastante, mas hoje está tudo limpo outra vez e não aparece nenhuma nuvem para qualquer lado do horizonte. Melhorou um pouco porquê a poeira apagou e o pasto está se mostrando um pouco mais verde. Para o gado este ano não foi fácil pois durante o verão o pasto já tinha secado e depois agora no Agosto vieram as grandes geadas. Tudo agravado, pois este ano o restolho [As espigas de milho pequenas eram destinadas para a alimentação do gado e eram chamadas de “restolho”] não temos suficiente.

Na semana passada terminamos de plantar a mandioca. Plantamos de mandioca 18.600 mudas, De aipim plantamos 2.700 mudas. As derrubadas dos capoeirões também já terminamos. [Era hábito entre os agricultores deixar as áreas de terra cultivada “descansando” por um período de até 5 anos e quando já havia crescido uma capoeira ou mais tempo um capoeirão era novamente roçado e queimado e tornado a cultivar.] Já plantamos pepinos e batata inglesa para que até as Festas do Natal quando vieres para casa passear para você se deliciar de tudo isso e mais das grandes melancias que também nós já plantamos.—-

Junto a esta carta estou enviando uma “receita” que o Diretor prescreveu e as quais aqui na farmácia tinha que esperar por um longo tempo e ainda ele cobra 15$000 por vidro e assim eles põem 5$000 de lucro por unidade. Naquela vez eu comprei um vidro e tomei e não observei nenhuma melhora significativa porquê aqueles são aqueles remédios que são necessários tomar aos baldes. Então comecei a tomar aqueles dois vidrinhos de remédios que o Wictor trouxe que agora já estão no fim, mas a perna não melhorou nada. Se você puder comprar maior quantidade, quem sabe uma meia dúzia, então poderia usar mais tempo, aqui o farmacêutico quer encomendar, mas ele quer ter um lucro exorbitante, no Rio custa 6$000 e aqui ele quer 15$000. Melhor seria se alguém que viesse de lá pudesse trazer.

Bem desta vez chega de tanto escrever, pois também eu não tenho a máquina de escrever que facilita escrever mais rápido como você ai. Sobre outras coisas eu pouco sei porquê às noites poucas vezes a Igreja eu vou. Pode ser que a Luzija que vai para todas reuniões de preparação dos professores da Escola Dominical e Estudos Bíblicos possa te contar porquê para mim ela não diz nada. Então escreva diretamente e pergunte a ela.. Vou esperar carta sua. Com lembranças. Olga.