Agradeço a Gramática Inglesa que você me mandou.| De Luzija Purim para Reinaldo Purim – 1925 –

(Outra carta sem indicação do ano)
Rio Novo 19 de junho

Querido irmãozinho! Saudações!

Eu recebi a tua carta escrita em 16 de maio já há bastante tempo e por ela muito obrigada. Eu já poderia ter escrito a resposta antes, mas agora não mais estamos indo toda semana para Orleans, porquê a manteiga não é bastante para vender e dai a gente também não vai ao correio toda semana, você não vai tomar por mal eu ter feito esperar então agora vem à compensação porquê terei mais notícias para relatar e provavelmente a Olga também escreva e assim você terá bastantes coisas para ler.

Agradeço pela Gramática Inglesa que você me mandou. Recebi no dia que eu mandei a carta escrita no dia 23. Você já a recebeu? Você me pergunta como eu estou indo com os estudos. Eu realmente para estas coisas não tenho tido oportunidade de chegar perto, pois durante o dia inteiro trabalho na roça e a noite ou eu fio a lã ou teço meias. Este ano as meias estão bem valorizadas, pois os negociantes em Orleans estão pagando 4$000 o par e outros lugares estão ainda mais caras.

Recebemos os medicamentos que você enviou através do Vitor [Vitor Stawiarsky] e por elas muito obrigado. Este portador não tivemos chance de encontrá-lo, pois ele foi embora muito rápido. Quando fomos procurar, ele já tinha ido embora. Estes remédios ainda não foram utilizados e por isso pedimos que por agora não mande mais porque a Olga está agora se tratando com remédios indicados pelo Stawiarsky [Etienne Stawiarsky ] e por não poder misturar tudo pedimos que não fique gastando o seu dinheiro com remédios e para as suas próprias despesas poderá ficar sem dinheiro nenhum.
O tempo agora está chuvoso e toda semana ficou nublado e esta noite está chovendo forte. Agora os atafoneiros que moem o milho para fazer fubá não podem reclamar de falta d’água para movimentar as atafonas e também a nossa calha [Uma calha escavada com enxó goiva em troncos de palmito Jussara, sustentado por forquilhas, trazia água de uma nascente para próximo da casa] começou a correr maior quantidade, pois até a pouco mal pingava. Geadas tem havido em algumas manhãs, mas aqui elas não queimaram nada.

A festa do piquenique [Não pudemos inferir a que feriado se refere este piquenique] caiu em um dia chuvoso, tinha pouca gente. A tia Maisin antes da Festa esteve em Mãe Luzia e na volta trouxe consigo o Arthur Abolin sobre o qual já escrevi algo na outra carta. Ele ainda está por aqui. Ele tem a fisionomia semelhante ao Alex Klavin, muito parecido mesmo. Agora ele está hospedado na casa do Willis Slengmamm . Ele tem dirigido diversos cultos na igreja, muitas pessoas estão muito interessadas e acham que ele não deve ir embora antes da volta do Stroberg e outras pessoas já acham que não vale a pena ficar ouvindo. As suas prédicas são longas e se o relógio não bater as 12 horas, ele não saberia a hora de terminar. Os sermões não tem um título ou texto base. Um é igual ao outro. A chamada é sempre a mesma é que nós os escolhidos temos que orar mais em busca da plenitude do Espírito Santo, nós temos que estar vigilantes etc. Somente não prega o arrependimento ou conversão dos pecadores, as mensagens são sempre as mesmas: que o tempo da misericórdia está chegando ao fim e que os escolhidos devem se aprontar para a chegada de Cristo. Você escreve que soube que os pentecostais estão fazendo propaganda, eu pelo menos sobre línguas estranhas não tenho ouvido, pois é possível que eles têm estas manifestações em suas próprias casas porquê na igreja eu nunca vi.

Na 1a. Festa do Verão [Ascensão do Senhor cai no verão no hemisfério norte] dia estava muito chuvoso, mas na 2a. da Festa [Oitavas da Ascensão do Senhor] o tempo estava esplêndido e ouve um longo programa quase toda constituída de hinos e músicas. O dirigente foi o Abolin. O programa começou às 10,30 horas e terminou às 3 horas da tarde. Gente tinha bastante e também tinha vindo bastantes brasileiros de Orleans, mas para estes não foi lido nenhum texto nem cantado nenhum hino, como eles chegaram assim eles foram, viu como é, em outros lugares aqui ninguém vai pregar, e aqui eles vieram, mas nem assim, mesmo as pessoas que poderiam fazer algo nada fizeram e ninguém quer nada com nada.

Na semana passada recebemos uma carta do Andrejs, ele escreve que mandou uns papéis e desenhos para sua construção. Você os recebeu? O Jahnites agora está em Riga trabalhando com um sapateiro e aguardando oportunidade para entrar num Seminário. Eles próprios dinheiro não tem, mas esperam alguma vaga livre ou bolsa de estudos com o Freij [Líder Batista da Letônia] ou com o Fetler [Outro líder batista da Letônia], mas como nós aqui acompanhamos tudo o que acontece lá pelo “Kristiga Draugs” [O Amigo do Cristão – Publicação religiosa da Letônia] percebemos que o Fetler não tem escola nenhuma. Ele anda viajando e coletando dinheiro e planejando abertura de um Seminário ou uma Escola Superior. Os nossos parentes sempre tiveram o Fetler em alta conta e ainda hoje acreditam piamente no que ele diz.

Os remédios para “mal da terra” [Ancilostomíase] ainda não recebemos, mas é possível que estejam no correio em Orleans.

Bem por hoje chega de escrever e é possível que você não tenha tempo de ler e se esta carta chegar enquanto você tiver ido a “Chautaqua” [Acampamento Anual Batista] então ai mesmo que você vai demorar mesmo a ler esta carta devido ao seu muito trabalho.

O genro do Farmacêutico é o Jorge Moures e ele próprio quer te escrever.

As tuas lembranças foram entregues a todos. A senhora Klavim está quase totalmente recuperada. Escreva bastante para mim dizendo como estás passando.

Muitas lembranças de todos de casa e eu disse no começo que os demais iriam escrever também, mas todos ficaram com preguiça e nenhum quer mais escrever.

Assim fico aguardando longa carta de resposta.
Luzija

Aquele Reinis de Leningrado escreveu uma carta e também um cartão postal…De Luzija para Reynaldo Purim – 1925 –

Rio Novo 24-3 25

Querido Irmãozinho!
A tua carta escrita em 20 de fevereiro recebi já há bastante tempo, por ela muito obrigada. E eu estou fazendo do mesmo modo que você, quando não responde imediatamente depois as coisas se acumulam e se gasta muito tempo com tanta coisa para escrever. Realmente não tinha tempo de responder, pois possivelmente você saiba que agora no dia 20 foi o aniversário aqui da Igreja e por isso quase toda noite tínhamos que participar dos ensaios do Coro da Mocidade e também do Coral da Igreja e devido que este ano os ensaios começaram muito tarde foi necessário também alguns durante o dia e assim realmente não sobrou tempo para escrever nada.

Sobre a Festa de Aniversário da Igreja devo informar que naquele dia o tempo estava bom, mas, gente não tinha tanta quanto nos outros anos. Foi servidos o tradicional café com pão doce, etc.. Visitante ilustre foi o representante da Igreja de Varpa, ou melhor, o Pastor Pintcher do “Acampamento” [Início da Colônia Varpa Tupã SP] o qual chegou aqui já no dia 25 de fevereiro junto com o Pastor Stroberg de São Paulo. Sobre o Programa da festa nada excepcional não houve, tudo transcorreu igual as outras festas. O Pastor Pintcher foi o dirigente. O Pastor Stroberg já no dia 11 de março teve que embarcar para reiniciar os seus estudos. Junto com ele tinha vindo um outro moço do “Acampamento” chamado Schmit e esse também foi junto com o Stroberg para a escola em Kuritiba. Interessante quando este moço falava em público ficava com os olhos fechados. Este moço tem a mesma altura do Stroberg. Bem sobre as atividades do Pastor Pintcher e do Schimit escrevo em outra ocasião.

Recentemente recebi uma carta do Tio Ludvig e ele escreve que de boa vontade viria dar um passeio em Rio Novo, mas ele não tem ninguém para deixar em seu lugar. Ele exerce o cargo de Redator do “Deutscher Zeitung”. Ele tem dois auxiliares, mas se forem deixados sós, eles amassariam todos os livros com os pés e assim mesmo o jornal ficaria com as páginas vazias [em branco]. Ele me convida e acha que seria muito melhor eu ir passear em sua casa e que pusesse a mamãe [Lisete Rose Purim – irmã dele] num cesto (balaio) e trouxesse junto, pois de outra maneira ela nunca viria fazer uma visita para ele. Sobre você, ele não pergunta nada, somente ele menciona sobre o filho mais velho dele o Gerds [mais conhecido por Vitor] já está na escola e diz que ele e parecido com você [7 anos de idade] e o outro se chama Rolf e tem um pouco mais de três anos de idade e não tem mais nenhum filho, o endereço dele ainda é o mesmo, Rua Libero Badaró N. 99.

Aquele Reinis [Reinis – Reinolds Purens irmão de Jahnis Purim meu avô – Faltam detalhes deste parente] de Leningrado escreveu uma carta e também um cartão postal, ele conta que no mês de abril ele deverá viajar de volta para a Letônia e depois para o Brasil ou para a África. A mãe dele já faz 10 anos que faleceu e ele está sozinho e ele não mais consegue viver na Rússia. Ele possuía um terreno, mas hoje já não é mais dele. Então vai liquidar todos os bens e vir embora. Também o tio Jekabs [Jekabs Purens outro irmão de Jahnis Purim que foi morar com a família em Varpa Tupã SP.] escreveu que escreveu para o tio Andrejs [Andrejs Purens] outro irmão de Jahnis Purim que nunca veio para o Brasil.Tinha mandado cartas dizendo que tem vontade de algum dia vir para cá também. Nós escrevemos para que ele [Reinis] na medida do possível auxilie o Andrejs e venham todos para cá. Portanto não se assuste se na eventualidade eles apareçam por lá, pois nós também fornecemos o seu endereço para eles.

Nós estamos razoavelmente bem, somente à tosse comprida está nós judiando. Também o Paps [Paps – Jahnis Purins meu avô] ficou acamado com tifo, mas nós outros ainda não tivemos.

O tempo está com a temperatura mais amena e também não chove mais tanto, já parece que o outono está chegando. O milho está amadurando e este ano as espigas estão bem desenvolvidas (grandes).

O Arthurs plantou um trecho de arroz no banhado junto à divisa do terreno com a Nona e este arroz quanto ele, você poderá vir ajudar a cortar. Logo teremos que fazer a farinha de mandioca, pois as mesmas estão com as raízes realmente grandes e água para mover o engenho também há bastante. Nesta semana o Roberts está fazendo novas roscas [Deve ser para os fusos das prensas]. Este ano a farinha está cara 22 a 24 o saco, o toucinho a 40$ a arroba, a banha a 5$500 o quilo, realmente não consigo compreender como os pobres conseguem comer quando tudo está tão caro.

Você sabe se o João Klava já chegou ou chegou a tempo? Nós calculamos que a chegada dele deveria coincidir com aquela catástrofe. [??] Aqueles majestosos prédios da Escola não desmoronaram e o que você estava fazendo nesta ocasião? Aqui o povo está muito assustado com as notícias destas tragédias e os jornais estão cheios delas.

Tens encontrado o Fredi Stekert? Poderias ir procurá-lo, pois a senhora mãe dele está muito preocupada devido que há mais de um ano que não manda nenhuma carta para casa. Jornais ele manda, mas nenhuma linha sobre ele próprio e ela também não sabe onde ele vive nem o seu endereço.

Bem hoje chega, a cabeça está doendo e o sono está chegando, tenho que ir dormir.

Lembranças de todos, os outros também vão escrever. Eu antecipei, pois quero receber a sua resposta também antes sem ter que esperar demais.
Luzija
(Escrito na lateral)
Ainda muitas lembranças do pessoal do Rio Larangeiras. Eles nunca podem te esquecer, você bem que poderia escrever uma carta para eles. O Romão [Romão Fernades meu avô materno] prometeu te escrever, mas não sei se já o fez.