Está um luar maravilhoso…. | De Olga Purim para Reynaldo Purim

25 de novembro de 1920
Querido Reini! Saudações!
Eu não pensei que tão rápido teria que te escrever, porquê cada ano que ia e ano que vinha, as tuas férias, nunca sabia onde ias passar e como não podia ser diferente este ano também você nada escreveu onde estás e para onde irias. Recebemos no Domingo passado os papéis azuis com os jornais, mas lá também não veio nada escrito. Já estava conformando-me em ficar aguardando o seu endereço temporário, não sei quando. Mas ontem a noite recebi a carta escrita no dia 11-11-20, a qual chegou muito rápido. Por tudo muito obrigado. E hoje a noite já estou escrevendo a resposta, pois é provável que alguém de nós vai para a cidade e logo esta chegará ao seu destino. Também não te admires se não tenho novidades, pois não faz muito tempo uma dia 4 de novembro acompanhada de uma fotografia e a outra dia 9 de novembro. As tuas cartas foram todas recebidas e extravios não houveram nenhum. – Dos nossos parentes da Rússia você mandou alguma carta para nós?
Tempos atrás pensávamos que você viria para casa, mas há pouco tempo atrás, recebemos “O Baptista”, onde está escrito que estão te convidando para trabalhar no Paraná. Então deduzi que se fostes convidado então irás para lá, mas veja infelizmente não deu.
Se tivesses vindo para casa poderias ainda chupar muitas laranjas e também os pêssegos estão muito bonitos. O Rubis (Roberto Klavin) como grande cientista previu que este ano será um ano bom, também para as uvas e tudo vai se desenvolver-se muito bem. E ainda tem o mel, enfrentar as abelhas para colher o mel, você não vai mais precisar, porque a colheita já terminou e todo o mel já foi tirado. O que você poderia fazer era negociar, comprando barato e vendendo com lucro em outros lugares. Nós das 55 colméias antigas tiramos 17 latas. Todos produtores de mel fizeram boa colheita. O tempo hoje à noite está muito bom, está um luar maravilhoso, tão claro que é possível ler um livro ao luar e também a temperatura está amena e nada quente. Nós agora estamos capinando a mandioca e o milho e ainda tem tantos outros serviços. Na semana passada choveu e tudo esta crescendo bonito inclusive o mato. A coivara da Bukuvina, nós queimamos no dia 9 de novembro. Foi uma queimada formidável. Naquele dia o vento também estava forte e fez uma fumaceira sem fim. O fogo pulou o aceiro para dentro das samambaias em diversos lugares, mas foram imediatamente controlados (apagados) e a grande vantagem é que os troncos e outros tocos de árvores, não estavam muito secos. O Enoz como vizinho veio ajudar e foi muito bom queimar naquele dia porquê não estava tão seca ainda e se tivesse esperado ai o perigo seria muito maior. Por mais de uma semana depois da nossa grande queimada o povo por todos os lados continuou fazendo as grandes fumaceiras. A roça da Bukuvina nós plantamos em 3 dias 4 ½ quartas de semente de milho. No total nós já plantamos mais de 10 quartas.(Quartas de alqueire – Um alqueire tem 4 quartas)
Bem por hoje chega. Nada de novo tem ocorrido e tudo continua velho. Pode ser que receba alguma carta, então ai eu escrevo de novo. Ai também é possível que você tenha também mais tempo, porque já estará de férias. Lembranças de todos. Viva com saúde. Olga.

NT A espressão ” recebemos os papéis azuis ….” deve ser papel carbono usado para copiar modelos de vestuário de Revistas e Jornais

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s