O açúcar está caro | De Lucia Purim para Reynaldo Purim

Rio Novo 6 de agosto de 1920

Querido irmão!!
Eu, a tua carta, recebi no domingo. Muito obrigado. Nós estamos passando bem. O tempo está muito instável. Alguns dias fica bom, mas logo começa soprar um vento e logo a chuva já começa. Quase não passa uma semana que não chova. Na semana passada cortamos a cana e esta semana foi a festa do açúcar. Este ano deu 6 fornadas e muito cheias. No ano passado deu bem menos e assim mesmo, não deu para gastar tudo, pois sobrou mais ou menos 1 ½ arrobas e agora com tanto açúcar vamos ter para o ano inteiro. O açúcar está caro, parece que está a 14$000 a @ ou 1$000 o quilo. Na farra do açúcar nós tivemos dois importantes auxiliares. A cana toda nós cortamos na semana passada. O Leimans prometeu transportar a cana até em casa e ajudar a moer com os bois. Mas os animais dele ficaram doentes, então ele não veio. No domingo o Rubis e o Augge estiveram aqui e prometeram ajudar. Os bois deles estão acostumados, pois quando eles fizeram o açúcar deles, foi com eles que trouxeram a cana e com eles também moeram. No primeiro dia o Augge chegou cedo e trouxe toda cana e no outro dia ao clarear o Willis chegou para ajudar moê-la e não deixaria de dividir a honra com o irmão. Se o Rubis, não tivesse que ir a Mãe Luzia possivelmente também tivesse vindo ajudar. Logo vamos ter que começar a plantar. Ontem pela manhã teve uma não muito grande geada, mas hoje está mais quente. Aulas na escola não temos porque acho porque ainda não conseguiram um professor. O Butler foi embora no dia 22 de julho. O velho pai dele mora sozinho. O Natalis leva “ Wirtschapti “. – O Paulinho da Kate vai embarcar logo para Nova Odessa e se ele gostar de lá ela, a Kate vai também. Em Nova Odessa, todos andarilhos soltos por este mundo se ajuntam. O Franzis Limors comprou lá uma colônia ( terreno ) por 6.000$000 então a Senhora Limors (mãe ) que morava na cidade foi para junto do Franzis. Então o velho veio para Kuritiba e ficou lá enquanto o Franzis continua em Nova Odessa. Também o João Klava está trabalhando lá para ajuntar dinheiro e viajar para a América do Norte para estudar lá. Ele diz que no Rio a escola não tem um programa e ele não vai comer feijão lá. Em Paranaguá, ele teria ficado com medo porque o Abrão ora falava alto ora baixo e ele não acostumava com isso. O Deter teria dito a outras pessoas que um elemento como ele não poderia levar para casa dele senão ele iria ensinar artes aos filhos dele. E como, a América do Norte o recebe com os braços abertos e com grande honra? Bem por hoje chega. Você não poderia mandar folhas de papel de desenho azul junto com os jornais (papel carbono) ? Os jornais chegam todos direito. Bem agora chega mesmo. Muitas lembranças da Luzija.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s