Origens da colônia: O início no sul do Brasil

O INÍCIO NO SUL DO BRASIL

Devido a impossibilidade de se conseguir um pedaço de terra para o cultivo próprio, e ao processo de russificação ocorrido no final do século XIX, muitos lavradores da Letônia imigraram para o interior da Rússia, e até mesmo a gelada Sibéria, em busca de uma gleba para cultivar. Outros, do interior, deixaram as lavouras e mudaram para a capital, Riga, onde buscavam trabalho nas fábricas. Estes também enfrentaram muitas dificuldades até acostumarem-se ao tipo de trabalho e ao ar poluído.Seu sonho era transferir dois milhões de letos para o Brasil.

No ano de 1888 dois jovens, o pastor Karlis Balodis e o filósofo Peteris Salits, já pensando em planos de colonização e imigração, vieram ao Brasil – mais precisamente à cidade de Desterro, capital do Estado de Santa Catarina, mais tarde chamada de Florianopólis, – com a finalidade de conhecer este país, conhecido como “terras quentes”. Tendo retornado a Letônia, abriram em Riga um “bureau” a fim de incrementar a imigração em larga escala e tendo por meta a transferência de dois milhões de letos para o Brasil.

Em abril de 1890 vinte e cinco famílias deixaram o porto de Riga, conforme descreveu o pastor Janis Inkis em Varpa, no ano de 1947:

«O convés do navio está repleto de cidadãos muito bem vestidos, com suas famílias, e vejo também crianças. O navio tem por destino inicial o porto de Lübeck, na Alemanha, e de lá continuará a sua viagem para o Brasil. O ambiente é alegre e otimista. Durante a despedida os homens bebem ao sucesso da viagem e do empreendimento, e as garrafas vazias são jogadas no rio Daugava.»

O pastor Janis Inkis, naquela época ainda jovem, perguntava em seu coração: “que bênçãos poderão aguardar na nova terra?” (ver Kristiga Draugs de 1992, números 1 e 2).«As garrafas vazias são jogadas no rio Daugava.»

Neste grupo havia alguns batistas: Janis Arums, sua esposa, seu filho adotivo Adolfo, e a senhora Katrini Bitait. Ao todo, quatro batistas.

Logo após a chegada no Brasil, apesar da colônia Rio Novo não ficar tão longe da estação ferroviária em Orleans, surgiram os problemas: desinformação, reclamações e arrependimento. Janis Arums, no entanto, aprovou a colônia, e já no começo organizava e dirigia os cultos.

Aqueles que retornaram para a Letônia levaram muitas informações desairosas e prejudiciais sobre a terra, que foram publicadas no jornal Baltijas Vestnesis (O Mensageiro do Báltico). Porém a opinião de Janis Arums era outra, e através de cartas ele mostrava situação muito diversa aos batistas de Riga.

Mais uma vez o pastor Janis Inkis foi testemunha ocular da saída do novo grupo de imigrantes, cuja maioria era, ou melhor, consistia de quase a totalidade da Igreja Batista de Daugavagrivas (Foz do Rio Daugava) – inclusive o coro e seu dirigente, que com batuta na mão perguntava aos seus cantores: “Quem quer conosco ir a Sião?” Deus tinha desejado formar bases para a imigração de batistas letos ao Brasil.

A Igreja Batista Leta de Rio Novo foi organizada em 20 de março de 1892, com 75 membros. Foi a primeira Igreja Batista de Santa Catarina e do sul do Brasil.

Quando das visitas do pastor Janis Inkis à colônia de imigrantes letos em Nowgorod, na Rússia, ele hospedava-se na casa de seu pai pastor Jekabs Inkis, que era o líder daquela Igreja, e aproveitava para contar do grande movimento de imigração para o Brasil. Isso gerou muito interesse, e organizaram-se outros grupos de imigrantes para o sul do Brasil. A Colônia do Rio Novo mostrou-se muito pequena para tantos que chegavam, e os novos imigrantes, originários de Kurzeme, estabeleceram-se às margens do rio Oratório. Porém a terra, que era muito pedregosa, oferecia obstáculos para as culturas. Depois de contatar pessoas do vizinho estado do Rio Grande do Sul, da Colônia de Ijuí, este grupo transferiu-se para lá.

Os primeiros professores do Rio novo foram Wilis Butlers, pai da Dra. Helen Butler, e Alexandre Klavim, progenitor do falecido Dr. Alexandre Klavim e da professora Selma Klavim.

Os primeiros obreiros, que em 1903 foram estudar com o pastor Karl Roth, em lingua alemã, no seminário em Porto Alegre, foram Alexandre Klavim, Janis Nettembergs, Fritzis Leimanis e Richard Inkis – sendo que este último se tornaria mais tarde um expoente do ensino no Seminário Ba­tista do Sul do Brasil, no Rio de Janeiro. Mais tarde foram também a Porto Alegre Vilis Leimanis, Peteris Salits e outros.

O trabalho batista cresceu e alcançou Oratório, Ijuí, Mãe Luzia, Alto Guarani, Massaranduba, Rio Branco, Terra de Zimermann, Bruendertall, Linha Telegráfica e, por que não, a Primeira Igreja de Nova Odessa. Em 1934 chegou a Urubici. O crescimento do trabalho foi igual ao de um carvalho: lento, mas poderoso.

Destes trabalhos surgiram novos obreiros, talvez mais de 130. Nomes como Keidans, Inkis, Klava, Leimanis, Liberts, Andermanis, Saetz, Purins, Peterlevitz, Butlers, Araiums, Paegle, Frischembruders, Seebergs, Leepkalns, Strautmanis, e Strobergs são por demais conhecidos. Esses obreiros alcançaram o Brasil, Argentina, Estados Unidos e Canadá.

Em 22 e 23 de março de 1992 a Convenção Batista Catarinense organizou, no Acampamento Batista Catarinense, a primeira parte da comemoração do Jubileu do Centenário da Organização da Igreja Batista do Rio Novo e, conseqüentemente, do trabalho Batista Leto no Brasil. Para esta comemoração vieram caravanas de diversos pontos do país. A semente tinha caído em boa terra.

* * *

Coligido e apresentado pelo pastor Ilgonis Janait por ocasião do Jubileu do Centenário em Varpa, no dia 11 de Julho de 1992.
Traduzido da revista Kristiga Draugs Nº 4 de 1992, por V. A. Purim)

Advertisements

6 comments on “Origens da colônia: O início no sul do Brasil

  1. nadine auras diz:

    eu sou auras bisneta do biso conrrado alexandre auras neta de valdomiro sergio auras .

  2. Omar Osório Kalnin diz:

    Sou descendente de léto, meu bisavô Peter Kalnin, natural de Riga.
    Gostaria de saber se existem registros da chegada da família Kalnin no Brasil.

    • V. A. Purim diz:

      Olá Sr. Kalnin .
      Tive a satisfação de conhecer um Juiz de Direito aposentado que morava na cidade de Camboriu.
      Gostaria muito em ajudar o amigo, mas a minha proposta inicial seria restringir a minha pesquisa a primeira Colônia Leta no Brasil que foi a de Rio Novo.
      Mas também tenho vontade de ajudar os demais a encontrarem os seus antepassados. Você deve saber que não é muito simples. Mas as veses a gente pode esbarrar em alguma informação que ajude. Não tenha a menor dúvida que se isso ocorrer estaremos procurando informar.
      Aquele abraço
      V.A.Purim

    • Jairo Santolin de Oliveira diz:

      Sou Jairo santolin de Oliveira, filho de Antônio Kalnin de Oliveira, minha vó veio da Letônia, chamava-se Alma Elizabeth Kalnin Arums, (sobrenome arums de casada, ficou viuva bem cedo, teve só um Filho Osvaldo Kalnin Arums, faleceu cedo num acidente numa cassada, atirou-se acidentalmente, meu Pai hoje com 83 anos vive em Guaramirim-SC, ele tem só o passaporte dela.

    • V. A. Purim diz:

      Olá Jairo.
      Estamos satisfeitos por você estar acompanhando no nosso Blog.
      Gostaria de fazer uma pergunta: Você leu “A História de um Pioneiro “ onde conta a vida de Jahnis Arums.
      Vejo muita pouca possibilidade de serem parentes, mas gostaria que você voltasse atrás nas Cronicas já publicadas e pudesse informar se este Arums tem alguma coisa com a sua avó Alma Elisabeth Kalnin Arums por ter casado com um Arums.
      Depois volte contando.

  3. Antônio C. Santolin de oliveira diz:

    olá,
    Sou neto da dona Alma Elisabeth Arums Kalnin, que foi casada com o sr. Adolfo Arums, teve três filhos – João Arums – Osvaldo Kalnin Arums e Antônio Kalnin de Oliveira – ela nasceu na cidade de Riga – Letônia – tinha três irmãos .
    Sendo que este Juiz de direito aposentado é primo segundo do meu pai, hoje meu pau tem 86 anos, e lembra de muitas pessoas citadas acima, caso queira fazer contato deixo meu e-mail: oliveirasantolin@gmail.com
    Abraço

    Antônio

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s