O serviço nunca acaba | Olga Purim a Reynaldo Purim

Rio Novo, 24 de janeiro de 1918

Querido Reini,

Primeiramente mando muitas lembranças. No domingo passado recebi a sua carta escrita em brasileiro do dia 7 de janeiro, e também um Cartão Postal. Obrigado. Você me pede que eu escreva cartas em brasileiro, mas isso para mim não é nada fácil. Ler e entender até que posso, e em leto é outra coisa. Você pode escrever em leto ou em brasileiro, tanto faz, porque ler é uma coisa e escrever é muito mais difícil.

Você pergunta se todas as suas cartas nós recebemos. Sim, recebemos tanto as escritas em leto quanto as escritas em brasileiro, e também os Cartões Postais. As escritas em leto foram abertas; como sei que vão abrir até não me importo, contanto que cheguem ao seu destino.

Semanas atrás mandei longas cartas enroladas no jornal “Baptist Standart”; gostaria saber se você recebeu. Se não será uma pena, pois nestas cartas foram longos relatos das últimas notícias e descrição das festas [de fim de ano], etc.

Nós estamos passando bem. Já há alguns dias está fazendo tempo bom. No último dia do ano e no dia do Ano Novo foram dias muito quentes, mas logo depois houve uma temporada de chuvas. Agora mesmo tem sempre mais chuvas que tempo limpo. No domingo passado, logo depois do almoço, deu um temporal de chuva quase igual àquele da enchente do janeiro passado, mas assim mesmo os riachos se encheram d’água.

Ainda bem que as lavouras estão se desenvolvendo bem. Agora estamos capinando as roças de milho. Logo teremos todas as roças de milho já no limpo. Logo teremos que começar a plantar o feijão (das águas) e, como sabes, o serviço nunca acaba. Estamos com as uvas maduras, que estamos comendo todos os dias. Também os pepinos crescem rápido e temos demais. Gostaria de saber se aí também tem uvas, pepinos e melancias. O que vocês comem no dia a dia? Aqui para o Karlis faltou algum mantimento devido aos preços exorbitantes, que aí talvez sejam ainda mais altos.

Desta vez não tenho muitas novidades. No dia 12 de janeiro o Wilis Paegle casou com a Erna Auras. O Arthur Paegle já tinha casado no dia 17 de novembro último. Entre os rionovenses casar está na moda. O casamento do Oskar Karp dizem que vai ser em breve. Os Salits estão morando na casa nova, então haverá espaço na casa da Lídia Karp. Dizem que ela não está nada satisfeita com a nova “patroa” que logo vai entrar na casa dela.

Bem, por hoje chega. Vou aguardar longas cartas tuas. Como é a Escola Dominical que tu frequentas? Tu conheces a Alice Reno? Como ela se parece? Os outros professores são brasileiros? Ou são estrangeiros?

Esta semana esteve nos visitando a senhora Leimann e mandou muitas lembranças. Ela não sabe escrever em brasileiro e em leto, talvez a carta nunca chegue, então ela só manda lembranças a todos daí. Se puder ela vai pedir para a Wallija para que escreva em brasileiro.

Quando receberes esta é possível que o Arthurs Leimann já não esteja mais aqui, pois está com as malas prontas para ir para a Argentina.

Muitas lembranças de todos, principalmente do Papai, da Mamãe, do Artur e da Lusija [Lúcia].

Olga

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s